terça-feira, 28 de julho de 2015

CADÊ A PROMOÇÃO NO CBMERJ?

Bombeiros firmam parceria com Prefeitura de Niterói

O Corpo de Bombeiros do Rio firmou uma parceria com a Prefeitura de Niterói, na última quarta-feira (22/7), para auxiliar no plano de contingência para prevenção e combate aos incêndios florestais que apresentam alto índice na cidade. Dezesseis bombeiros participarão do projeto em regime de escala, com início previsto para o próximo mês. Diariamente, quatro militares ficarão de plantão 24 horas e atuarão, ainda, no treinamento de guardas ambientais e voluntários. O convênio será pago pelo órgão municipal, por meio do Programa Estadual de Implantação de Serviços de Bombeiro Militar (ProeisBM). O investimento será em torno de R$ 60 mil mensais.


De acordo com o secretário de Defesa Civil e comandante-geral do Corpo de Bombeiros, coronel Ronaldo Alcântara, a parceria reflete o entendimento da resiliência, além de ratificar a iniciativa do Governo do Estado com os municípios fluminenses.

– Trata-se de um complemento ao trabalho que vem sendo muito bem desenvolvido pela Defesa Civil do Estado, que, em junho, lançou o Mapa de Ameaças Climatológicas, no qual é possível identificar manchas de prevalência de incêndios florestais em Niterói – destacou.

Estudo


O Mapa de Ameaças Climatológicas, idealizado pela Defesa Civil do Estado, reúne informações fundamentais sobre a forte influência de incêndios florestais e estiagem nos municípios fluminenses. O objetivo deste estudo é dar celeridade ao enfrentamento destas ameaças. A partir do lançamento dessa ferramenta, as cidades vêm se preparando por meio de exercícios simulados previstos nos 168 planos de contingências municipais.

– O mapa nos possibilita ações antecipadas mediante os riscos dos desastres, de forma a somar esforços e impedir que aconteçam. No entanto, quando inevitáveis, devemos minimizar suas consequências por meio de ações coordenadas e planejadas para reduzir os danos humanos, ambientais, entre outros prejuízos – alertou o coronel Alcântara.

Com apoio das prefeituras, o Mapa das Ameaças Climatológicas do Estado do Rio de Janeiro reúne informações retiradas das edições 2012 e 2014 do Mapa de Ameaças Naturais do Estado do Rio de Janeiro, também desenvolvido pela Secretaria de Estado de Defesa Civil.


segunda-feira, 27 de julho de 2015

Brasil precisa triplicar cidades com cineclubes em 5 anos para bater meta

Há hoje 701 municípios com o espaço (12,6%), metade no Nordeste.
Plano Nacional de Cultura estipula uma meta de 37% até 2020.


Cineclubes (Foto: Arte/G1)Um levantamento da Secretaria do Audiovisual, do Ministério da Cultura, feito a pedido do G1mostra que o país conta hoje com 701 cidades com cineclubes, o que representa 12,6% do total. São mais de mil espaços espalhados pelo país.
O dado revela um desafio quase inalcançável: atingir o patamar de 37% das cidades com cineclubes até 2020, uma das metas do Plano Nacional de Cultura. Isto significa ampliar o número para 2.061 em apenas cinco anos.
Em 2010, havia 682 cidades com cineclubes – espaços que exibem filmes brasileiros e estrangeiros, sem fins lucrativos, e que promovem palestras e estimulam o debate sobre o que é apresentado. Se o ritmo for mantido, serão necessários mais de 300 anos para cumprir o estipulado.
Para Gleciara Ramos, secretária-geral do Conselho Nacional de Cineclubes, trata-se de uma tarefa “muito difícil”. “Apesar de haver um gargalo na exibição no país e de a gente saber da importância do cinema e da educação, não há atitudes por parte do governo de dar legitimidade ao cineclubismo, que é tratado de maneira muito periférica”, diz.
Gleciara diz que há muita dificuldade em manter os espaços atualmente. “Falta periodicidade nas exibições. São escassos os que funcionam regularmente.” Segundo ela, isso se deve muito ao fato de as ações do governo, como o Cine Mais Cultura, terem sido interrompidas. Gleciara também cita o caso da Programadora Brasil, criada para disponibilizar vídeos para exibição e que deixou de funcionar.
OS CINECLUBES
O Conselho Nacional de Cincelubes diz que os espaços têm como objetivo propiciar a reflexão sobre a linguagem do cinema, possibilitar a experiência fílmica como ferramenta de educação, estimular o desenvolvimento do pensamento crítico e viabilizar ações concretas de intercâmbio entre cineclubistas, realizadores, pesquisadores, críticos e pessoas que se interessam pelo cinema como arte transformadora. O primeiro cineclube do Brasil foi fundado em 1928, no Rio de Janeiro: o Chaplin Club.
O secretário do Audiovisual, Pola Ribeiro, admite que “programas foram descontinuados”, mas diz que eles serão “requalificados”. “Com a tecnologia do jeito que anda, um projeto que parou três anos não tem como ser posto para funcionar de imediato. A gente vai reorganizar o Cine Mais Cultura porque as coisas mudam de uma maneira muito rápida. Ele será associado a outros projetos e voltará.” O Cine Mais Cultura foi responsável por ampliar os espaços no país, oferecendo um kit contendo equipamentos de projeção digital e obras do catálogo da Programadora Brasil.
Há quatro meses no cargo, o secretário, que é cineasta e também teve forte atuação como cineclubista, diz que a importância da Programadora Brasil é inegável. “São mais de mil títulos licenciados. O problema é que acontecem coisas como mudanças na direção, orçamento contingenciado, e o programa é descontinuado. Mas ele vai voltar. Já há até novos filmes para distribuir. Não haverá invenção nesta gestão. O que a gente fará é a reconstituição de políticas que foram descontinuadas e a articulação entre elas”, afirma.
Para bater a meta de cidades com cineclubes, no entanto, Ribeiro diz que precisará contar também com a aprovação de emendas no Congresso. “O MinC tradicionalmente não é um bom executor de emendas parlamentares. Até porque quando um deputado pensa em uma estrada, ele já pactuou com a prefeitura e às vezes já chega até com a empreiteira. Quando se fala em cultura, é mais difícil a questão da execução. Já foi feito, inclusive, um guia para facilitar essa relação. Mas, no meu otimismo, digo que é possível chegar à meta. Vai depender muito da organização junto ao Congresso.”
Público assiste à sessão em cineclube na cidade de Heliópolis, BA (Foto: União de Cineclubes da Bahia/Divulgação)Público assiste à sessão em cineclube na cidade
de Heliópolis, BA (Foto: União de Cineclubes da
Bahia/Divulgação)
Reconhecimento
A secretária-geral do Conselho Nacional de Cineclubes diz que a saída para o fomento do setor é a criação de um programa contínuo. “Ele precisa atender a questão de equipamentos, acervo, reciclagem de informação, de qualificação e capacitação e dar visibilidade aos cineclubes, criando um circuito, uma rede. Para funcionar, é preciso reconhecimento por parte dos gestores e também dos realizadores brasileiros.”
“Os cineclubistas em atividade são, em sua maioria, voluntários, militantes, apaixonados pelo que fazem. A falta de acesso a um bom conteúdo é hoje uma das principais reivindicações da sociedade contemporânea. No Brasil, a população padece desse direito, mas infelizmente muitas vezes não tem essa percepção”, afirma Gleciara.
Números
Os dados tabulados pela Secretaria do Audiovisual revelam que metade das cidades com cineclubes está na região Nordeste. São 340. O estado com o maior número de municípios com o espaço é a Bahia: 87.
Gleciara, que é cineclubista em Salvador, diz que a atividade sempre esteve muito ligada às comunidades populares e ao movimento negro no estado. “Há cineclubes na capital que funcionam em bairros de periferia, ao ar livre ou em terreiros de candomblé”, diz.
Outro dado que chama a atenção é que um terço dos cineclubes está presente em cidades de até 20 mil habitantes. Isso porque o Ministério da Cultura incentivou com o programa Cine Mais Cultura a instalação dos locais como alternativa à não existência de salas de cinema.
Cineclube Filhos do Sol, em Heliópolis, BA (Foto: União de Cineclubes da Bahia/Divulgação)Cineclube Filhos do Sol, em Heliópolis, BA
(Foto: União de Cineclubes da Bahia/Divulgação)
“Os cineclubes ajudam a diminuir o abismo da falta de acesso a produtos culturais. É impressionante filmes baianos serem vistos por pessoas que nunca foram a um cinema. É possível perceber que são décadas de comunicação abortada. O problema muitas vezes é: tem quem faça, mas não tem quem receba”, afirma Gleciara, que cobra a distribuição de filmes via web.
Pola Ribeiro diz que essa é uma das principais preocupações do órgão. “É triste para aquele que não tem seu filme sendo exibido. Todo mundo perde. Já estão sendo definidas alternativas para melhorar essa questão, mas é preciso lançar mão de uma tecnologia que um ano depois não esteja obsoleta. A gente está amadurecendo a discussão para ter um equipamento que viabilize ao máximo a difusão. O objetivo, a estratégia, o compromisso é o mais rápido possível distribuir numa plataforma amigável os conteúdos para a maior parte dos pontos do país”, conclui.
FONTE: G1

CineClube ABMERJ apresenta o filme, Uma Onda no Ar, nessa Terça-feira, 28 de julho às 18h na ABMERJ (Rua da Lapa, 120 / cob 1 - Centro, RIo de Janeiro). Debate após o filme.
Sinopse: Jorge, Brau, Roque e Zequiel são quatro jovens amigos que vivem em uma favela de Belo Horizonte e sonham em criar uma rádio que seja a voz do local onde vivem. Eles conseguem transformar seu sonho em realidade ao criar a Rádio Favela, que logo conquista os moradores locais por dar voz aos excluídos, mesmo operando na ilegalidade. O sucesso da rádio comunitária repercute fora da favela, trazendo também inimigos para o grupo, que acaba enfrentando a repressão policial para a extinção da rádio.
Título Original Uma Onda no Ar
Ano de Lançamento 2002
Gênero Drama
País de Origem Brasil
Duração 92 minutos
Direção Helvécio Ratton
Idade Indicativa 14 anos

FORÇA GV CORREIA GV TCHUCO



Força Correia, que Deus abençoe hoje e sempre.
Posted by Associação Abmerj on Segunda, 27 de julho de 2015

domingo, 26 de julho de 2015

Explosão no Posto 4, em Copacabana, deixa dois salva-vidas feridos


Gustavo Ribeiro
26/07/2015 17:45:33 - Atualizada às 26/07/2015 21:41:31
Cabo Melo sofreu queimaduras nas pernasFoto: WhatsApp O DIA (98762-8248)

Rio - Uma explosão na parte interna do Posto 4, em Copacabana, Zona Sul do Rio, deixou dois guarda-vidas feridos na tarde deste domingo. Segundo o Corpo de Bombeiros, as vítimas — identificadas como cabo Mello e cabo Corrêa — estavam no interior do posto no momento da explosão. 

Eles foram encaminhados para o Hospital Miguel Couto, na Gávea, e transferidos para o Alberto Torres, em São Gonçalo. De acordo com testemunhas, um botijão de gás ou vazamento de gás de um bueiro pode ter causado o acidente. 

Ainda segundo as informações de outros salva-vidas, o cabo Mello sofreu queimaduras nas pernas e o cabo Corrêa teria ficado com mais de 60% do corpo queimado.

A direção do Hospital Estadual Alberto Torres informou que o paciente Bruno Morais de Mello apresenta estado de saúde estável e com bom prognóstico de recuperação, pois o militar foi menos afetado por queimaduras.

Já o estado de saúde do cabo Correa é estável, mas inspira cuidados, devido à extensão de suas queimaduras.

Segundo a 13ª DP (Copacabana), as investigações estão em andamento. A perícia foi realizada no local e a responsável pelo posto prestou depoimento. "A unidade aguarda alta médica das vítimas para que possam ser ouvidas e agentes estão em diligências na busca de mais informações que possam ajudar no caso", afirma a Polícia Civil, em nota.

Notícias da explosão no P4-Copa: OrlaRio assassina

Dois bombeiros guarda-vidas ficaram feridos após uma explosão no interior do posto 4 de salvamento, em Copacabana.
Segundo a perícia, o que provocou a explosão foi um vazamento de gás proveniente do "esgoto" (canais subterrâneos), onde haveria um suspiro que fez com que este gás se acumulasse no interior do posto. Um dos bombeiros acabou acidentalmente provocando a explosão ao acender um cigarro, desconhecendo o vazamento no interior de seu local de trabalho.
Dentre os feridos, um dos guarda-vidas teve mais de 60% do corpo queimado neste evento.
Sabemos que de uns anos pra cá, a empresa Orla Rio, de responsabilidade da Prefeitura do Rio, vem (mal) administrando a operação e manutenção dos quiosques e postos de salvamento de toda orla.
Gostaríamos de entender, como um vazamento de gás consegue se infiltrar desta maneira em um posto de salvamento causando risco de morte para os trabalhadores no local.
Ademais, outras medidas como instalação de antenas que emitem radiação eletromagnética nos postos de salvamento também tem prejudicado estes trabalhadores, que em dias chuvosos passam o dia abrigados dentro destas torres de observação, expostos a estes riscos.
fonte: anonymous rio

Incêndio no P4 em Copacabana

Explosão/incêndio de origem ainda desconhecida no interior do posto 4 em Copacabana, envolveu dois guarda vidas, socorro em deslocamento, ainda não temos maiores informações. São dois Bombeiros, Cb Corrêa RG 21.237, que tem mais área corporal  queimada e o outro Bombeiro é o Cb Melo RG 44.787, AMBOS DO 3º GMar, estão sendo socorridos pelo Cap BM Méd do 3º GMar Leite Lopes.

Maiores informações em breve.




sábado, 25 de julho de 2015

Ministro defende o fim das Justiças Militares


Pepe Vargas, de Direitos Humanos, ainda criticou os processos de civis no órgão
JULIANA DAL PIVA


Rio - O ministro da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, Pepe Vargas, defendeu nesta sexta-feira no Rio a extinção da Justiça Militar. “Nossa posição é muito clara. Nós entendemos que o ideal é que as justiças militares sejam extintas ou ajam exclusivamente no que diz respeito a crimes militares em tempo de guerra”, afirma o ministro. 


Vargas manifestou a posição ao ser questionado sobre os casos de moradores dos complexos da Maré e do Alemão processados por desacato na Justiça Militar no Rio e denunciados na série do DIA ‘Tribunais da Repressão’. Vargas tem a mesma opinião sobre as Justiças Militares estaduais. “Nosso posicionamento é que o ideal seria a sua extinção e que todos respondam a um tribunal que garanta o direito à ampla defesa, ao contraditório, como para qualquer cidadão”, completou. 
Pepe Vargas defende que processos de civis saiam do âmbito militarFoto: EBC

No início do mês, O DIA publicou levantamento feito em parceria com a ONG Justiça Global sobre a existência de 64 processos por desacato, desobediência e resistência de civis na Justiça Militar do Rio. Nesses tribunais as pessoas são julgadas por oficiais das Forças Armadas. A primeira instância civil é o Supremo Tribunal Federal. O Código Penal Militar para processos é o mesmo desde a época da ditadura, que prevê prisão em flagrante para esses casos. Já no Código comum, não há detenção. 


A SDH deve levar a questão dos processos no Rio ao Conselho Nacional de Direitos Humanos para debater o assunto nos próximos dias e pensar em ações. O ministro de Direitos Humanos falou sobre o assunto na entrega dos arquivos da Comissão Nacional da Verdade (CNV) ao Arquivo Nacional, no Rio. Com a posição, ele mantém a defesa da proposta já realizada pela CNV nas recomendações do relatório final, entregue em dezembro do ano passado. Desde ontem parte dos arquivos do grupo está disponível online e o restante deve ir ao ar até o fim de agosto.

Pepe Vargas ainda ressaltou que, atualmente, a SDH trabalha para criar uma equipe permanente de antropologia forense que auxilie a identificação de ossadas de vítimas. “O rigor científico será não só desses que foram vítimas da ditadura, mas também das vítimas do presente. Nós estamos aqui em um estado onde até hoje o corpo do Amarildo não foi encontrado. Talvez um dia se localize uma ossada e a gente possa avaliar se é do Amarildo”, afirmou Vargas.

Os ex-membros da CNV cobraram da SDH a criação de um órgão para dar sequências aos trabalhos de investigação. Vargas prometeu encaminhar a proposta à presidenta Dilma Rousseff.

Aposta no turismo para criar emprego 


Apesar de 80% da economia de Macaé ser baseada na cadeia de óleo e gás, a prefeitura busca diversificar as fontes de renda diante da decadência do setor. Para o secretário Vandré Guimarães, investir no turismo é garantia de gerar emprego. “O valor agregado é menor, o salário é menor, mas a pessoa consegue dar dignidade à família. Precisamos realocar no mercado de trabalho muitos desses terceirizados que trabalhavam na Petrobras”. 


Segundo ele, durante 40 anos, Macaé foi colônia de exploração da atividade petroleira e viveu dessa indústria. “O município, por exemplo, não tem receptivo turístico. Estamos capacitando mão de obra e melhorando a infraestrutura para o turismo”, destaca. A principal aposta é na atraente serra de Macaé. “O Sana está entre os dez destinos de inverno mais procurados no Rio. Além de sinalização turística, o distrito ganhará uma turma de instrutores de ecotrilha”, anuncia.

sexta-feira, 24 de julho de 2015

Carta Resposta de Janira Rocha

Carta Resposta de uma das maiores expressões do atual sindicalismo brasileiro ao ataque sofrido pelos governos empreiteiras e globo:

" Recebi sem nenhuma surpresa a decisão da MP de me denunciar à Justiça por improbidade. Vítima de perseguição política por parte do Governo do Estado do Rio de Janeiro e de outras estruturas comprometidas com a defesa dos interesses deste, não esperava outro desenrolar.
Não me surpreende também que, no momento em que estou militando por mais uma luta justa, a Greve dos Servidores do INSS, categoria à qual pertenço hà 30 anos, esse ataque venha e seja amplamente divulgado na Imprensa. De uma certa forma, o que parecerá estranho a alguns, até me orgulho, pois sei que a insistência em me caluniar, desconstruir e assassinar minha reputação tem a ver com a relevância do empenho que coloco nas lutas que tomo a defender. Não sou uma pessoa da “gaiola”, não faço acordos contra o povo pobre, não aceito “emendinhas” ou qualquer outra migalha típica do dilema imposto a vários parlamentares que conheci. Sempre me rebelei contra a máxima “cheque ou cova”, que colocou na parede muitos parlamentares.
Sim, no meu mandato tinha cotização, aliás estabelecida no estatuto do partido a que pertencia. Existia entre os militantes do PSOL, era espontânea e foi usada para atividades partidárias e do movimento social.
Perguntem aos bombeiros, aos PMs que lutavam pela PEC 300, aos trabalhadores da saúde, da educação, aos operários do COMPERJ, aos catadores de lixo, ao MTL, ao MTST, a estudantes de diferentes movimentos de luta, aos meninos da FNT. Enfim, perguntem aos movimentos sociais se receberam ou não ajuda do meu mandato.
Sim, recebi ajuda estrutural do meu sindicato para a campanha eleitoral, mas isso não foi fruto de desvios, e sim de debates políticos realizados em congressos e assembleias onde a categoria dos servidores da seguridade e seguro social assim decidiu. Ao longo de anos a categoria entendeu ser importante apoiar seus candidatos, pessoas que lutavam a seu lado e, assim, companheiros do PT, do PCdoB, PSTU, PDT, PCO, PCB e PDT foram apoiados de forma correta.
Enquanto os partidos da ‘ordem’ podem ser apoiados por empresas, bancos, latifundiários e multinacionais, como é possível criminalizar uma entidade sindical que soberanamente, em seus fóruns, decidiu apoiar candidatos de sua confiança? Um sindicato que nunca teve dinheiro público em seus cofres, que nunca recebeu dinheiro de Imposto Sindical ou FAT. Sim, a acusação é política, a desconstrução é política...
Quero declarar que não me intimidarei, que não recuarei da luta, que não abaixarei minha cabeça, que não aceitarei que minha dignidade seja avaliada pelo Estado ou por seus “comprados”. Me orgulho do mandato que fiz na ALERJ, me orgulho de ter lutado ao lado do povo pobre e dos trabalhadores. Se lá continuasse, faria exatamente as mesmas coisas que fiz, não me envergonho de nada. Nenhuma “testemunha comprada”, nenhuma fita adulterada, colocada fora do contexto, vai cassar minha dignidade. Eu me manterei lutando.
Sou muito pequena e impotente para operar com forças tão poderosas: governos, empreiteiras, mídia. Forças que têm mais recursos para continuar operando contra mim a desconstrução covarde que iniciaram na ALERJ, mas não temo, sou cristã, tenho um Deus Poderoso e muito maior do que qualquer Estado. Nossa história é de gigantes derrotados, exércitos de 300 sobrepujando forças descomunais. Não temo, não confio na justiça dos homens, mas tenho uma fé inabalável na justiça divina. Vocês não têm como me derrotar, minha vitória não está ao alcance de vocês."
Rio de Janeiro, 15 de julho de 2015
Janira Rocha

quarta-feira, 22 de julho de 2015

Projeto prevê multa de R$ 1 mil a quem passar trote no Samu


Foto: Fabiano Rocha (Foto de arquivo)


Na tentativa de coibir os trotes telefônicos ao Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), o vereador Renato Moura (PROS) apresentou um projeto de lei que prevê multa aos engraçadinhos sem noção.

A proposta, publicada no Diário Oficial da Câmara nesta quarta-feira (22), estabelece multa de R$ 1 mil a quem passar o trote, podendo dobrar em caso de reincidência.

Segundo a justificativa do parlamentar, o Samu passará os relatórios às empresas de telefonia. Estas, por sua vez, ficarão responsáveis por fornecer a identificação dos nomes dos usuários das linhas de onde partiram as brincadeiras de mau gosto.

"Esses trotes mobilizam as viaturas e equipes do Samu sem nenhuma necessidade, trazendo prejuízos incalculáveis tanto ao poder público, quanto à população", afirmou o autor.

Quando acabar o recesso dos nobres vereadores, o projeto começa a ser analisado por cinco comisssões da casa antes de ser votado.



Vendedor ambulante usa o nome dos bombeiros para vender extintores

Comerciantes de Paraguaçu Paulista foram ameaçados de multa. 
Homem foi identificado, mas como ninguém registrou BO, ele foi liberado.


Um vendedor ambulante foi identificado em Paraguaçu Paulista (SP) usando o nome do Corpo de Bombeiros para vender extintores. Em alguns casos, chegou a dizer que caso o extintor não fosse substituído, o comerciante seria multado.
A empresária Marileide Fátima de Almeida Salomão conta que quase caiu no golpe. Foi em uma visita à loja dela na semana passada, que o rapaz tentou trocar os dois extintores e cobrar quase R$ 200. “Ele chegou aqui me oferecendo para fazer a troca dos extintores que estava vencido, mas eu disse que tinha uma pessoa responsável para isso. Falou que eu podia ser multada e que a multa era alta.”
Extintores foram apreendidos pelos fiscais da prefeitura (Foto: Reprodução / TV TEM)Extintores foram apreendidos pelos fiscais da
prefeitura (Foto: Reprodução / TV TEM)
Mas os bombeiros não trabalham dessa forma, segundo o capitão Marcelo Alves dos Santos. “O Corpo de Bombeiros recomenda que você procure um local legalizados no município, que emitam nota fiscal, com garantia pelo produto.”
Todos os extintores foram apreendidos pela equipe de fiscais da prefeitura. Os equipamentos eram vendidos sem a licença do município e sem o controle obrigatório, exigido pelo Inmetro. “Todo vendedor ambulante que vai começar suas atividades tem ir até a prefeitura para pagar as taxas e possa efetuar a venda dos seus produtos”, explica o fiscal da prefeitura Alexandre Rodrigues da Silva.
O rapaz foi identificado, mas como ninguém registrou boletim de ocorrência, ele foi liberado. A prefeitura de Paraguaçu Paulista informou que a empresa de Londrina pagou a multa e levou os extintores de volta ao Paraná.

Fonte: g1

Policial abandona o fuzil para tentar levar a 'paz' a escolas do RJ

'Papo de Responsa' leva um diálogo descontraído para os colégios.
Professor de Vigário Geral cria memorial que visa a valorização dos alunos.




No lugar do fuzil, um microfone. Em vez da voz de prisão, um “Papo de Responsa”. Foi dessa forma que o policial civil Beto Chaves trocou as ruas por salas de aula, onde promove, há seis anos, um diálogo descontraído com os adolescentes sobre prevenção às drogas e violência, em escolas do Rio de Janeiro.
“Cometemos um erro gigantesco quando criminalizamos a juventude. Não existe resposta rápida para um problema complexo. Se o problema é difícil, as respostas são difíceis, são complexas. Juventude não é problema, juventude é a solução. Ela é o futuro desse país, o futuro da nossa sociedade”, diz Beto.
Segundo o policial, que está há 12 anos na polícia, o momento crucial para a mudança de rumo aconteceu na sua segunda operação na rua, onde três meninos morreram. Depois de ver jovens de 16, 18 e 19 anos mortos, resolveu fazer alguma coisa diferente.
“No 'Papo' a gente fala sobre a vida, sobre a possibilidade de convivermos de uma maneira melhor. Trazemos nossos exemplos e, no final, não queremos convencê-los, queremos fazê-los pensar. Somos ferramenta para eles tomarem essa decisão. Quando eu fiquei intranquilo lá naquela operação e visualizei a possibilidade do 'Papo', eu estava com essa intranquilidade e pensando o que dava para fazer diferente daquilo”, lembra o policial.

terça-feira, 21 de julho de 2015

Humilhação, xingamentos e tortura: violações de direitos humanos marcam formação de policiais militares brasileiros


Praças da Polícia Militar criticam abusos físicos, psicológicos e disciplinares dentro da corporação: 'como uma polícia antidemocrática vai cuidar de uma sociedade democrática?', pergunta ex-soldado expulso por suas críticas






segunda-feira, 20 de julho de 2015

DESVINCULAÇÃO DO SAMU OU DO GSE?

O COMANDO FALOU QUE IRIA DESVINCULAR O SAMU DO CORPO DE BOMBEIROS

E VOCÊ ACREDITOU?

Enquanto todos os BMs que estão em reabilitação no HCAP são transferidos para a REGULAÇÃO, mais de quarenta militares, não chegou ninguém para incorporar.

FÉRIAS, LICENÇA PRÊMIO DOS MILITARES DO GSE? NUNCA VERÃO

Até dezembro dezenas de militares estão indo pra reforma por tempo de serviço, e a INTEGRAÇÃO vai atingir todo o ESTADO? É ISSO MESMO?

A oportunidade de aproveitamento dos EXCEDENTES dos Concursos anteriores ainda está aberto, mas para suprir a necessidade da CORPORAÇÃO, e não do SAMU.

O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência precisa de  pessoal próprio, de chefia própria, são oportunidades de emprego sendo fechadas em decorrência de sobrecarga de serviço SEM 

MAIS UMA DERROTA DO 'CHEFE'



É com grande prazer que participo do 1º Fórum Estadual do Sistema SAMU/ RJ, um evento oficial do Corpo de Bombeiros, com o objetivo de reunir todos os administradores do serviço no estado, promovendo a integração e a troca de experiências. Estamos tratando também de um assunto muito importante, que é a integração entre o SAMU e o Grupamento de Socorro de Emergência. A população quer ser atendida. Por isso é essencial que continuem trabalhando em parceria. O Rio de Janeiro tem muito orgulho de ter o sistema SAMU com a colaboração do Corpo de Bombeiros.

FELIPE PEIXOTO - Secretário Estadual de Saúde



DIRETORIA DE ODONTOLOGIA (DGO) PEDE SOCORRO - NOSSAS SINCERAS DESCULPAS


Publicamos em nosso canal no dia 07 de Julho um suposto caso de beneficiamento em escala de uma Subtenente, Sra Karine.

Nossas matérias quando chegam aos nossos administradores são reenviadas para um grupo de MODERAÇÃO, onde são checadas e posteriormente publicadas ou não.

São muitas as matérias e comentários, relevantes ou não, que em sua maior parte em nosso canal NÃO são publicados pois não alimentamos fofocas ou descontentamentos individuais de bombeiros.

Mesmo excluindo a grande maioria dos comentários e matérias que não edificam, uma ou outra matéria passa pela MODERAÇÃO e é aprovada, e ainda assim pode conter uma injustiça. NÃO SOMOS PERFEITOS. E jamais seremos injustos.

Por isso esta matéria vem a corrigir um lapso da MODERAÇÃO, a referida Subtenente encontrava-se coberta por um Atestado de Apto com Restrição.