domingo, 21 de maio de 2017

MESAC EFLAÍN DURANTE ATO EM COPACABANA - JUNTOS SOMOS FORTES

Fim do triênio e adiamento de reajustes da Segurança estão descartados pelo governo


O adiamento da aplicação de reajustes prometidos às carreiras da Segurança Pública até 2019 e o fim da aplicação de triênios sobre os vencimentos dos servidores não serão discutidos pela Alerj. Os dois temas estão fora do pacote de medidas que será trabalhado pelos deputados. O foco, segundo membros do governo, é aprovar a nova taxação à Previdência.

Ambos os assuntos foram debatidos no último pacote enviado por Pezão, no fim de 2016. A questão sobre o fim do triênio parou na Justiça. O deputado Luiz Paulo (PSDB) conseguiu liminar que vetou a discussão. O caso parou no Supremo Tribunal Federal e segue sem resolução. Já o adiamento dos reajustes à Segurança foi devolvido pela Alerj em função da falta de unidade na discussão do assunto.

sábado, 20 de maio de 2017

REUNIÃO EM CAMPOS DO SOS BOMBEIROS E SERVIDORES CONTRA O PACOTE

BOLA DENTRO - EM PLENA CRISE NO ESTADO BOMBEIROS POR INICIATIVA PRÓPRIA INAUGURAM MAIS UM POSTO DE SALVAMENTO

PARABÉNS MAIS UMA VEZ A TODOS OS ENVOLVIDOS, DO CBA AO DESTACAMENTO, PASSANDO PELA EQUIPE DE CONSTRUÇÃO E AO SOLDADO MAIS MODERNO, QUE NÃO MEDIRAM ESFORÇOS EM COLOCAR A DISPOSIÇÃO DO SALVAMENTO MARÍTIMO MAIS UM DISPOSITIVO QUE VAI AUXILIAR NA SEGURANÇA DOS BANHISTAS E AUMENTAR A QUALIDADE DO SERVIÇO DO GUARDA-VIDAS.

QUE MAIS ATITUDES COMO ESTA SEJAM ROTINEIRAS EM SEUS SERVIÇOS.

LEMBRANDO QUE, NO EDITAL DO ÚLTIMO CONCURSO DE GUARDA-VIDAS, AS 300 VAGAS NÃO FORAM TODAS PREENCHIDAS.

CABE TAMBÉM UM ESFORÇO DOS COMANDANTES PARA QUE SE PREENCHAM ESSAS VAGAS UMA VEZ QUE JÁ ESTAVAM PREVISTAS NO EDITAL, ALÉM DE SE APROVEITAR AO MÁXIMO A LISTA DE APROVADOS.

JUNTOS SOMOS FORTES



Fonte: FACEBOOK e WHATSAPP

Servidores do Estado agendam protesto para este domingo, na Praia de Copacabana


O Movimento Unificado dos Servidores fará ato, amanhã, às 10h, na Praia de Copacabana, em frente ao Copacabana Palace. Os servidores prometem fazer um “painel do povo”. Nele, cada funcionário deixará o seu recado para o governador Luiz Fernando Pezão.

O funcionalismo reclama dos salários atrasados para boa parte dos funcionários, além do 13º que não foi pago em 2016. Outra cobrança é o fim da pretensão do governo de aumentar a contribuição previdenciária dos servidores.

Além da crise do Rio, os servidores cobram o fim da corrupção em todas as esferas do governo.

Temer tenta fechar investigação em vez de esclarecê-la, diz senador

Presidente fez novo pronunciamento neste sábado e afirmou que vai pedir a suspensão do inquérito contra ele

Brasília - O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) analisou como "o pior dos comportamentos" a posição de Michel Temer no pronunciamento deste sábado, quando o presidente afirmou que vai pedir a suspensão do inquérito contra ele.

"Em vez de explicar as acusações gravíssimas que pesam sobre ele, o presidente optou por desqualificar o relator. Ele tenta fechar o inquérito, em vez de esclarecê-lo", disse.

Na avaliação de Randolfe, temos na presidência "alguém que está à caminho de se tornar réu no Supremo". Ele destaca ainda que é a primeira vez na história do País que um presidente é objeto de investigação pela Suprema Corte. "Uma situação lamentável. O governo Temer acabou."

O senador comentou ainda o fato de Temer ter alegado que ouvir reclamações não é crime. "De fato, não é. Mas orientar um emissário a receber propina em troca de favores é crime gravíssimo."

quarta-feira, 17 de maio de 2017

Pezão diz que empréstimo de R$ 3,5 bilhões estará à disposição do Rio entre 60 e 90 dias


BRASIL - Brasília - BSB - PA - 16/05/2017 - PA - Governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão visita o Senado federalFoto de Jorge William /Agência O Globo 

O governador Luiz Fernando Pezão adotou um tom mais cauteloso ao falar sobre o empréstimo que o Estado pretende conseguir dando como garantia as ações da Cedae. O governo aguarda o fim das discussões do projeto de Recuperação Fiscal, em Brasília, para alinhar o empréstimo de R$ 3,5 bilhões. O problema, porém, é que a operação não é tida como simples. Segundo governador Pezão, o prazo mínimo é de 60 dias para que o dinheiro esteja à disposição.

— Isso no mercado financeiro é visto como ligeiro. Esperamos ter o empréstimo entre 60 a 90 dias — disse o governador.

Nos cálculos do alto escalão do governo do Rio, a expectativa é que a Recuperação Fiscal seja sancionada pelo presidente Michel Temer até o fim deste mês. Com isso, o prazo para a chegada do empréstimo começar em junho, e a chegada do dinheiro é calculada para agosto.


Para o secretário de Fazenda, Gustavo Barbosa, o empréstimos será suficiente para quitar o que é devido aos servidores.

— O Plano de Recuperação permite pegar os R$ 3,5 bilhões. Isso vai permitir equalizar os salários. Precisamos de R$ 2,5 bilhões para normalizar o que está devido. Pagaríamos o 13º salário e as bonificações dos militares que estão atrasadas. Sem a Recuperação Fiscal aprovada, não temos como pagar isso — avaliou o secretário em entrevista à TV Globo.

Pezão e Barbosa confirmaram que a negociação dos R$ 3,5 bilhões é feito com um “pool” de bancos. A tendência que ao menos três instituições participem do contrato de empréstimo ao Rio de Janeiro. Enquanto isso, o tempo passa para os servidores.

FONTE: EXTRA

Servidores da Uerj montam acampamento em frente ao Palácio Guanabara até que salário seja pago


Atrás de uma resposta do governo do Rio quanto a uma previsão para o pagamento do salário de abril, e do 13º salário de 2016, servidores da Uerj estão, desde a tarde de terça-feira, acampados em frente ao Palácio Guanabara como forma de pressionar o Estado a dar uma resposta à categoria. O grupo pede, também, uma posição quanto ao pagamento de bolsas aos estudantes.


No início da tarde de terça, os servidores fizeram um ato em frente ao palácio. Foi realizada uma aula pública com docentes da universidade. Após a realização do “aulão”, os servidores deliberaram pelo início de uma vigília até que uma resposta seja dada. Os servidores da Uerj receberam o salário de março, que deveria ter sido pago no dia 17 de abril, apenas ontem.

FONTE: EXTRA

terça-feira, 16 de maio de 2017

ENCONTRO COM BOMBEIROS E DEMAIS REPRESENTANTES DOS SERVIDORES DO NORTE E NOROESTE DO ESTADO

PAUTA:


∆ Bastidores e Conjuntura da Luta;

∆ " Pacote de Maldades";

∆ O risco de suspensão das Promoções;

∆ A comissão de defesa dos direitos previdenciários dos militares estaduais, na Alerj;

∆ Dúvidas sobre o Projeto Eleitoral de 2018.






18/05 (Quinta-feira)

UENF - AV. ALBERTO LAMÊGO, 2000 - PARQUE CALIFÓRNIA - CAMPOS DOS GOYTACAZES - 19h;




Mesac Eflaín

Na Luta Por Direitos

Nem um passo daremos atrás !

BOMBEIROS SALVAM FAMÍLIA DE COLEGA BOMBEIRO


Líder do governo no Senado apresentará pedido de urgência para recuperação dos Estados

BRASÍLIA (Reuters) - O líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), disse nesta segunda-feira que apresentará na terça um pedido para que seja conferido regime de urgência ao projeto que estabelece um regime de recuperação fiscal a Estados em situação crítica de endividamento.

O requerimento de urgência precisa ser submetido ao plenário da Casa e, se aprovado, permitirá mais agilidade na tramitação do projeto.

"Se dependesse de mim, votaríamos amanhã, mas o plenário que decide sobre a urgência para votação do projeto", disse.

"A matéria tem extrema urgência tendo em vista a situação fiscal de alguns Estados, como Rio de Janeiro, Minas Gerais e Rio Grande do Sul."

Pela proposta, aprovada na semana passada pela Câmara dos Deputados, os Estados que aderirem ao regime terão uma interrupção do pagamento de suas dívidas, desde que cumpram uma lista de contrapartidas como a privatização de estatais nos setores financeiro, de energia, de saneamento e outros, além da redução de incentivos tributários e adoção de um regime próprio de Previdência.

Esses entes ficarão proibidos de adotar uma série de medidas que impliquem em aumento das despesas, como reajustes salariais ou novas contratações de servidores públicos.

A expectativa é que a proposta seja aprovada sem grandes dificuldades no Senado, por onde o tema já passou uma vez.

O presidente da Casa, Eunício Oliveira (PMDB-CE), disse à Reuters que considera difícil votar o projeto de recuperação fiscal dos Estados altamente endividados esta semana. Ele disse que a proposta ainda terá de passar pela Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) antes de ser apreciado em plenário. O texto não está sequer na pauta do colegiado que se reúne na terça-feira pela manhã.

"Acho que o projeto será votado somente na terça-feira da próxima semana", disse Eunício.

Caso o requerimento de urgência seja aprovado, o projeto não precisará passar pela CAE.

(Reportagem de Maria Carolina Marcello e Ricardo Brito)

FONTE: EXTRA

MPF denuncia ex-governador Sérgio Cabral e mais seis por corrupção na saúde do RJ

Operação Fatura Exposta identificou propinas de mais de R$ 16 milhões entre 2007 e 2014


Sérgio Cabral durante depoimento ao juiz Sérgio Moro (Foto: Reprodução)

O ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral e outras seis pessoas foram denunciadas pelo Ministério Público Federal por corrupção passiva e ativa e organização criminosa por irregularidades cometidas na Secretaria Estadual de Saúde, entre 2007 e 2014.

Além do ex-governador, César Romero, Carlos Miranda, Carlos Bezerra, Sérgio Côrtes, Miguel Iskin e Gustavo Estellita são acusados pela Força-tarefa Lava Jato no Rio de Janeiro de pagar ou receber propina para fraudar contratos da área de saúde.


Sérgio Côrtes foi secretário de Cabral no RJ (Foto: Reprodução/TV Globo)

Segundo a denúncia oferecida à 7ª Vara Federal Criminal, a Operação Fatura Exposta identificou que a organização criminosa liderada por Cabral, que cobrava 5% sobre todos os contratos firmados pelo Estado, também atuava na área da saúde.

As investigações indicam que Miranda e Bezerra eram os encarregados de distribuir a propina paga pelos empresários, em um total de mais de R$ 16,2 milhões, conforme demostram anotações feitas pela própria organização criminosa.

De acordo com a denúncia do Ministério Público, o esquema, operado por Côrtes e por Romero, ex-secretário e subsecretário da pasta, direcionava as licitações de serviços e equipamentos médicos ao cartel organizado por Miguel Iskin e Gustavo Estellita, sócios nas empresas Oscar Iskin Ltda. e Sheriff Serviços e Participações.

Ainda segundo o MPF, os empresários eram os responsáveis por trazer ao país as empresas estrangeiras que participavam das licitações internacionais, que eram divulgadas apenas no Brasil. As empresas se articulavam entre si, fazendo um rodízio onde todas eram beneficiadas. Os denunciados sabiam quanto cada empresa cobraria pelos produtos antes mesmo de sair a cotação do pregão internacional.

Além de Cabral, o ex-secretário e o subsecretário também recebiam, respectivamente, 2% e 1% sobre os valores dos contratos da saúde. Os pagamentos eram recebidos e repassados pelos operadores mensalmente e variavam entre R$ 400 mil e R$ 500 mil.

A denúncia oferecida à 7ª Vara Federal refere-se apenas aos crimes de corrupção passiva, ativa e de organização criminosa na área de saúde durante a gestão de Cabral. As demais condutas criminosas da organização capitaneada pelo ex-governador ainda serão objeto de denúncias posteriores da Lava Jato no Rio de Janeiro.

DESCONTO NO AQUARIO - PARA A POLÍCIA MILITAR. E OS BOMBEIROS?


COM APOIO DOS PARLAMENTARES DA CATEGORIA, Guardas municipais de todo o país farão ato, em Brasília, contra mudanças na Previdência


RI Rio de Janeiro (RJ) 20/01/2017 Patrulhamento com cães na orla - Guardas Municipais começam a usar cães nas praias da Zona Sul. Foto no Arpoador. 

Guardas municipais de todo o país estarão, amanhã, em Brasília, para ato contra a Reforma da Previdência. O texto não cita regimes especiais para os servidores, que hoje têm tratamento diferenciado em seus regimes previdenciários.

A movimentação tem a liderança de guardas de São Paulo e conta também com o apoio de servidores do Rio de Janeiro e de cidades da Baixada Fluminense.

O Sindicato dos Servidores Públicos do Município do Rio de Janeiro (Sisep-Rio) informou que uma caravana com mais de 45 guardas sairá do Rio, hoje, rumo a Brasília.

FONTE: EXTRA

Especialistas criticam governo do Rio pela falta de isonomia ao pagar seus servidores


Servidora do Estado questiona prioridade dada a outras categorias 

Servidora há 19 anos do Teatro Municipal do Rio, a percussionista Edmere Sales Ferreira, de 41 anos, carrega em uma das mãos, com muito orgulho, seu pandeiro sinfônico, um dos seus instrumentos de trabalho. Na outra mão, com muita tristeza, ela leva o bolo de contas vencidas que estão sendo cobradas nos últimos dias. Como é servidora da Cultura, Edmere está no grupo das categorias que sofrem, desde 2016, por ficar em segundo plano na ordem de pagamento do governo do Rio. Na sexta-feira, ela recebeu o salário de março (outras categorias já receberam abril) e questiona a falta de isonomia no Estado.

— O mínimo é dividir igualmente para todos. O governo não tem o direito, por Constituição, de fazer isso comigo — desabafou.



O que Edmere pede é o tratamento igualitário no pagamento dos salários entre os servidores do Executivo. Desde o fim de 2016, o governador Luiz Fernando Pezão tem priorizado setores do funcionalismo (veja as áreas abaixo). Segundo especialistas, essa previsão é inconstitucional:

— Não poderia haver essa separação de determinados servidores recebendo, e outros não. Isso é inadmissível, um desrespeito à Constituição — reforça a advogada Rita Cortez, presidente da comissão de trabalho sindical da OAB/RJ.

Para o advogado Jerson Carneiro, professor de Direito Administrativo e Gestão do Ibmec/RJ, a situação requer questionamentos na Justiça:

— O servidor deve procurar a Justiça para ter o seu direito respeitado. Não somente ao salário em dia, mas também à igualdade.

Depoimento

Edmere Sales Ferreira

Percussionista estatutária do Teatro Municipal do Rio

‘Andar com fé eu vou, e ela não vai falhar’

Como o governo pagou março, peguei o meu bloco de contas e fiz um apanhado de quanto eu devo. Hoje, somando as despesas acumuladas de dois meses, eu devo R$ 12 mil. Tem aluguel, condomínio, luz e telefone. Não tem como não se desesperar. Nessas horas lembro da letra com esperança: andar com fé eu vou, e ela não vai falhar.

FONTE: EXTRA