sábado, 24 de janeiro de 2015

Bombeiros salvam oito afogados no Cavaleiros

Diariamente, nas férias, os salva vidas lutam por dezenas de vida apenas com as forças dos braços.



21/12/2012 - Abertura oficial da Operação Verão nas praias do Rio. Simulação de salvamento com jet skis recentemente adquiridas pelos Bombeiros. Foto Marcelo Horn


Tânia Garabini

Usando apenas os braços, os seis salva vidas lotados nas praias Campista, Cavaleiros e Pecado conseguem fazer milagre e trazer à vida dezenas de pessoas por dia. Foram oito casos de afogados em apenas seis horas. Todos eles resgatados com a força dos braços. Depois de tanto esforço, comando geral do Corpo de Bombeiros designou para Macaé, como parte da Operação Verão da PM, um Jet Sky. Esse novo reforço logístico vem apresentando resultados positivos. Com o Jet Sky, os salva vidas conseguem ampliar a área de patrulhamento, já que o veículo permitir percorrer por água grandes distâncias. Mas ainda é muito pouco para o volume de ocorrências registradas no dia a dia nas praias macaenses. É preciso reforço no contingente, pois são apenas 800 pessoas para fazer o patrulhamento e segurança em toda orla marítima do Estado do Rio de Janeiro. O comando de Salvamentos Marítimos informa que são 900.

Os bombeiros lotados nas praias estão querendo reforço de pessoal, pois neste Verão, houve um aumento significativo de banhistas, devido à elevação de temperaturas. Segundo relato informa dos salva vidas lotados em Macaé, no Natal de 2014, somente na praia dos Cavaleiros foram salvos 150 pessoas em 24 horas. Um sargento Bombeiros que não pode se identificar comentou que, somente ele, usando boia e corda conseguiu resgatar seis em uma única vez. “Eu saia com dois ou três no braço e já estava ouvindo pessoas gritando para resgatar outros afogados na água”. Este ano e com o calor, a situação vem se repetindo. Durante a semana, a média de salvamento é de oito a dez por dia. Nos finais de semana, dobra ou até triplica,dependendo da temperatura alta. A praia dos Cavaleiros e a Campista por serem consideradas “de mar aberto” apresentam valas e declives associados com forte correnteza que resultam em afogamento.

Diante desse aumento, um Jet Sky foi designado para Macaé e está sendo usado diariamente nas praias onde a correnteza marítima é mais forte. Dois salva vidas chegam a arriscar a vida, em meio às pedras e quebra mar não só para retirar banhistas em situação de risco como também para alertar os mais incautos em zonas de perigo. O Comando Geral do Corpo de Bombeiros designou esses salva vidas e o Estado determinou que os mesmos receberão uma gratificação de R$ 1 mil mensais durante o período. Os bombeiros contarão com o auxílio de equipamentos importantes como jetskys, botes aquáticos e quadriciclos durante a Operação Verão 2015. Lanchas e aeronaves também serão empregadas.

- A chegada da estação favorece o aumento do número de banhistas e é fundamental seguir as orientações e placas dispostas pelos guarda-vidas para que afogamentos sejam evitados. A primeira recomendação é buscar um local seguro para o lazer. O mar é imprevisível e autoconfiança demais pode ser um grande erro - alertou comandante de Salvamentos Marítimos, coronel Ângelo Rocha.

'O castigo é o Alemão', diz PM expulso no Rio após criticar comando na web


Igor Martins criticou condições da UPP após ataque a comandante em 2014.

Ele afirma que policiais são enviados para UPP do Alemão como punição.

“O castigo é o Alemão. Se algum policial está numa UPP boa e reclama de alguma coisa, acaba mandado pro Alemão. Já vi isso acontecer diversas vezes”. O relato é de Igor da Costa Martins, policial expulso da Polícia Militar em janeiro de 2015. Após traficantes atacarem em fevereiro de 2014 o então coordenador das UPPs, coronel Frederico Caldas, na Rocinha, Zona Sul do Rio, Igor publicou em uma rede social o seguinte comentário.

“Até que enfim os traficantes decidiram mirar e atirar nos comandos, para eles sentirem na pele o que o soldado sente todos os dias”, postou, na época.

O Conselho de Revisão Disciplinar (CRD) da PM decidiu pela expulsão de Igor após analisar a postagem. O ex-policial fazia faculdade de educação física em uma universidade particular, mas trancou a matrícula após sua saída da corporação, pois não tem como pagar a mensalidade.
saiba mais

"Estou desempregado, quem está me ajudando são meus pais, meus amigos. Não desisti de ser policial. Não estou na polícia por ostentação, dinheiro ou coisa parecida", disse Igor. Ele diz que vai à Justiça para ser reintegrado à Polícia Militar.

Igor Martins, que era lotado na UPP do Lins, no Subúrbio do Rio, alega também que teve seu porte de armas, colete e gratificações retirados pela PM, após seu comentário. Ele passou a fazer trabalhos dentro do contêiner da unidade e, posteriormente, foi transferido para o 6º BPM (Tijuca), antes de ser expulso. Em nota enviada ao G1, a UPP afirma que todos os policiais em serviço têm porte de arma e utilizam colete.

Violência no Alemão
Tanto o Conjunto de Favelas do Lins, como o do Alemão, são palcos de confrontos entre policiais e traficantes frequentemente. Segundo a Polícia Militar, 102 PMs morreram no estado do Rio em 2014 – 17 durante o horário de trabalho e 85, de folga.

Entre policiais mortos após confrontos no Alemão está o ex-comandante da UPP Nova Brasília, Uanderson Manoel da Silva, 34 anos, em setembro. Ele foi atingido no tórax após troca de tiros com traficantes. Em março, o soldado Rodrigo Paes Leme, também lotado na UPP Nova Brasília, foi baleado e morreu. A UPP também nega que policiais sejam enviados para trabalhar no Alemão como punição.

Na UPP do Lins, traficantes chegaram a incendiar contêineres em confrontos com a polícia. Em outubro, um policial foi baleado na cabeça durante tiroteio.

Arrependimento
Apesar de criticar as condições a que são submetidos os policiais dentro de comunidades ocupadas pela PM, Igor reconhece que não deveria ter publicado o comentário. "Era melhor não ter falado nada, mas eu sinto também como se eu desse voz a algo que os praças sempre quiseram dizer. Não comento mais nada, não falo mais nada. Só observo. O praça se sente amordaçado", desabafou.

Fonte: O GLOBO

sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

Auto Sauna de Emergência

Minha avo foi atendida pelA ambulancia do corpo de bombeiros do quartel do fundao (que segundo os militares, é um destacamento do quartel da ilha do governador), devido a um quadro de inconsiciencia e se deparou com uma SAUNA sobre rodas. Um absurdo!! A ambulancia estava sem ar condicionado e em pessimas condicoes. Extremamente INSALUBRE. Os enfermeiros suavam em cima da minha avo!! Ela piorou o quadro dentro do veiculo e os enfermeiros se quer puderam botar soro na veia, pois afirmaram que o soro estava muito quente, devido ao calor. Como isso é possivel? Para onde esta indo o dinheiro da taxa de incendio?  Revoltaaa. 

Recebido por email

quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

Guarda Vidas, heróis do feriadão no Rio

O BICHO PEGOU! MAS A RAPAZIADA REPRESENTOU!


NOSSOS HERÓIS REALIZARAM CERCA DE 3 MIL SOCORROS NO RIO E NITERÓIS SOMENTE NO DIA 20 DE JANEIRO!
DENUNCIADO ANTERIORMENTE, O SUCATEAMENTO DO SERVIÇO DE SALVAMENTO E O BAIXO EFETIVO (sem concurso há 6 anos) MAIS UMA VEZ VIERAM À SUPERFÍCIE.
MAR GRANDE, CORRENTEZA, ÁGUA QUENTE: 
OS BOMBEIROS EVITARAM QUE UMA TRAGÉDIA DE PROPORÇÕES DRÁSTICAS ACONTECESSE NA ORLA, MUITOS HOMENS ESTAVAM DE FOLGA AJUDANDO OS COMPANHEIROS.

ÓBITOS: 3 Barra - 1 Recreio - 1 Copacabana - TOTAL DE ÓBITOS: 5
OBS:
 Estatísticas somente do dia 20/01/2014, no Rio e Niterói. Sem os dados das praias do interior do RJ e desconsiderando que os dias 17 e 18 foram Sábado e Domingo.


PARABÉNS AOS GUERREIROS!

 ANJOS DA VIDA! HERÓIS DE VERDADE!

Bombeiros realizam mais de 2 mil salvamentos no Rio durante feriado

Praias estavam com alerta de bandeiras vermelhas espalhadas pela areia.
Na orla da Zona Sul era possível avistar helicópteros salvando banhistas.


Helicóptero faz salvamento em Ipanema (Foto: Cristina Boeckel/G1)
Helicóptero faz salvamento em Ipanema (Foto: Cristina Boeckel/G1)


Os militares do Corpo de Bombeiros realizaram no feriado de São Sebastião, padroeiro do Rio, na terça-feira (20), mais de 2 mil salvamentos na orla do Rio e de Niterói, Região Metropolitana. Segundo a Marinha, apesar do mar agitado não houve ressaca. As praias estavam com o alerta de bandeiras vermelhas espalhadas por toda a areia, o que indicava o perigo da correnteza.

Os banhistas lotaram as praias da Zona Sul e era possível avistar de longe helicópteros da Polícia Civil e dos bombeiros sobrevoando a orla e realizando o resgate de banhistas no mar.
Segundo o Corpo de Bombeiros, 332 pessoas foram resgatadas pelos militares dos grupamentos do GMar de Botafogo e de Copacabana durante os fins de semana do mês de janeiro, sem contar esta terça, quando o mar ficou mais agitado.
De acordo com a meteorologia, uma massa de ar seco, que está sobre a região, mantém o tempo quente e afasta as possibilidades de chuva no Rio durante os próximos dias. O calor pode aumentar devido a máxima prevista de 38°C.

FONTE: G1

quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

PM de UPP se recusa a vestir colete à prova de balas devido ao mau cheiro

turano1
Imagem Ilustrativa
Policial do Morro do Turano, Zona Norte do Rio, enviou ofício a comandante. Ele ainda sugeriu o pagamento de percentual por insalubridade.
Um policial militar da UPP Turano, na Tijuca, Zona Norte do Rio, se recusou a vestir o colete à prova de balas disponibilizado pela própria unidade. Em um ofício enviado ao comandante da Unidade de Polícia Pacificadora com data de domingo (18), ele reclamou do mau cheiro do equipamento, como mostrou o Bom Dia Rio.
No documento, do último domingo, o militar afirmou que não conseguiu usar o colete porque o forte odor do equipamento estava causando náuseas. Ele argumentou que o suor nos coletes, que deveriam ser de uso individual, pode facilitar a proliferação de micoses, verrugas e infecções bacterianas.
Por fim, o PM afirmou que é comum, na Polícia Militar, o uso de equipamentos individuais, coletivamente e pediu que seja disponibilizado um colete para cada policial, com o objetivo evitar doenças por falta de higiene. Ou, então, que seja feito o pagamento de um percentual por insalubridade. Assim, os policiais poderiam adquirir coletes por meios próprios.
Do G1 Rio

Na Bahia, Salva-vidas apontam falta de estrutura para trabalhar


Mirantes abandonados, falta de regulamentação da profissão, contingente insuficiente e  equipamentos de preparo físico danificados são os principais problemas com os quais os salva-vidas da Coordenadoria de Salvamento Marítimo (Salvamar) convivem atualmente.
A maioria dos servidores  exerce a atividade em barracas de lonas na areia, enquanto os antigos mirantes  - estruturas de alvenaria e madeira onde os salva-vidas atuavam - abrigam moradores de rua. "No mirante temos uma visão mais ampla da praia", afirma o salva-vidas Rodrigo dos Santos, 32.
Para Bruno Cariranha, coordenador geral do Sindicatos dos Servidores da Prefeitura de Salvador, uma das principais dificuldades da categoria é trabalhar com um contingente aquém da demanda.

Saiba mais

Atualmente, 256 salva-vidas atuam em dupla entre as praias de Jardim de Alah e Ipitanga, em Lauro de Freitas. Segundo Cariranha o ideal seria ter 500 servidores. Isso porque, dos 256 profissionais, apenas 200 trabalham nas praias, os outros 56 têm cargos internos.
Os 200 profissionais que atuam nas praias de Salvador são divididos em duas turmas diárias. O coordenador interino da Salvamar, Ricardo Andrade, diz que este ano o número de postos aumentou, com a ampliação da área de atuação para a praia de Ipitanga.
"Com a mudança do IPTU de Ipitanga, ganhamos mais três pontos, mas o número de funcionários continuou o mesmo. Precisamos de novos profissionais para complementar o quadro", diz. Os postos são ocupados conforme a demanda. Nos finais de semana são 35 a 40 postos.
Mas, para Ricardo, a necessidade que mais faz falta à categoria é a regulamentação da profissão. "Há profissionais com mais de 60 anos que ainda trabalham porque a nossa profissão não é considerada insalubre. No entanto, trabalhamos expostos à radiação solar, intempéries e poluição do mar", reclama.
A secretária municipal de Ordem Pública, Rosemma Maluf, diz que o trecho sob responsabilidade da prefeitura é bem atendido. "A equipe consegue fazer um bom trabalho com este número de profissionais", afirma.
Gmar
A equipe do Grupamento Marítimo de Salvador conta com uma equipe quatro vezes menor que a da prefeitura para atuar no trecho entre o Jardim de Alah e São Tomé de Paripe, além disso,  nas lagoas da capital baiana. Segundo o Gmar, há ao todo  58 bombeiros nas praias e lagoas da cidade.
Assim como os servidores municipais, os  bombeiros não recebem adicional por insalubridade ou periculosidade, mesmo após um acordo ter sido assinado pelo governador Jaques Wagner em abril, segundo informações da Associação de Policiais e Bombeiros e de seus Familiares do Estado da Bahia (Aspra).

Número de afogamentos no verão é cinco vezes maior

No verão e, principalmente no Carnaval, o número de afogamentos nas praias de Salvador chega a ser cinco vezes superior ao registrado no restante do ano. Enquanto em janeiro e fevereiro de 2014 foram registrados 448 afogamentos, nos meses subsequentes, março e abril, apenas 89 casos foram registrados.
Este mês, a Salvamar registrou 93 afogamentos e um óbito. As praias com maior ocorrência de acidentes desta natureza no trecho sob responsabilidade da prefeitura são Piatã, Jaguaribe e Stella Maris, as duas primeiras devido ao número de banhistas e a última por conta da correnteza.
Na parte sob responsabilidade do Gmar, Ondina e Barra lideram o ranking de ocorrências. Conforme o coordenador interino da Salvamar, Ricardo Andrade, a maioria das vítimas é composta por garotos com idade entre 14 e 17 anos e moradores da periferia.
Em 2013, a Salvamar registrou  1.225 afogamentos e quatro mortes. Em 2014, foram 1.027 ocorrências e duas mortes. Já o Gmar realizou 551 salvamentos em 2014 e 563, em 2013. O número de mortes não foi informado.
Alerta
Andrade alerta a população para não se banhar em locais com profundidade e não combinar bebida alcóolica com a natação.
Já o salva-vidas Neidson Murici, 49, recomenda: “Os banhistas precisam buscar orientação conosco e respeitar a sinalização. Tem pessoas que se aproximam da bandeira [que alerta sobre o risco da área] tiram a roupa, se jogam no mar e minutos depois se afoga”, conta.

FONTE: A Tarde

Policiais e bombeiros da Operação Verão estão sem receber diárias no PARANÁ

Segundo entidades, atraso no pagamento afeta mais de 300 PMs e 500 bombeiros destacados ao litoral do Paraná. Sesp garante que dívida será paga "nos próximos dias"


Os policiais militares e bombeiros destacados ao litoral do Paraná para atuar na Operação Verão estão desde 1º de janeiro sem receber as diárias. Estipuladas em R$ 180 por servidor, as diárias são destinadas ao pagamento de alimentação e hospedagem. Segundo a Associação dos Praças do Estado do Paraná (Apra-PR) e a União dos Praças do Corpo de Bombeiros (UPCB-PR), mais de 300 policiais militares e mais de 500 bombeiros são afetados pelo atraso. O valor da dívida passaria de R$ 145 mil.

As equipes deslocadas ao litoral receberam normalmente as diárias do dia 14 de dezembro – início da Operação Verão – até o dia 31 de dezembro. Como não há vagas nos quartéis e batalhões, os bombeiros e policiais que descem para trabalhar nas praias ficam em hotéis e pousadas. Alguns formam grupos e chegam a alugar casas. Com o atraso, os servidores se veem obrigados a negociar com comerciantes ou pagar pela hospedagem.

“A situação está bastante crítica. Polícias estão sendo ameaçados de despejo. Obviamente que todo este cenário afeta o trabalho do policial”, disse o presidente da Apra-PR, Orélio Fontana Neto. “Isso prejudica muito os profissionais. Estamos sendo obrigados a tirar dinheiro do bolso ou de outras fontes para nos mantermos no litoral, durante a operação”, completou um bombeiro, que pediu para não ser identificado.

Por meio de nota, a Secretaria de Estado da Segurança Pública (Sesp) informou que autorizou a Secretaria de Estado da Fazenda a pagar as diárias atrasadas. “Já foi encaminhado ofício para regularização da situação (...) e o pagamento deve ser feito nos próximos dias”, consta da nota. Até as 15h50, a Sesp não havia confirmado o valor da dívida e o número de servidores afetados.

As entidades que representam policiais e bombeiros esperam pelo pagamento, mas lembram que o governo do estado já havia se comprometido a quitar o atraso em outras três oportunidades: nos dias 5, 11 e 16 de janeiro. "Esperamos que agora o compromisso seja honrado, porque está nos afetando muito", comentou o bombeiro.


As diárias

O pagamento de diárias aos servidores que foram destacados para atuar em outra região está normatizado pelo decreto 3498/04, do então governador Roberto Requião. De acordo com a norma, 30% do valor devem ser destinados à alimentação e 70% a título de pousada.

FONTE: www.pec300.com 

Corpo de Bombeiros da área serrana do Rio tem novo comandante




Cerimônia de posse aconteceu nesta 5ª-feira (15) em Petrópolis.
Coronel Flávio Luiz de Castro destacou os desafios a serem enfrentados.


O coronel Flávio Luiz de Castro Jesus assumiu oficialmente o Comando do Bombeiro da Área Serrana (CBA Serrana) em cerimônia realizada na manhã desta quinta-feira (15) na sede em Petrópolis, na Região Serrana do Rio. A passagem foi feita pelo coronel Roberto Robadey, que assume a subchefia do Estado-Maior Geral do Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio de Janeiro. Sobre o preparo da corporação para o enfrentamento à desastres como o que ocorreu em janeiro de 2011, o coronel afirmou à equipe do G1 que “depois que a casa foi arrombada, melhoramos as fechaduras”.
A cerimônia aconteceu com a presença de autoridades e parentes dos oficiais, que fizeram a transferência de comando debaixo de sol forte. O Hino Nacional foi entoado pelos militares e as formalidades contaram ainda com apresentação da banda formada por bombeiros do estado.
O coronel Flávio Luiz de Castro Jesus deixou o 16º Grupamento de Bombeiro Militar (GBM), em Teresópolis, onde atuou de 2011 a 2014, para assumir o comando da Área Serrana, que tem 11 unidades com cerca de mil militares atuando. Segundo ele, são três as principais linhas de enfrentamento a serem trabalhadas: fogo no inverno, chuva no verão e os acidentes de trânsito o ano inteiro. “Os índices nas principais cidades, como Petrópolis, Teresópolis e Nova Friburgo, têm aumentado e precisamos de políticas de prevenção”, afirmou o coronel, ressaltando a importância do trabalho de conscientização e da participação das crianças, através de ações nas escolas. “Assim, acredito que vamos conseguir reduzir estes números”, pontuou.
Com relação às chuvas, Flávio Luiz afirmou que o Corpo de Bombeiros está preparado para dar respostas rápidas à população. O comandante da CBA Serrana afirmou que o trabalho de prevenção, como o que é feito pela Defesa Civil, é valioso, e que a corporação está sempre pronta a unir forças.
O coronel Robadey deixa o comando da Área Serrana para chefiar três seções do Estado-Maior Geral do Corpo de Bombeiros, órgão que assessora o comando geral, do qual será subchefe. São elas o BM1, que cuida de pessoal e legislação; o BM4, responsável pela parte de estatística e logística; e BM5, que cuida de serviços técnicos. O militar ressalta os avanços conquistados nos último anos e afirma que as unidades serranas contam com os melhores equipamento do mundo. “O carro mais velho que atua no combate a incêndios na Região Serrana é de 2009. Esperamos continuar na vanguarda dos Corpos de Bombeiros do Brasil”, afirmou Robadey.
Sobre o enfretamento a catástrofes naturais, ele salienta que os investimentos feitos em prevenção representam mais segurança para a população. “Tenho certeza de que se um evento como o de 2011 acontecesse hoje, muito mais vidas seriam salvas”, declarou ele, acrescentando: “depois que a casa foi arrombada, melhoramos as fechaduras”.

FONTE: G1

Adolescente e dois homens morrem afogados em rios do INTERIOR

Um afogamento aconteceu em Bom Jesus do Itabapoana e o outro em São Francisco do Itabapoana

Adolescente de 14 anos e dois homens morrem afogados em rios da região

Um adolescente de 14 anos e dois homens morreram afogados na tarde desse domingo (18/01), em praias e rios da região. O primeiro afogamento foi registrado por volta das 15h, no Rio Itabapoana, em Bom Jesus do Itabapoana. Ainda no Noroeste Fluminense, um pescador foi morreu no RIo Muriaé, em Itaperuna. Já o terceiro ocorreu em um valão, na Praia de Santa Clara, em São Francisco do Itabapoana.
Em Bom Jesus, o corpo do menor, que não teve a identidade revelada, foi encontrado por populares. O Corpo de Bombeiros chegou a ser acionado, mas o rapaz já estava sem vida. O corpo da vítima foi removido para o Instituto Médico Legal de Itaperuna. 
Pouco tempo depois, um homem também morreu afogado em um valão, na Praia de Santa Clara.
De acordo com a Polícia Militar, Cidnei da Silva Tavares, tomava banho quando passou mal e desmaiou.
Ainda segundo a polícia, familiares sentiram falta de Cidnei e ao realizarem buscas conseguiram encontrá-lo.
O corpo foi levado para o Instituto Médico Legal de Campos (IML).
O terceiro afogamento foi do pescador Helio Alves Pinheiro, de 58 anos. Ele tomava banho com cerca de 10 pessoas nas águas do Rio Muriaé, no distrito de Nossa Senhora da Penha, quando por volta das 17h, os banhistas sentiram falta dele.
Durante buscas, a vítima foi encontrada debaixo de uma canavieira próxima à beira rio. Em seguida, foi acionada a Equipe do Corpo de Bombeiros Militar de Itaperuna que constatou o óbito.
SÁBADOUm jovem de 20 anos, de São José do Calçado-ES, morreu ao se afogar na tarde sábado (17/01), enquanto se banhava no Rio Itabapoana, em Bom Jesus do Itabapoana. O Corpo de Bombeiros chegou a ser acionado, mas o rapaz já estava sem vida
Desde os últimos dias de 2014 até o primeiro mês deste ano, vários afogamentos foram registrados em Campos e cidades vizinhas.
Antes desses, um bebê de um ano e quatro meses morreu após se afogar em uma piscina dentro de casa. A fatalidade aconteceu no dia 29 de dezembro de 2014, na Praia de Atafona, em São João da Barra. Na época, Laura Mayerhoffer Peralva, chegou a ser socorrida para o Posto de Emergências da cidade, mas não resistiu.


fonte: URURAU

terça-feira, 20 de janeiro de 2015

VÔO RASANTE


Desde de 2011 no ar, nosso site sempre pregou a união e o fortalecimento do CBMERJ, jamais fizemos campanha para políticos, as campanhas que fizemos foram para os nossos homens, e também não nos furtamos em elogiar quando uma ação seja do Comando, seja do Governo, venham de encontro aos interesses da tropa, como a convocação dos inscritos no processo seletivo do CTO de 2013 para realizarem o curso em 2014. Acertou a gente elogia. Assim como o que está errado a gente critica, notifica ou torna público, para que alguma autoridade tome ciência e venha a tomar alguma providência. 

GRUPAMENTO DE OPERAÇÕES AÉREAS NA BERLINDA


DESDE O INÍCIO DO CURSO CTO 2014 HOUVE UM ASSUNTO ARGUMENTADO PELO MAJOR VERDINI PARA INSERIR PESSOAS QUE ERAM DO GOA E TINHAM CURSO E BREVÊ MAS NÃO TRABALHAVAM NA ATIVIDADE DE SALVAMENTO.

PARA COLOCAR ESSES CARAS NA INSTRUÇÃO NA MARRA ELE CRIOU UMA PARADA QUE NINGUÉM NUNCA VIU QUE ERA "MONITOR ADMINISTRATIVO E MONITOR OPERACIONAL" E QUE JÁ SE SABIA QUE NÃO IRIA DAR CERTO. 



NO MEIO DO CURSO OS MONITORES OPERACIONAIS FICARAM SOBRECARREGADOS COM INSTRUÇÃO, EDUCAÇÃO FÍSICA, FAZENDO COMIDA E AINDA POR CIMA PREENCHENDO LIVRO DE PRESENÇA DE ALUNOS, E FORAM PEDIR PARA O MAJOR FAZER VALER A NOMENCLATURA QUE ELE CRIOU POIS ESTAVAM FAZENDO TUDO E ELES MUITAS VEZES NEM APARECIAM NO CURSO.

FOI QUANDO O CALVÁRIO COMEÇOU, COMO ESSE PAGANI TEM UMA CONDIÇÃO FINANCEIRA BOA E É SÓCIO DE CORONÉIS AS COISAS QUE JÁ ERAM DIFÍCEIS FICARAM PIOR. ELE CONVENCEU O CORONEL DE QUE OS MONITORES OPERACIONAIS ESTAVAM QUERENDO DIMINUIR OS MONITORES ADMINISTRATIVOS POIS ERAM "ESTRELINHAS DO SALVAMENTO" E HOUVE A EXPULSÃO DE ALGUNS MONITORES OPERACIONAIS DO CURSO DURANTE UMA REUNIÃO.



SABEDORES DA HISTÓRIA QUE FOI INVENTADA COM MALDADE PRA TRANSFERIR UMA PARTE DOS MONITORES OPERACIONAIS, UMA OUTRA PARTE DOS MONITORES OPERACIONAIS SAÍRAM JUNTO DA SALA.

A PARTIR DAÍ FOI SÓ AMEAÇA, PERSEGUIÇÃO E TENTATIVAS DE TRANSFERÊNCIA POR PARTE DO CEL ROGET SEMPRE COM UMA HISTÓRIA DIFERENTE PRA JUSTIFICAR O DESEJO DELE E DO PAGANI, QUE EM OUTROS DOIS COMANDOS JÁ TINHA PEDIDO A TRANSFERÊNCIA DE ALGUNS MONITORES OPERACIONAIS PRO CORONEL BRITO, CORONEL DELLOSSO E CORONEL VINÍCIUS. NENHUM DELES SE PRESTOU A ISSO, MAS ESSE ROGET COMO É AMIGUINHO DOS SÓCIOS DO PAGANI E RECEBE AGRADOS DELE TAMBÉM.



NO BOLETIM DO DIA 30/12 HOUVERAM AS TRANSFERÊNCIAS ALEATORIAMENTE, E O PAGANI LIGOU PARA UM DOS AMIGOS DELE, COMEMORANDO E DIZENDO QUE ELES TINHAM CONSEGUIDO FINALMENTE! 


FICAM AQUI ALGUNS QUESTIONAMENTOS:



1- PORQUE EM CINCO MESES OS MONITORES OPERACIONAIS COM DOZE ANOS DE EXPERIÊNCIA FORAM DIRETO PRA BOMBEIROS PROBLEMÁTICOS?



2- PORQUE MANDAR EMBORA COM TANTA PRESSA EM PLENO VERÃO E SUBSTITUIR POR HOMENS RECÉM FORMADOS QUE PRATICAMENTE NÃO VOARAM NO CURSO, POIS NÃO TINHA AERONAVE DISPONÍVEL, TENDO QUE TREINAR ELES AS PRESSAS SEM AERONAVE DISPONÍVEL POIS NESSE MOMENTO SÓ TEM UMA OPERANDO?



3- PORQUE FORAM INVENTADAS TANTAS HISTÓRIAS PARA OS COMANDANTES DE ÁREA PARA MANDAR OS MONITORES OPERACIONAIS EMBORA? ELES DISSERAM QUE QUERIAM SAIR DO GRUPAMENTO? ELES MONITORES NÃO TINHAM O CTO? FOI FALADO PARA O CORONEL ALCÂNTARA QUE ESTES BOMBEIROS HAVIAM DADO ALTERAÇÕES ANTERIORES, MAS QUE ALTERAÇÕES SÃO ESSAS? HÁ PUNIÇÕES NAS FICHAS DESTES MILITARES? SE SÃO PROBLEMÁTICOS PORQUE FORAM ESCOLHIDOS PARA MONITORES?



4- PORQUE ALGUNS MONITORES OPERACIONAIS MESMO DE LICENÇA MÉDICA EM CASA FORAM MOVIMENTADOS? NÃO TERIA QUE ACABAR A LICENÇA PRA DEPOIS TRANSFERIR?



5- NOS ÚLTIMOS MESES MAIS PRECISAMENTE OUTUBRO E NOVEMBRO FICAMOS SEM AERONAVE, TENDO QUE USAR A DA POLÍCIA CIVIL, E AO INVÉS DE ISSO SER RESOLVIDO E EXPOSTO, FOI ESCONDIDO DA POPULAÇÃO E DO PRÓPRIO CBMERJ? E AO INVÉS DE RESOLVER ISSO, O COMANDANTE ESTAVA EMPENHADO PESSOALMENTE EM PREJUDICAR OS MONITORES OPERACIONAIS, CHEGANDO A DIZER EM UMA DISCUSSÃO COM UM CORONEL DA UNIDADE, EM VOZ ALTA QUE OS MANDARIA EMBORA PORQUE QUERIA E ERA UMA QUESTÃO DE HONRA.



6- QUAL O CRITÉRIO DE SE MANDAR EMBORA DA UNIDADE OS MILITARES QUE AINDA POSSUÍAM DOZE ANOS PELA FRENTE E DEIXAR QUASE DEZ SUB TENENTES QUE SE APOSENTAM NESSE ANO OU NO PRÓXIMO NO MÁXIMO, TODOS COM MAIS DE CINQUENTA ANOS DE IDADE, E MUITO MENOS EXPERIÊNCIA QUE OS 03 TRIPULANTES GUARDA VIDAS QUE FICARAM? AO INVÉS DE RENOVAR, O QUE JÁ NÃO SERIA NECESSÁRIO VOCÊ ENCURTA A VIDA ÚTIL DA TROPA PORQUE? SEM CONTAR OS OUTROS DE 90 E 85 QUE GANHAM GRATIFICAÇÃO E FICAM BASEADOS NO GOA DE JACAREPAGUÁ ONDE NÃO TEM SALVAMENTO.


7- QUAL A UTILIDADE DE UM QUARTEL PEQUENO COMO O GOA CONTAR COM QUASE 40 OFICIAIS?

8-POR QUE O COMANDANTE DA UNIDADE MESMO GANHANDO GRATIFICAÇÃO DE SETE MIL REAIS PRA PILOTAR PARA O ESTADO, ALÉM DE SEU SALÁRIO E GRATIFICAÇÃO DE COMANDANTE, SÓ VOA UMA VEZ APENAS NA SEMANA MAS PILOTA NO FAMIGERADO "BICO" MAIS DO QUE TRABALHA PARA O ESTADO?

9-PORQUE O MAJOR QUE É RESPONSÁVEL PELO CURSO SE CERCOU DE MILITARES COM QUASE NENHUMA EXPERIÊNCIA E OUTROS COM NENHUMA MESMO COM QUE BASE SE FORMAM ALUNOS PRATICAMENTE SEM VOO E AINDA POR CIMA COM ESSE TIPO DE MONITORES?

10- PORQUE OS MONITORES OPERACIONAIS FORAM DESLIGADOS E NEM FOI INFORMADO A DGEI? O NOME CONSTA NO BOLETIM DE INÍCIO DE CURSO, MAS NO DO FINAL DO CURSO O NOME DOS MONITORES OPERACIONAIS NÃO CONSTA? QUAL A JUSTIFICATIVA?

Recebido por email

QUANDO INDAGAMOS AO COMANDO SOBRE CONCURSOS PÚBLICOS, UMA DAS RESPOSTAS ERA DE QUE ESTÁVAMOS BEM EQUIPADOS, INCLUSIVE COM 04 AERONAVES.  COM TANTAS AERONAVES, POR QUE O NÚMERO TÃO PEQUENO DE TRANSFERÊNCIAS APÓS UM CURSO TÃO OPERACIONAL? POR QUE AS TRANSFERÊNCIAS FORAM DE PERMUTA ENTRE MILITARES E TÃO POUCO SE FOI APROVEITADO DO CTO/2014? QUAL O VALOR DE UM PROFISSIONAL EXPERIENTE PARA O CBMERJ? O CTO 2015 PARA 11 OFICIAIS VAI TER MONITOR?

segunda-feira, 19 de janeiro de 2015

QUEBRA DE HIERARQUIA TAMBÉM NO OFICIALATO




O que é SUOP

A Superintendência Operacional (SUOP) é um órgão de direção central, que está subordinada a Subsecretaria Estadual de Defesa Civil do Estado do Rio de Janeiro, sendo responsável por articular e coordenar as ações de Defesa Civil no âmbito estadual, compreendendo ações de prevenção, de preparação para emergências e danos, de resposta aos desastres e de reconstrução.

Origem:

A SuOp é oriunda da Subsecretaria Adjunta de Operações, criada através do Decreto 32.621 de 01 de Janeiro de 2003. Quando houve a fusão da Secretaria de Estado de Saúde com a Secretaria de Estado de Defesa Civil, em janeiro de 2007, foi criada a SuOp através do Decreto n° 40.486, de 01 de janeiro de 2007, sendo alterada pelos Decretos nº 40.505, de 04 de janeiro de 2007, e nº 40.516, de 11 de janeiro de 2007, da Secretaria de Estado de Saúde e Defesa Civil.

Missão:

A SuOp foi criada no intuito de adequar a estrutura organizacional da Subsecretaria de Estado de Defesa Civil, tornando mais ágeis e eficientes os procedimentos operacionais e administrativos pertinentes às ações de Defesa Civil, bem como as necessidades táticas e estratégicas para articulação e gestão operacional das mesmas.

A DGDEC é um órgão subordinado a SUOP, e hoje a DGDEC é comandada pelo CEL PAULO RENATO QOC/91

DOIS CARGOS IMPORTANTÍSSIMOS DENTRO DA ESTRUTURA DA SECRETARIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL ESTÃO OCUPADOS HOJE POR DOIS CORONÉIS GAROTÕES: CEL HESS QOC 91 E CEL PAULO RENATO QOC/91 

Como cargos tão importantes, que capacitam e instruem diversas outras Secretarias Municipais, comandadas por diversos outros Coronéis, podem ser ocupados por Coronéis tão modernos como estes?

Longe de questionar a capacidade e competência destes chefes, mas o militarismo tão defendido por este Comando, e que nos acusam de ser contra, está sendo VILIPENDIADO por este Comando que valoriza Coronéis recrutas, submissos, PROCRASTINANDO os mais antigos mesmo estes terem passado por diversos comandos e detentores de uma capacidade que só a vida proporciona: a experiência.

EXEMPLOS DE CORONÉIS PRETERIDOS POR ESTE COMANDO:

TEN CEL CARLOS EDUARDO QOC/84
TEN CEL VIEGAS QOC/88
TEN CEL THEOFILO QOC/89
TEN CEL JORDÃO QOC/90
TEN CEL ALBERTO SOUZA QOC/87
TEN CEL STILL QOC/89
TEN CEL GOMES RIBEIRO QOC/90

Se no Oficialato está assim, imagina nos praças? Subtenentes com 13 anos na patente, quadro de oficiais da saúde afunilados, sem perspectivas.

CADÊ A HIERARQUIA MEU CHEFE?






PEDIDO DE ORAÇÕES - GV JAIRO GRILINHO

TODA TORCIDA E ORAÇÕES PARA O GV JAIRO, DE PARATY, QUE SOFREU UM MAL SÚBITO ONTEM NA PRAIA (O MILITAR DE FOLGA SOFREU UMA CONVULSÃO NO ESPELHO DA FACE PRAIAL), COMPLICANDO SEU ESTADO.

O MILITAR FOI TRANSFERIDO ESTA MANHÃ PARA O HCAP DE HELICÓPTERO. TODO AGRADECIMENTO AOS OFICIAIS E PRAÇAS QUE PARTICIPARAM OU INTERCEDERAM PELO SOCORRO E TRANSFERÊNCIA DO MILITAR PARA O HCAP, ONDE ELE SE ENCONTRA NESTE MOMENTO.

QUE DEUS ABENÇOE.






sábado, 17 de janeiro de 2015

Máfia da Saúde: 11 envolvidos em esquema são oficiais

Inquérito identifica policiais em desvio que causou prejuízo de R$ 1,6 milhão à PM

ADRIANA CRUZ E VANIA CUNHA
Rio - Onze oficiais foram responsabilizados em Inquérito Policial Militar (IPM) por envolvimento com a Máfia da Saúde. Foram identificadas irregularidades na compra de itens para o Hospital da Polícia Militar de Niterói (HPM/Nit), como a de 13.720 lençóis comprados, mas foi constatado o desaparecimento de 9.620 peças. Do investimento de pouco mais de R$ 2 milhões, o prejuízo foi de R$ 1,6 milhão.
Esse foi o primeiro IPM concluído. Há outros seis em andamento na corporação. A investigação apontou que o ex-chefe do Estado-Maior Administrativo, coronel Ricardo Pacheco; o ex-chefe da Diretoria Geral de Administração e Finanças, coronel Kleber dos Santos Martins; o ex-gestor do Fundo de Saúde da PM (Fuspom), coronel Décio Almeida da Silva; o ex-diretor do HPM/Nit, coronel Sérgio Sardinha; além de outros sete oficiais, cometeram crime militar. A conclusão será encaminhada ao Ministério Público que atua junto à Auditoria de Justiça Militar.
A fraude no Hospital de Niterói foi a primeira investigação concluída de sete inquéritos feitos pela PM
Foto:  Paulo Araújo / Agência O Dia
O grupo será ainda submetido a Procedimento Administrativo Disciplinar, que pode resultar na expulsão. A conclusão do inquérito será publicada hoje no Boletim Interno. “Vamos reformular o controle e gestão do Fuspom. Agora, estamos vendo a parte correcional”, disse o chefe do Estado-Maior, coronel Robson Rodrigues. 
O sinal de alerta foi dado com a identificação de fraude na compra, por R$ 4,4 milhões, de 75 mil litros de ácido peracético para o Hospital Central da PM. O líquido seria usado para esterilizar material cirúrgico que não ia para o equipamento chamado autoclave. A coluna ‘Justiça e Cidadania’ publicou com exclusividade em outubro que o produto não foi entregue.

Fraude pode ter sido de R$20 milhões

O pagamento de todas as compras de material médico-hospitalar é feito pelo Fundo de Saúde da Polícia Militar (Fuspom). O fundo é bancado por militares que têm desconto de 10% do soldo e de mais 1% para cada dependente, o que gera receita anual de R$ 115 milhões. A contribuição não é obrigatória.
É do fundo também que saem os recursos para toda a rede hospitalar. São beneficiados mais de 230 mil, entre PMs da ativa, inativos e familiares. Em paralelo, a corrupção na área da Saúde é investigada também pela Subsecretaria de Inteligência, da Secretaria de Segurança, e o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público.
A estimativa é de que as fraudes e desvios de material cheguem a quase R$ 20 milhões. Durante as auditorias foram constatados o desaparecimento de aparelhos de ar-condicionado, lençóis e até o desvio de stent — prótese implantada para abrir as artérias — no HCPM. Em uma inspeção, foi identificado que a corporação adquiriu lote de aparelhos por R$ 2,1 milhões. Mas 14 deles, avaliados em mais de R$ 100 mil, não foram localizados.
Quatro analistas do Tribunal de Contas do Estado (TCE) estão passando pente-fino nos contratos da PM na saúde feitos nos últimos cinco anos. A inspeção especial foi determinada pelo presidente da Corte, Jonas Lopes. As empresas fornecedoras também estão sendo investigadas.

FONTE: O DIA

Corte de horas extras provoca fechamento de quartel dos bombeiros em Canoas

Segundo o comandante regional, major Márcio Uberti Moreira, se até o dia 20 não houver o repasse de horas extras, outros quartéis serão fechados

16/01/2015 | 12h24
Corte de horas extras provoca fechamento de quartel dos bombeiros em Canoas Paulo Rocha/Agência RBS
Quartel no Bairro Mathias Velho amanheceu fechado nesta sexta-feiraFoto: Paulo Rocha / Agência RBS
corte no pagamento de horas extras provocou o fechamento do quarteldo Bairro Mathias Velho, em Canoas. O posto está fechado desde o turno desta quinta-feira. O 8º Comando Regional dos Bombeiros aguardava até o último dia 10 uma confirmação se haveria o pagamento de horas extras para o mês, o que não aconteceu. As informações são da Rádio Gaúcha.
Os três bombeiros que trabalhavam no quartel do Bairro Mathias Velho foram deslocados para a unidade do Centro de Canoas. O município é o único na área do 8º Comando Regional dos Bombeiros que possuía dois quartéis. Os outros municípios (Esteio, Alvorada, Gravataí, Viamão, Guaíba, São Jerônimo e Camaquã) possuem apenas um.

>>> Homem é assassinado no Bairro Niterói, em Canoas
>>> Reciclador de papel é morto com cinco tiros no Bairro Harmonia, em Canoas
O posto do Bairro Mathias Velho havia sido reaberto em abril de 2013, após mais de um ano fechado por falta de efetivo e equipamentos. Segundo o comandante regional, major Márcio Uberti Moreira, caso não haja a confirmação do pagamento, outros quartéis poderão ser fechados nos demais municípios.
— Se até o dia 20 não tivermos repasse de horas extras, não teremos efetivo para suprir o restante dos dias em quase todos os quartéis, com exceção de Viamão e Camaquã — alerta o comandante.
O 8º Comando Regional dos bombeiros trabalha, hoje, com um terço do efetivo necessário. O total previsto é de 449 agentes. Atualmente, atuam 181. A situação é agravada nesta época do ano devido a férias e ao efetivo deslocado para a Operação Golfinho.

FONTE: Zero Hora