sexta-feira, 22 de maio de 2015

DACIOLO PRESIDINDO A PLENÁRIA

NENHUMA ARMA FORJADA PREVALECERÁ CONTRA NÓS (Isaías 54.17)AGU, GARIS (COMLURB), COMPERJ, PROFESSORES, TRABALHADORES DA SAÚDE, SEGURANÇA PÚBLICA E DEFESA NACIONAL Tivemos a grata satisfação de presidir a Sessão da Câmara dos Deputados por alguns instantes, e em seguida proferir um pronunciamento onde anuncio a tentativa de mais um ATAQUE contra o nosso mandato.Só tememos ao Senhor, e com Deus em nossa vida vamos conquistar o impossível.Juntos somos fortes. Nenhum passo daremos atrás.DEUS ESTÁ NO CONTROLE!

Posted by TV Daciolo on Sexta, 22 de maio de 2015

quinta-feira, 21 de maio de 2015

SEPULTAMENTO DO GV ANDRÉ DECO

O SEPULTAMENTO DO NOSSO QUERIDO COMPANHEIRO ANDRÉ DECO SERÁ REALIZADO NO MEMORIAL DO CARMO, NO CEMITÉRIO DO CAJU, AS 14:30H.



QUE O DEUS POSSA ABENÇOAR A TODOS OS AMIGOS E FAMILIARES E QUE O ESPÍRITO SANTO DE DEUS CONFORTE OS NOSSOS CORAÇÕES.

SAUDADES NEGO DECO





TODOS ESTÃO CONVIDADOS TAMBÉM PARA A MISSA DE SÉTIMO DIA 

PSOL PERDE BANCADA COM SAÍDA DE CABO DACIOLO

TODO O PODER EMANA DE DEUSO PSOL comunicou à presidência da Câmara a nossa expulsão do partido. Estou oficialmente sem legenda. Diante da informação, uma falha no sistema eletrônico de votação não permitiu que eu registrasse os meus votos.Para sanar o problema, o presidente Eduardo Cunha autorizou que a cada votação eu registrasse no microfone do plenário como votava. Aproveitei também o momento para afirmar que todo o poder emana de Deus, e para agradecer o apoio e a solidariedade que temos recebido dos parlamentares.Deus está no controle e todos souberam disso. Amém!Com a nossa saída, o PSOL perde:1- Tempo de líder (falar em plenário como liderança)2- Não pode mais apresentar sugestões de mudança (destaques)3- Não pode apoiar pedido de verificação de quórum4- Não pode assinar Requerimento de Urgência5- Não participa mais do Colégio de LíderesVeja no vídeo como tudo começou.Juntos somos fortes. Nenhum passo daremos atrás.

Posted by TV Daciolo on Quinta, 21 de maio de 2015

Cabo Daciolo organiza culto religioso na Câmara dos Deputados

Cartazes espalhados pela equipe do deputado convidam para um "Encontro com Deus"



DEUS NO CONTROLE Foto do cartaz do deputado Cabo Daciolo

A equipe do deputado fluminense Cabo Daciolo (sem partido) espalhou pelos corredores da Câmara cartazes que convidam servidores e parlamentares para um culto religioso no auditório Nereu Ramos, o maior da Casa. Os cartazes (foto acima) são um convite para um "Encontro com Deus" na próxima sexta-feira, dia 22 de maio. No fim de semana, a executiva nacional do PSOL expulsou Cabo Daciolo do partido. O motivo: o deputado disse que apresentará uma Proposta de Emenda à Constituição para atualizar o artigo 1º do texto. Cabo Daciolo quer substituir a frase "todo o poder emana do povo" por "todo o poder emana de Deus". Bombeiro, Cabo Daciolo ganhou visibilidade ao liderar protestos da sua categoria no Rio de Janeiro, em 2011.

FONTE: ÉPOCA

O PSOL me perseguiu, desrespeitou a minha liberdade religiosa, diz Daciolo


Ao saber da decisão do PSOL, o deputado Cabo Daciolo escreveu um texto em suas redes sociais lamentando sua expulsão. O parlamentar, que é evangélico, acusou o partido de perseguição religiosa e reafirmou as suas convicções como cristão e como militar.

“Não recebi com alegria a notícia de minha expulsão pelo Diretório Nacional do PSOL”, escreveu o deputado lembrando que sua campanha eleitoral estava desacreditada pelos colegas de legenda.

“Não tive tempo de TV e os recursos financeiros foram escassos. Mesmo assim, diante da especulação negativa de que seria derrotado nas ruas, Deus, o Todo-poderoso, honrou a nossa fé e o empenho voluntário, aguerrido, das pessoas que acreditaram genuinamente em nossa proposta.”

Daciolo afirmou que seu desejo era permanecer no partido e que mesmo quando foi suspenso apresentou sua defesa para não ser expulso, por isso ele não estava feliz com a decisão.

Porém, o deputado afirmou que estava confiante em Deus. “Hoje não é um dia para se comemorar. Todavia, a minha confiança está no Senhor e nos seus desígnios. A vontade de Deus é boa, agradável e perfeita (Rm 12.2). A Bíblia, o meu único manual de fé e prática, diz que todas as coisas contribuem juntamente para o bem daqueles que amam a Deus. Nunca me envergonharei em declarar que Deus vem em primeiro lugar na minha vida. Todo o poder emana de Deus”, escreveu.

Ele acredita que foi por suas crenças que ele foi expulso e acusou o partido de o perseguir. “O PSOL me perseguiu, desrespeitou a minha liberdade religiosa e não permitiu que eu pudesse discutir as minhas propostas junto ao partido. Fui discriminado”.

Daciolo aproveitou para reafirmar o compromisso com os militares. “Para encerrar, quero reiterar que em qualquer partido político irei honrar a minha fé e defender os militares. Militar também é cidadão.”

Entenda o caso

O deputado Cabo Daciolo é bombeiro militar e foi eleito com 49.831 votos, ele entrou para a Câmara Federal por conta do coeficiente eleitoral que levou para Brasília quatro deputados da legenda.

O problema entre o parlamentar e o PSOL se deu pela proposta apresentada por ele que tem como objetivo mudar o termo “todo poder emana do povo”, para “todo poder emana de Deus” na Constituição Federal.

O PSOL tentou impedir que ele apresentasse o texto, mas Daciolo insistiu e protocolou o projeto. Outro agravante foi ter defendido na tribuna os 12 militares presos no Rio de Janeiro por participarem da morte do pedreiro Amarildo.

FONTE: GOSPEL PRIME

Extra, Extra na CBN: É natural que alguns petistas se aproximem do PSOL

A aproximação de petista do PSOL é natural, já que o partido socialista foi fundado por dissidentes do PT. Enquanto isso, o cabo Daciolo foi expulso do partido e Janira Rocha continua pendente.

Bancada evangélica critica expulsão de Daciolo do PSOL

A expulssão do deputado federal Cabo Daciolo (RJ) do PSOL foi criticada pela bancada evangélica da Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe) nesta segunda-feira (18). Os parlamentares apresentaram nota de repúdio à decisão e viram a atitude como algo radical. 

Contrário a postura do PSOL, o deputado estadual Adalto Santos (PSB) apresentou voto de repúdio na Casa Legislativa. Outros parlamentares da base evangélica também criticaram a atitude. “Longevidade é obra da mão de Deus (...). Atitude foi radical”, analisou o deputado Cleiton Collins (PP), no Twitter da Alepe.

Outro parlamentar contrário a postura do PSOL foi Joel da Harpa (PROS). “Atitude foi intolerante e desnecessária”, considerou.

Apesar da postura dos deputados evangélicos, o tucano Antônio Moraes encarou com naturalidade o ocorrido, prevendo até a saída de Daciolo. “Hoje ou amanhã ele teria dificuldades dentro do partido”, ressaltou.

Saída do PSOL - Cabo Daciolo foi retirado da legenda pelas atitudes que o parlamentar vinha tomando no exercício do seu mandato. Segundo o PSOL, a apresentação de proposta de emenda à Constituição (PEC 12/15) que propõe alterar trecho da Constituição “todo poder emana do povo” por “todo poder emana de Deus”, fere a concepção do PSOL na defesa do Estado laico. Além disso, a sigla alega que o deputado pediu ao partido engajamento na defesa de policiais militares da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) da Rocinha, acusados pelo assassinato do ajudante de pedreiro Amarildo, morto em junho de 2013.

Cleiton Collins foi um dos deputados críticos à postura do PSOL

João Bita/Alepe



quarta-feira, 20 de maio de 2015

QUEREMOS A PERMANÊNCIA DA POLICLÍNICA DE CHARITAS - ABRAÇO SIMBÓLICO SÁBADO 09:30h

DIGA NÃO AO FIM DA POLICLÍNICA DE CHARITAS!PRECISAMOS DE MAIS SAÚDE, MAIS ATENDIMENTOS.NESTE SÁBADO AS 09:30 EM FRENTE A POLICLÍNICA DE CHARITAS UM GRANDE ABRAÇO PELA PERMANÊNCIA DA POLICLÍNICA DE CHARITAS.JUNTOS SOMOS FORTES!!!

Posted by Associação Abmerj on Quarta, 20 de maio de 2015

DEFESA NACIONAL VALORIZADA, SEGURANÇA PÚBLICA BENEFICIADA

PELO FIM DO SUCATEAMENTO DA DEFESA NACIONALVALORIZAÇÃO JÁ!Participamos de Audiência Pública na Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional, e recebemos o Ministro de Estado da Defesa, Jacques Wagner, além dos Comandantes das Forças Armadas, para tratar dos mais diversos e relevantes assuntos da Defesa Nacional.Aproveito para lembrá-los que no dia 29 de maio, sexta-feira, realizaremos um grande evento em defesa dos militares esquecidos e injustiçados pelas Forças Armadas.O evento será no Auditório Nereu Ramos da Câmara dos Deputados, às 17h.Juntos somos fortes. Nenhum passo daremos atrás.DEUS ESTÁ NO CONTROLE!

Posted by TV Daciolo on Quarta, 20 de maio de 2015

Governo do RJ quer 100% da PM com nível superior em 15 anos - PAUTA DO SOS BOMBEIROS E ABMERJ

Comandante da PM afirmou que membros da corporação passarão por avaliações anuais e aposta no modelo de Polícia de Proximidade

Sem medo de criticar seus antecessores e velhas práticas, o atual comandante geral da PM, coronel Alberto Pinheiro Neto, promete reorganizar toda a corporação para tentar mudar o atual quadro de descrédito com a população. “O colapso administrativo em que encontrei a PM gerou um grave abalo no sistema operacional e a consequente perda de credibilidade na ponta da linha”, disse Pinheiro Neto, na manhã desta terça-feira (19), em seminário organizado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), no Rio.


Coronel Pinheiro Neto, no centro, afirma ter tido que retomar bons projetos que foram abandonadosFoto: Marcus Vinicius Pinto / Terra

Para mudar, a PM encomendou uma pesquisa para a Universidade de Stanford, na Califórnia. Ela, que será de análise interna, revela, por exemplo, que pouco mais 40% da corporação têm nível superior. “Nosso objetivo é chegar dentro de 15 anos com toda a tropa com nível superior”, disse o tenente-coronel Carballo, da equipe de Pinheiro Neto, que pretende unificar a formação básica do policial e depois direcioná-los a áreas específicas. "O próximo concurso já vai ser nesse molde”, comentou. “Os policiais, dentro de pouco tempo, passarão por avaliações anuais em termos físicos, psicológicos, treinamento para uso de força e capacidade técnica”, afirmou Carballo.


Pinheiro Neto garante que nos cinco meses em que está à frente da corporação, teve que recuperar projetos que tinham sido abandonados nos últimos dois anos, e que isso causou um grave atraso na modernização da polícia. “Queríamos, para 2016, uma polícia de nível internacional, mas não vai dar tempo. Só teremos isso em 2018”, disse. No entanto, Pinheiro Neto afirmou que isso não quer dizer que a segurança dos Jogos Olímpicos estaria comprometida: “Somos especialistas em grande eventos”.

Além de apostar forte na chamada Polícia de Proximidade (que está em teste na região do Grajaú-Vila Isabel-Tijuca, na zona norte do Rio), a PM quer diminuir e enxugar batalhões, melhorar a informatização e formar melhor seus homens. Chefe do Estado Maior, o coronel Robson Rodrigues lembrou ainda os projetos da nova sede do Quartel General e dos Comandos Especiais: “Precisamos estar próximos e acessíveis à comunidade”.

Sobre o processo de pacificação, Robson foi claro: “A pacificação passa pelo chamado freio de arrumação”. Segundo ele, as UPPs no futuro serão parte desse novo modelo de Polícia de Proximidade. “A polícia não vai se transformar numa grande UPP, porque esse é um projeto caro: caro por demandar muitos recursos e muitos homens”, disse. Por isso, o governo irá investir na Polícia de Proximidade, onde cada bairro tem seus policiais exclusivos, que vivem o dia a dia do local: “Essa que é uma vocação original da polícia: estar próxima da comunidade e prevenir. Polícia não pode ficar apenas focada em sistema de metas e em baixar indicadores”, disse.

Pinheiro Neto relatou que, para ter uma administração às claras, afastou de postos de comando policiais que considerava despreparados. Mandou recado também a outros setores da administração pública sobre que papel devem ter no processo de pacificação de comunidades. “Pedi ao Governador que outros setores tenham bem definidos sua parcela de contribuição, tanto no social quanto na ordem urbana”, lembrou. “Em um momento próximo, vamos estar de pé, fortalecidos”, afirma.

FONTE: TERRA


terça-feira, 19 de maio de 2015

O #RJ vai ganhar mais 20 quartéis de bombeiros! �� �� ��

Sete quartéis serão erguidos ainda este ano. Plano estratégico da corporação prevê a implantação de mais 13 até 2018. Socorro mais rápido nos quatros cantos do estado 

Este ano, ganham quartéis Seropédica, Mesquita, Bom Jesus do Itabapoana, Natividade, Itatiaia e Mendes. Já Petrópolis recebe nova Academia de Bombeiro Militar.

CHAMA PEZÃO

ABMERJ NA ALERJ

Seguros a partir de R$ 4,15 para o servidor do Estado do Rio

Os servidores do Estado do Rio poderão contratar seguro de vida a partir de R$ 4,15 mensais, mas, para isso, será necessário ser participante do RJPREV (Fundação de Previdência Complementar do Estado do Rio). A Parcela Adicional de Risco será mais um benefício, defendeu o diretor-presidente da Fundação, Halan Morais. “Entre R$ 4,15 e R$ 43,55 mensais, o servidor pode contratar um valor estipulado por ele”. Em entrevista à coluna, ele destaca o desempenho da fundação em 2014. Cita que a média de rentabilidade ficou em 10,78% contra 9,86% dos planos de previdência aberta: “Nossas taxas de administração são menores por lei. Todo mundo tem uma fatia da entidade”.
(Foto: Uanderson Fernandes / O DIA)
O diretor-presidente do RJPREV Halan Morais esclarece quem pode contribuir para o fundo(Foto: Uanderson Fernandes / O DIA)
ODIA: Fundação RJPREV lançou novo produto para o servidor, a chamada Parcela Adicional de Risco, uma espécie de seguro para o funcionário do estado. O senhor pode explicar a novidade e os diferenciais?
HALAN:— É importante destacar que a RJPREV veio não só para garantir a complementação da aposentadoria dos novos servidores. O intuito é trazer um benefício a mais para o servidor público. Este funcionário, independente da data da posse, pode ter uma aposentadoria complementar para abater do Imposto de Renda, entre outros benefícios. Temos agora a Parcela Adicional de Risco. Tanto o servidor novo quanto o antigo pode vir na RJPREV e contratar uma parcela adicional para morte ou para invalidez permanente, que acaba sendo um seguro. A diferença é que ele vai receber, no caso de invalidez, como se fosse uma renda. Se for no caso de morte quem vai receber é o pensionista ou o seu dependente. Ele pode contratar um ou outro. Não pre,cisa contratar os dois. pode fazer uma apólice de R$100 mil, por exemplo. E cada apólice não precisa ser de um mesmo valor. Se acontecer dele ficar inválido ou morrer, esse recurso que ele calculou, aquele capital que ele efetivamente pré-definiu vai ser colocado na conta previdenciária dele. O servidor vai receber como renda ou o seu pensionista. Esse processo foi licitatório e os valores que conseguimos foram muito atraentes em relação ao mercado. Acho que isso foi muito positivo.
- Qualquer servidor pode contratar?
HALAN: Ele precisa ser um participante da RJPREV. No caso dos antigos, ele pode contribuir com uma alíquota mínima, garantir uma previdência complementar, e mais, ele pode ter esse benefício para morte ou invalidez. A diferença do seguro é que o beneficiário recebe à vista. E na Parcela Adicional de Risco, vai receber como renda. Aquilo que definiu, por exemplo, R$ 100 mil, vai cair na conta beneficiária e receber como renda. Não deixa de ser um seguro.

- Vamos supor que o montante que ele conseguiu agrupar no período laborativo para a RJPREV foi de R$ 100 mil e a poucos dias de se aposentar ocorreu uma invalidez. E, além disso, havia contratado uma Parcela Adicional de Risco de R$ 150 mil. Então, na aposentadoria, além dele receber tudo o que contribuiu para a RJPREV ao longo dos anos, ele vai receber esse adicional?
HALAN: Você entendeu perfeitamente. Isso é um algo a mais para o servidor, o exemplo que você deu é perfeito. O que ele contribuiu até aquele momento mais o patrocinador (se for o perfil). A pessoa estipula o valor que ela quer . E o pagamento mensal desta parcela é de acordo com a idade do servidor. Há planos a partir de R$ 4,15.
-Como o servidor vai apontar os seus beneficiários neste tipo de seguro?
HALAN: A característica da previdência complementar, o rol dos dependentes é o mesmo do Rioprevidência. O rol que tem direito à pensão. Vamos dar o exemplo de uma pessoa que só tenha um filho maior de 25 anos e ele não é mais dependente para fins de previdência. Só que aquele período que acumulou do período laborativo e mais esse seguro individual e na linha do exemplo que você deu e chegou a R$ 250 mil, vamos olhar o rol de dependentes. Tem algum dependente vitalício ou temporário? Não. Esse dinheiro vai para o espólio, todo o montante. Isso é muito importante, pois todo o dinheiro é da pessoa.E é como se fosse um bem. Se ele morrer, os dependentes vão receber o dinheiro.

-Muitos servidores estaduais desconhecem a previdência complementar. Como vocês estão esclarecendo os funcionários?
HALAN: O sistema de previdência complementar é facultativo. O sistema compulsório é o do Rioprevidência, em que o servidor contribui com 11% até o valor do teto do Regime Geral (INSS) para os novos servidores. Conseguimos uma publicação de um decreto em que o RJPREV integra os cursos de formação dos novos servidores. Existem funcionários que entram ganhando abaixo do teto e ao longo da carreira mudam e passam a receber acima do limite. Precisamos esclarecer todos os grupos. Estamos com um convênio na Escola de Educação Financeira e também com trabalho junto aos Recursos Humanos. Também temos acesso à folha do estado e conseguimos visualizar quem recebe acima do teto, mesmo não fazendo a adesão, a gente entra em contato por meio de mala direta e encaminha e-mail.

O diretor-presidente da RJPREV Halan Morais explica como funciona o seguro (Foto: Uanderson Fernandes)
Halan Morais explica como funciona o seguro (Foto: Uanderson Fernandes)
-Quantos no Estado do Rio recebem acima do teto e são potencial clientela da RJPREV?
HALAN: Esse número oscila muito, atualmente, em torno de 45 mil pessoas. Cabe ressaltar que a RJPREV foi criada não somente para complementar a renda desses servidores que recebem acima do teto. Nós temos um público que é servidor do estado, faz parte do RJPREV sem abrir mão das regras antigas. Posso fazer um plano à parte sem abrir mão dos meus direitos.

-Qual diferencial para o servidor estadual que pertence ao regime antigo e ganha acima do teto. Por que ele deve contribuir para a RJPREV?
HALAN: Não só uma pessoa que recebe acima do teto, mas abaixo também. É um paradigma achar que a RJPREV é só para o novo servidor e que ganha acima do teto. A diferença que existe entre eles é que a parte que está acima do limite, ele recebe contrapartida do estado na mesma proporção que contribui. Aquele que está abaixo do teto faz contribuição individual, sem contrapartida. Quem recebe acima do teto também pode fazer contribuição individual, mas neste caso não terá os benefícios fiscais. Meu exemplo, sou servidor público antigo e ganho acima do teto. Vou fazer o meu cálculo pela minha regra de aposentadoria que achar mais pertinente no Rioprevidência e vou na RJPREV e me aposento também. Vou poder ter um benefício complementar e receber dois contracheques, um do Rioprevidência e outro do RJPREV.

-Existe um valor mínimo de contribuição?
HALAN: Para fazer uma contribuição facultativa (individual), ou você faz um valor fixo de R$ 120 ou escolhe um percentual de 2,5% até 12% do salário. Agora, para ter a contrapartida patronal, só existem algumas opções de alíquotas para escolher: 5,5%, 6,5%, 7,5% e 8,5%. A grande maioria escolhe 8,5% porque o estado coloca na mesma proporção escolhida pelo servidor. Tudo sobre o que excede o teto do INSS.

-Quais são os tipos de resgate dos valores?
HALAN: Eu posso ter dois tipos de reserva. Uma que vai ter renda vitalícia e outra que terá renda certa. Eu posso ter os dois tipos de recursos, por meio de contribuição voluntária ou facultativa. A contribuição que é patrocinada, que é a que o estado contribui para você também, acima do teto, essa só tem direito de receber como renda vitalícia porque é um complemento da remuneração da pessoa. Agora, aquela que se faz de iniciativa própria, que são as voluntárias, essas podem escolher receber em tempo certo, por menos tempo. Pode optar por receber por cinco ou 10 anos após a aposentadoria.

-Quando a pessoa faz a participação e o estado faz a sua contrapartida, para onde vai o dinheiro aplicado na RJPREV?
HALAN: Atualmente, a gente tem aplicado 100% do recurso, tanto da parte do servidor quanto do estado, em títulos públicos federais. Todo o recurso hoje está sendo aplicado em título público. A gente não trabalha com renda variável, mas futuramente vamos ter vários perfis.

FONTE: O DIA

segunda-feira, 18 de maio de 2015

Amigos prestam homenagens a bombeiro morto no Recreio

Nas redes sociais, familiares, amigos e bombeiros postam declarações sobre André Deco, além da imagem do suspeito

O DIA

Rio - Bombeiro, surfista, 'forrozeiro' e — sem dúvidas — figura querida, Andre Luiz Ferreira Pereira, morto a tiros na noite deste sábado, aos 41 anos, foi homenageado por amigos e parentes nas redes sociais. Muitos ainda compartilharam imagens do vizinho de Deco — como era conhecido —, apontado por testemunhas como o suspeito do crime. No entanto, a Divisão de Homicídios, que investiga o caso, não confirmou a identidade do homem. 

Nas homenagens dos amigos, a paixão pela vida e pela profissão ficam claras não só pelas declarações, mas pelo próprio perfil do militar no Facebook. Entre expressões de revolta pelo crime, muitos fizeram questão de relatar a falta que Deco fará em suas vidas. 

Em seu perfil no Facebook, André Deco mostrava sua paixão pelo surfe em diversas imagensFoto: Reprodução Facebook

"Foi pelo surf, pelas fotos com sua interação na natureza, pelos acampamentos, pelos reciclados e pelos momentos de reflexão em sua vida pessoal que cheguei a me encantar e me deliciar em suas postagens, e por isso sei que quem tinha um relacionamento fechado contigo vai sentir mesmo sua falta, pois as fotos também falam mesmo sem dizer uma palavra e tu era do bem. Que Deus conforte todos que sofrem neste momento e o surf perde mais um grande surfista. R.I.P Andre Deco! Aloha! (sic)", escreveu um dos inúmeros amigos. 

Alguns internautas da rede do bombeiro chegaram a colocar a foto de perfil de luto pela morte de Deco. Em outra postagem, um amigo lembrou que além do copor de Bombeiros, o surfe também sentirá a falta do militar: "LUTO - E o surf e o GMAR perde mais um para violência. Deus abençoe Andre Deco e conforte nossos corações". "Sem palavras", disse um outro. 

Segundo PM, bombeiro teria sido morto após discutir com vizinhoFoto: Reprodução Internet

Deco era casado com uma estrangeira e o velório ainda não foi confirmado. A família aguarda a chegada da mulher que estava viajando quando ocorreu o crime. 

Procurada, a Polícia Civil disse que as investigações prosseguem para apurar as circunstâncias da morte de Andre. Testemunhas prestaram depoimento e agentes estão em busca de mais informações que ajudam a descobrir a autoria do crime.

FONTE: O DIA

Psol decide não reivindicar mandato de Daciolo à Justiça

Por 54 votos a favor e um contra, deputado federal foi expulso do partido
LEANDRO RESENDE

Rio - Depois de decidir expulsar o deputado federal Cabo Daciolo (RJ), o Psol resolveu abrir mão de reivindicar o mandato dele ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Eleito em 2014 após liderar uma greve de bombeiros no Rio, Daciolo foi acusado de contrariar o programa do Psol ao tentar incluir Deus na Constituição Federal e ao defender os PMs presos no caso Amarildo.

Evangélico, Daciolo disse que Psol ‘desrespeitou sua liberdade’ religiosa

O afastamento definitivo de Daciolo do Psol foi aprovada em reunião do Diretório Nacional do partido, em Brasília. Foram 54 votos a favor da expulsão — apenas a ex-deputada estadual Janira Rocha se posicionou pela permanência do militar na sigla. A decisão de não reivindicar o mandato dele à Justiça Eleitoral teve um placar mais apertado: foram 31 a 24.

Daciolo lamentou a postura do Psol, no site ‘sosbombeiros.com’. “O Psol me perseguiu, desrespeitou a minha liberdade religiosa e não permitiu que eu pudesse discutir as minhas propostas junto ao partido. Fui discriminado. Mesmo assim, eu os perdoo. Não levo mágoas comigo. Jesus me ensinou a perdoar.Para encerrar, quero reiterar que em qualquer partido político irei honrar a minha fé e defender os militares. Militar também é cidadão”, escreveu Daciolo.

Evangélico, o deputado apresentou proposta para modificar o parágrafo 1º da Constituição, que afirma que “todo poder emana do povo”. Ele queria alterar o texto para substituir o povo por Deus.

Daciolo também entrou em rota de colisão com políticos do Psol que atuam na área de direitos humanos. Em março, ele defendeu a libertação de 12 policiais militares acusados de participar da morte do pedreiro Amarildo de Souza, em 2013. Segundo as investigações, Amarildo foi torturado e morto por PMs da UPP da Rocinha.

Com a saída do bombeiro, a bancada do Psol na Câmara cai de cinco para quatro deputados federais.

Fonte: O Dia