domingo, 1 de março de 2015

Revista Veja: Governo não teria repassado dinheiro recolhido da folha para pagar empréstimos consignados

Uma pequena nota publicada pelo jornalista Lauro Jardim - em sua coluna a Revista Veja - aponta uma suposta apropriação indébita por parte de dois governos estaduais: o de Luiz Fernando Pezão, no Rio de Janeiro, e o do governador Renan Filho (PMDB), aqui em Alagoas.

Lauro Jardim é enfático: diz que desde dezembro - ou seja: reflexo ainda da gestão tucana do ex-governador Teotonio Vilela Filho (PSDB) - não são repassados aos bancos o dinheiro que é recolhido da folha de pagamento dos servidores que tomaram empréstimos consignados. 

Isto teria feito com que Renan Filho “entesourasse” aproximadamente R$ 50 milhões. No caso do governo do Rio de Janeiro, o valor é um pouco maior: R$ 450 milhões. 

Tentei contato com a Secretaria da Fazenda sobre o assunto. Não obtive êxito. O espaço está aberto para os esclarecimentos. Lauro Jardim fala a verdade ou não?

Na manhã de hoje, consegui contato com a pasta da Comunicação e falei sobre a nota que estava na coluna de Lauro Jardim. A informação que recebi é de que seriam buscado maiores esclarecimentos a respeito do assunto, porque precisaria ser checado tal dado. O blog fica no aguardo. 

Em 9 de janeiro de 2015, a imprensa alagoana mostrava que diante da situação financeira, o Estado ficaria devendo a instituições financeiras que concederam empréstimos consignados. Com base em informações que foram divulgadas pelo próprio governo. 

Renan Filho (PMDB) tocou no assunto no dia 13 de janeiro, em reportagem da própria Agência Alagoas. Naquele momento, o valor dos empréstimos consignados realizados pelo Estado - ainda na gestão anterior - não foram repassados aos bancos. 

Dos R$ 57,7 milhões em aberto, R$ 22,7 milhões correspondiam aos créditos consignados para servidores ativos e inativos, conforme o próprio governo do Estado. Valor referente ao ano de 2014. 

Renan Filho se comprometia - naquele momento - a quitar as pendências do governo junto às instituições bancárias”. Os valores - mesmo não tendo sido repassado aos bancos - foram descontados dos servidores. A questão é: como anda a situação agora?

Resposta

O governo do Estado de Alagoas - por meio da Secretaria Estadual da Fazenda - respondeu à coluna Radar de Veja. Eis a respota abaixo:

O Governo do Estado de Alagoas está em dia com o repasse dos empréstimos consignados. Na verdade, a administração anterior não deixou em caixa recursos suficientes para o repasse referente aos meses de novembro e dezembro de 2014, no montante aproximado de R$ 60 milhões. Esse valor faz parte do passivo de R$ 300 milhões deixado sem cobertura financeira pela gestão passada. 


A Secretaria de Estado da Fazenda de Alagoas (Sefaz-AL) repassou, em janeiro de 2015, às instituições financeiras o valor correspondente ao mês de novembro de 2014. Resta o saldo relativo a dezembro, cujo parcelamento está sendo negociado pela Sefaz com as instituições financeiras, sem constituir inadimplência.

Fonte: Cada Minuto

3 comentários:

  1. Tenho sido constantemente ameaçado de nome sujo e outros devido a consignado que o banco bradesco financiamento não recebe desde 2013, o que devo fazer?

    ResponderExcluir
  2. O POVO ESTÁ DESAMPARADO, PERDIDO....LITERALMENTE CABRAL E ESSA DESGRAÇA QUE ESTÁ NO GOVERNO DESTRUÍRAM O RIO DE JANEIRO. AINDA VEM COM ESSA PORRA DE COMEMORAR ANIVERSÁRIO DO RJ, COMEMORAR É O CACETE.

    ResponderExcluir
  3. Meu nome esta no Serasa pelo banco pan,alegando atraso em.parcelas de empréstimo consignado,mesmo eu comprovando que os descontos foram feitos de forma integral o banco diz que o estado não repassou.Vou colocar o banco na justiça depois eles resolvem com o estado.

    ResponderExcluir

"O Estado não tem poder algum sobre a palavra, as idéias e as convicções de qualquer cidadão dessa República e de profissionais dos meios de comunicação social." (Ministro Celso de Mello - Supremo Tribunal Federal) - Se identifiquem por gentileza, comentar não é crime!MUITO IMPORTANTE: O foco do movimento é a DIGNIDADE. E é para esse objetivo que o blog existe. Por isso, comentários que não compartilhem do mesmo objetivo poderão ser removidos. Não podemos publicar ofensas! Não insista! Defenda sua ideia ou crítica de forma respeitosa.