sábado, 23 de maio de 2015

Primeira pesquisa do Esquerda Diário tem mais de 1200 votantes



Nesse mês de maio, o Esquerda Diário inaugurou uma nova forma de dialogar com os leitores: publicamos no portal principal do site uma pesquisa sobre a expulsão do Cabo Daciolo do Partido Socialismo e Liberdade (PSOL), perguntando se nossos leitores opinavam que o PSOL deveria exigir seu mandato ou não; este foi um dos eventos que gerou importante debate na esquerda brasileira nos últimos dias.

O cabo Daciolo, conhecido por participar das mobilizações de bombeiros no Rio de Janeiro, tem chocado o conjunto da vanguarda e dos lutadores com suas posições política (que já demonstravam fortes evidencias nos processos dos bombeiros do RJ e viemos debatendo há alguns anos, mas que ficaram mais conhecidas agora).

Primeiro, o deputado fez uma campanha defendendo que o ministério da defesa não poderia ser entregue a um civil, depois tirou uma foto com o ultra-conservador deputado Jair Bolsonaro (representante da direita e dos pedidos da volta da ditadura militar no país); após isso, Daciolo defendeu os polícias que covardemente assassinaram Amarildo, um pedreiro desaparecido em uma favela do Rio de Janeiro; por fim, Daciolo propôs uma alteração na constituição, modificando a frase “todo poder emana do povo” para “todo poder emana de Deus”, o que, independente da liberdade de religiões, é uma clara tentativa de mesclar a constituição com sua crença, o que fere a laicidade do Estado. Ou seja, somos a favor de toda liberdade religiosa, mas achamos equivocado (um enorme retrocesso) Daciolo querer impor suas convicções pela via da constituição.

Por tudo isso, o PSOL expulsou o cabo Daciolo, que já não representava mais nada dos ideais do partido e, ao invés disso, alimentava posturas reacionárias. No entanto, acreditamos que o diretório nacional do PSOL tomou uma decisão equivocada ao manter o mandato com Daciolo, pois é um direito democrático que os partidos possam ficar com o mandato e colocar um suplente, o que seria condizente, entre outros motivos, porque Daciolo entrou com muitos votos puxados pela legenda, ou seja, por aqueles que votaram nos ideais e na política do PSOL (Daciolo teve cerca de 50 mil votos, para eleger um deputado precisaria mais que triplicar, 165 mil, que foi o que conseguiu graças a legenda do PSOL). E para agravar, um deputado eleito contando com votos “progressistas” irá agora, mantendo seu cargo fortalecer a “bancada BBB” (bíblia, bala, boi).

No entanto, fizemos a enquete sem mencionar os dados de Daciolo, para avaliar como os nossos leitores viam a questão e a maioria dos leitores optou pela opção do mandato seguir com ele, conforme a tabela abaixo:

Ou seja, 70% dos leitores votaram para manter o mandato. Nós queríamos dialogar com os leitores que, por todas as manobras e burocratismos que se acumulam nos partidos, envoltos em corrupção etc., muitos ficam desconfiados com esses métodos (e a questão da expulsão).

Mas o erro do PSOL inicial foi ter permitido a adesão de um “cabo” ligado forças de segurança militares (campeão da luta por maior capacidade de repressão dessas forças, o PEC 300) no seu partido e acreditamos que o PSOL deve aprender com esse erro. Por isso naturalmente expulsar Daciolo tornou-se a única opção possível, já depois de distintas demonstrações de sua prática reacionária. Em outro sentido, mostra-se mais claro como a esquerda deve se embandeirar do programa de revogabilidade dos mandatos, que seria um passo fundamental para reverter esses problemas, se algum parlamentar não expressa os anseios dos seus votantes.

Ou seja, é necessário deixar claro que quem elegeu Daciolo foram os votos da legenda, ou seja, a maioria esmagadora (mais de 100 mil) não votaram em Daciolo, mas no PSOL. Por isso acreditamos que o pedido do mandato era algo democrático (votos no partido) e também politicamente para evitar que a dor dos que sofreram com Amarildo ou dos que são oprimidos por Bolsonaro e sua opinião reacionária sobre as mulheres, negros e gays, além do conjunto dos trabalhadores, se perpetuasse em outro mandato, agora de Daciolo.

Mas Daciolo continua como deputado, teremos que manter nossa batalha contra suas posições, quem sabe em outro partido, agora da direita. Seguiremos com a discussão.

De todo modo, achamos que foi uma excelente experiência no Esquerda Diário, com amplo debate nos comentários, e chamamos os nossos leitores a seguirem esse debate e nossas outras pesquisas, inclusive nos enviar mensagens no e-mail ou redes sociais sugerindo outros temas para pesquisa e continuar expressando suas opiniões, um intercâmbio fundamental para avançar os debates sobre uma esquerda revolucionária no país.

FONTE: Esquerda RIO

Um comentário:

  1. Bem eu quando votei, foi na pessoa do Daciolo, independente de partido. Só não votaria nele se viesse pelo PMDB, por questões culturais, e que não gosto deste partido, independente do ocorrido pelos últimos anos

    ResponderExcluir

"O Estado não tem poder algum sobre a palavra, as idéias e as convicções de qualquer cidadão dessa República e de profissionais dos meios de comunicação social." (Ministro Celso de Mello - Supremo Tribunal Federal) - Se identifiquem por gentileza, comentar não é crime!MUITO IMPORTANTE: O foco do movimento é a DIGNIDADE. E é para esse objetivo que o blog existe. Por isso, comentários que não compartilhem do mesmo objetivo poderão ser removidos. Não podemos publicar ofensas! Não insista! Defenda sua ideia ou crítica de forma respeitosa.