sexta-feira, 24 de julho de 2015

Carta Resposta de Janira Rocha

Carta Resposta de uma das maiores expressões do atual sindicalismo brasileiro ao ataque sofrido pelos governos empreiteiras e globo:

" Recebi sem nenhuma surpresa a decisão da MP de me denunciar à Justiça por improbidade. Vítima de perseguição política por parte do Governo do Estado do Rio de Janeiro e de outras estruturas comprometidas com a defesa dos interesses deste, não esperava outro desenrolar.
Não me surpreende também que, no momento em que estou militando por mais uma luta justa, a Greve dos Servidores do INSS, categoria à qual pertenço hà 30 anos, esse ataque venha e seja amplamente divulgado na Imprensa. De uma certa forma, o que parecerá estranho a alguns, até me orgulho, pois sei que a insistência em me caluniar, desconstruir e assassinar minha reputação tem a ver com a relevância do empenho que coloco nas lutas que tomo a defender. Não sou uma pessoa da “gaiola”, não faço acordos contra o povo pobre, não aceito “emendinhas” ou qualquer outra migalha típica do dilema imposto a vários parlamentares que conheci. Sempre me rebelei contra a máxima “cheque ou cova”, que colocou na parede muitos parlamentares.
Sim, no meu mandato tinha cotização, aliás estabelecida no estatuto do partido a que pertencia. Existia entre os militantes do PSOL, era espontânea e foi usada para atividades partidárias e do movimento social.
Perguntem aos bombeiros, aos PMs que lutavam pela PEC 300, aos trabalhadores da saúde, da educação, aos operários do COMPERJ, aos catadores de lixo, ao MTL, ao MTST, a estudantes de diferentes movimentos de luta, aos meninos da FNT. Enfim, perguntem aos movimentos sociais se receberam ou não ajuda do meu mandato.
Sim, recebi ajuda estrutural do meu sindicato para a campanha eleitoral, mas isso não foi fruto de desvios, e sim de debates políticos realizados em congressos e assembleias onde a categoria dos servidores da seguridade e seguro social assim decidiu. Ao longo de anos a categoria entendeu ser importante apoiar seus candidatos, pessoas que lutavam a seu lado e, assim, companheiros do PT, do PCdoB, PSTU, PDT, PCO, PCB e PDT foram apoiados de forma correta.
Enquanto os partidos da ‘ordem’ podem ser apoiados por empresas, bancos, latifundiários e multinacionais, como é possível criminalizar uma entidade sindical que soberanamente, em seus fóruns, decidiu apoiar candidatos de sua confiança? Um sindicato que nunca teve dinheiro público em seus cofres, que nunca recebeu dinheiro de Imposto Sindical ou FAT. Sim, a acusação é política, a desconstrução é política...
Quero declarar que não me intimidarei, que não recuarei da luta, que não abaixarei minha cabeça, que não aceitarei que minha dignidade seja avaliada pelo Estado ou por seus “comprados”. Me orgulho do mandato que fiz na ALERJ, me orgulho de ter lutado ao lado do povo pobre e dos trabalhadores. Se lá continuasse, faria exatamente as mesmas coisas que fiz, não me envergonho de nada. Nenhuma “testemunha comprada”, nenhuma fita adulterada, colocada fora do contexto, vai cassar minha dignidade. Eu me manterei lutando.
Sou muito pequena e impotente para operar com forças tão poderosas: governos, empreiteiras, mídia. Forças que têm mais recursos para continuar operando contra mim a desconstrução covarde que iniciaram na ALERJ, mas não temo, sou cristã, tenho um Deus Poderoso e muito maior do que qualquer Estado. Nossa história é de gigantes derrotados, exércitos de 300 sobrepujando forças descomunais. Não temo, não confio na justiça dos homens, mas tenho uma fé inabalável na justiça divina. Vocês não têm como me derrotar, minha vitória não está ao alcance de vocês."
Rio de Janeiro, 15 de julho de 2015
Janira Rocha

2 comentários:

  1. Janira Rocha porque o Deputado Estadual do Psol,dos direitos humanos que não sabemos de quem,Marcelo Freixo,jamais lhe apoiou,pelo contrário,lhe marretava direto.Quando a pessoa incomoda,faz a diferença,e uma certeza,seu caráter ninguém comprou.Felicidades.

    ResponderExcluir
  2. Janira eu te amo, Janira eu te amo !!!!!
    Acho que você nunca esquecerá desse grito dos 439 lá em Jurujuba.
    Tenha fé que o Deus do impossível agirá em seu favor !!

    ResponderExcluir

"O Estado não tem poder algum sobre a palavra, as idéias e as convicções de qualquer cidadão dessa República e de profissionais dos meios de comunicação social." (Ministro Celso de Mello - Supremo Tribunal Federal) - Se identifiquem por gentileza, comentar não é crime!MUITO IMPORTANTE: O foco do movimento é a DIGNIDADE. E é para esse objetivo que o blog existe. Por isso, comentários que não compartilhem do mesmo objetivo poderão ser removidos. Não podemos publicar ofensas! Não insista! Defenda sua ideia ou crítica de forma respeitosa.