domingo, 5 de julho de 2015

Deputado Daciolo IRRITA policiais e militares em geral e é duramente atacado nas redes sociais por seu posicionamento contra a redução da maioridade penal

Cabo Daciolo recebe centenas de reclamações pelo seu posicionamento contra a redução da maioridade penal e acaba divulgando três vídeos para se explicar.

Fonte: Revista Sociedade Militar

Vivemos em uma democracia, ninguém é obrigado a corresponder a 100% das minhas convicções políticas. Pessoalmente discordo de Daciolo na questão da redução da Maioridade Penal, tenho vários argumentos para isso, e além de já ter trabalhado com adolescentes como cientista social, tenho 3 filhos, dois adultos e um adolescente. Portanto, sei muito bem que um jovem de 16 anos de idade tem total condições de avaliar uma situação e decidir qual caminho tomar. 
Acreditamos que o referido político se equivocou sim e, pelo menos nesse quesito, não representou bem seus eleitores e merece sim as críticas. Contudo, isso não significa que passaremos a boicotá-lo, ele tem defendido corajosamente algumas bandeiras que ninguém quer carregar, como PEC 300, carreira única, redução de jornada de trabalho e reajuste para os militares federais.
Em seu último vídeo o Deputado Cabo Daciolo disse o seguinte:  
” Sou CONTRA a Redução da Maioridade Penal, porém a favor da punição de forma igualitária para todos que cometerem crimes hediondos. (ADOLESCENTES OU ADULTOS… Queria agradecer o debate de hoje… os jovens infratores que cometem crimes de estupro e homicídio doloso tem que pagar sim pelo crime que cometeu assim como um adulto. Com essa proposição como é que ficam os jovens de 15, 14 e 13 anos que cometem crimes, qual é a solução que estão nos dando? Nenhuma. Eles estão só mentindo. Por isso eu estou falando para os senhores que não tem possibilidade de nós fazermos justiça reduzindo a maioridade penal…” O vídeo está AQUI
Obviamente só pode ocorrer punição de forma igualitária, que Daciolo diz defender, se a redução da maioridade for aprovada. Portanto, a colocação de Daciolo está um tanto quanto confusa.
SnapCrab_NoName_2015-7-3_21-36-17_No-00
Ontem recebemos vários e-mails nos questionando sobre o fato de divulgarmos as ações de Daciolo em favor das demandas de militares das Forças Armadas. Esse texto é construído para uma reflexão sobre essa questão, sobre representação política e o que os militares esperam de seus representantes. (Na correria vai sem revisão mesmo.)
Nos parece que algumas pessoas, em pleno séc. XXI, só admitem ser representadas por alguém que corresponda 100% ao seu posicionamento político. Na visão dessas pessoas, para que Daciolo tivesse o direito de carregar até o Ministério da Defesa um papel pedindo reajuste para os militares ou pedindo modificações em planos de carreira, ele primeiro teria que ser aprovado em algo como um questionário padrão, que o definisse como um político conservador, ou 100% de direita.
Os militares brasileiros foram extremamente eficazes na ação que perpetraram para evitar que o Brasil de tornasse um país comunista. Essa ação com toda certeza também livrou as Américas como um todo da fúria stalinista que se alastrava pelo planeta. Contudo, passaram-se já mais de 50 anos desde 1964, e o Brasil não precisaria reviver nessa década, em pleno séc. XXI, uma espécie de guerra fria. Ha pessoas que enxergam o país de forma extremamente maniqueísta, acham que 100% dos eventos estão relacionados a luta entre o bem e o mal, direita e esquerda.  
Hoje o país é governado por um partido de esquerda, o Comandante em Chefe das Forças Armadas é uma militante de esquerda. O Ministro da Defesa é membro de um partido de esquerda e tem franca simpatia por personagens que lutaram contra os militares. Essa questão fica muito mais complicada porque os próprios militares em esmagadora maioria se declaram anti-esquerda. Se permanecerem durante todo o tempo em uma postura de confronto contra qualquer um que eventualmente tenha uma ou outra posição que possa ser interpretada como de esquerda, ou progressista, qualquer negociação falece ainda na gestação.
Ainda que o PSOL se auto-denomine como antro da esquerda pensante, certamente por ânsia de votos, permitiu que o Cabo Daciolo concorresse debaixo de sua sigla. Daciolo é um militar com convicções que não se alinham com a esquerda e muito menos com a direita. Benevenuto Daciolo parece ter uma postura independente, não construída cm base em paradigmas políticos. Ele com toda certeza não age de acordo com uma receita prescrita de posicionamento político.
Na verdade nenhuma pessoa sensata age de acordo com receitas pré-escritas há mais de 50 anos, construídas em contextos completamente diferentes. Nem mesmo aqueles que são vistos como radicais agem assim. Flavio Bolsonaro, deputado carioca, da família Bolsonaro, considerada radical de direita, luta pela flexibilização dos regulamentos da polícia militar. É uma postura progressista, nada conservadora. Será agora odiado pela “direita” por isso?
Temos que estar atentos, as coisas se modificaram. De algumas décadas para cá o esquerdismo deixou de ser apenas um posicionamento político-econômico, e passou a se definir, acima de tudo, como a defesa de pautas culturais progressistas. O sujeito a defender não é mais o proletariado, agora a esquerda patrocina minorias, negros, gays, empregados oprimidos e todos aqueles que se auto-declaram como perseguidos, prejudicados etc.
Daciolo essa semana declarou, para ódio das camadas superiores das Forças Armadas e Auxiliares, que defende uma carreira única para os militares. É tudo uma questão de ponto de vista. Para a oficialidade da polícia carioca, a posição do cabo é quase uma ofensa, e revanchista. Para os graduados é uma proposta justa. O deputado acredita que todos deveriam ingressar como soldados com chances iguais de ascender até os maiores postos. Esse é o tipo de posicionamento caracterizado como esquerdista, revolucionário. A visão é a mesma quando se observa o que ocorreu no inicio de junho, quando o referido deputado visitou quartéis de bombeiros por todo o estado do Rio, conversando com militares graduados.
Em Campos Daciolo chegou a prestar queixa em uma delegacia, o comandante da unidade não permitiu que entrasse.
Por outro lado, o cabo-deputado defende que o Ministério da Defesa seja ocupado por um militar de carreira. Em entrevista declarou, em relação a descriminalização do aborto, o casamento civil igualitário e a legalização da maconha, que sua posição seria de acordo com a Bíblia sagrada. Ele também é contra a desmilitarização das polícias.  E ainda essa semana iniciou a tramitação de sua PEC que coloca Deus na Constituição Federal de 1988.
Essas posições poderiam ser vistas como bastante conservadoras não é mesmo?
O militar – subalterno – cristão – deputado assume vários posicionamentos, que juntos não se enquadram em nenhuma categorização política. Exactamente como qualquer brasileiro da atualidade.
Nessa quarta-feira, o deputado, que defende a PEC 300 e também os policiais acusados de assassinar o Amarildo, após votar contra a redução da maioridade penal foi atacado duramente por militares nas redes sociais. Ao que parece a maioria dos militares esperava que votasse a favor da redução da maioridade penal.
O deputado publicou uma resposta: As minhas convicções sobre a Maioridade Penal sempre foram públicas e sinceras. O meu compromisso é com Deus e com o povo brasileiro. Não me dobrarei ao sistema corrupto.
Nesse mesmo dia, em que votou contra a redução da maioridade penal, o deputado Daciolo liderou uma concentração de militares das Forças Armadas.
Até Daciolo “aparecer” há alguns meses, os militares tinham Jair Bolsonaro como seu principal ‘porta-voz”. Mas, como Bolsonaro é persona non grata nos corredores “esquerdistas” do planalto, parece que, por uma questão obvia, permaneceu longe das negociações salariais. Os parlamentares, por força do artigo 61 da CF de 1988, não podem apresentar projetos para reajustes salariais e planos de carreira para militares federais. A única coisa que podem fazer é pressionar politicamente o executivo para que apresente uma proposta a ser votada no congresso. O que para nós significa que os militares federais são cidadãos “meio-representados”, já que o parlamento não pode apresentar demandas em relação as suas maiores preocupações, salário e carreira.
No último mês Daciolo convocou ativa e reserva para uma manifestação em frente ao Congresso Nacional, conseguiu reunir quase 300 pessoas. Essa foi a primeira convocação de que se tem notícia para militares da Ativa e Reserva comparecerem a uma reunião pública. Mesmo sabendo que Ativa e Reserva foram convocados, Jaques Wagner considerou o movimento como legal e até mandou um representante até o local para ouvir as queixas dos militares.
Como não houve nenhum sinal de repressão, certamente nos próximos eventos haverá mais pessoas.
Nesse espaço mencionamos e citamos questões e pessoas que de diversas formas são ligados aos assuntos que nos interessam. Assim como Daciolo citamos uma infinidade de políticos e “não políticos”, e isso, obviamente, não significa que sejamos seus partidários.
JBGRANDE4-0-45_No-00
Em relação a representação política é preciso inteligência. Não se pode descartar alianças importantes ou atirar no esquecimento todas as virtudes das pessoas pelo fato delas eventualmente infringirem uma única regra da nossa longa lista de expectativas políticas. O ex-presidente do STF, além de Daciolo, é um caso emblemático do que falamos aqui. Barbosa, assim como Benevenuto Daciolo, tem sido chamado de comunista, traidor etc por fazer declarações públicas contra a redução da maioridade.

7 comentários:

  1. Ele foi eleito para representa seus eleitores e não para fazê vale suas convicçõe!!! Não esqueça suas raízes deputado.

    ResponderExcluir
  2. O elegemos justamente por ser uma pessoa que defende suas convicções doa a quem doer, uma pessoa de carater integra nas suas decisões. Estamos cansados de políticos que vão para onde o vento leva ou melhor para onde a barganha é maior, quem conhece o daciolo sabe a pessoa que é, a prova maior disso ( entre outras que estamos acostumados a ver) foi quando mesmo correndo o risco do partido caçar o seu mandato ele permaceu fiel ao seu ideal que é poder fazer um pais um pouco melhor para todos nós, quem dera se todos os políticos tivessem essa postura ao invés de ficarem se vendendo, acho que o problema é que estamos tão acostumados a ver politicos que não prestam que quando aparece alguem diferente agente nem acredita que isso possa ser verdade.um grande abraço daciolo e que continue sendo essa pessoa que é. Deus te ama. E antes que alquem possa dizer que sou a esposa dele ou alguem da familia, não sou não, sou apenas um eleitor.

    ResponderExcluir
  3. O texto é muito ruim....mas o ápice mesmo...é o desfecho quando há uma tentativa esdrúxula d comparar o ministro Joaquim Barbosa c o cb politico Daciolo. Bizarro! É incomparável..acho até uma afronta comparar o ex presidente d STF, Joaquim Barbosa, com um politico raso, despreparado e mimado como Cb politico Daciolo...haja vista o abismo q os separa no q diz respeito as qualidades intelectuais, eticas e morais. Outra aberraçao é ignorar o fato de q o ministro Joaquim nao foi eleito pelo povo, nao representa o povo...diferentemente do confuso cb politico deputado q nao esta ali p representar suas convicçoes mas os interesses e as necessidades dos policiais, bombeiros...da seg. Publica q o elegeu (quase q absolutamente) e do povo. Os parlamentares nao representam SEUS interesses (pelo menos deveria ser assim) mas os interesses d povo q na sua maioria (cerca d 87%), por exemplo, apoiam a reduçao d maioridade penal. Talvez seja muito complexo entender, mas com alguém mais capacitado ou um bom desenhista vc entenderá....De qq maneira, boa sorte...e so mais uma coisinha: quando for defender seus pontos de vista, mais uma vez, pelo amor d seu deus, estude um pouco..e use pelo menos argumentos razoáveis pq ta feio e cômico (senao fosse tragico) ter q ouvir as idiotices que vossa excelencia cb politico Daciolo profere. DEUS está n controle mas vossa excelencia tem q estudar e muitoooooo...

    ResponderExcluir
  4. SIM À REDUÇÃO DA MAIORIDADE PENAL!


    Policiais Militares do Rio de Janeiro morrem por um vencimento inferior ao Salário Mínimo Necessário!

    Todo mundo quer maior qualidade na segurança pública, mas para melhorar a qualidade será imprescindível melhorar a questão salarial, ou seja, valorizar o Policial Militar com uma remuneração digna.

    O Salário Mínimo Necessário foi calculado pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE) em R$ 3.377,62 (três mil, trezentos e setenta e sete reais e sessenta e dois centavos) no mês de Maio de 2015, de acordo com o inciso IV do artigo 7º da Constituição Federal de 1988 ("salário mínimo, fixado em lei, nacionalmente unificado, capaz de atender a suas necessidades vitais básicas e às de sua família com moradia, alimentação, educação, saúde, lazer, vestuário, higiene, transporte e previdência social, com reajustes periódicos que lhe preservem o poder aquisitivo").

    http://www.dieese.org.br/analisecestabasica/salarioMinimo.html

    O adicional de periculosidade para profissionais de segurança pública foi aprovado!

    A Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado da Câmara dos Deputados aprovou o Projeto de Lei 193/15, que garante aos integrantes do sistema de segurança pública de todo o País o adicional de periculosidade. Pelo texto, cada estado vai estabelecer o valor do adicional, desde que observado um percentual mínimo de 30% sobre a remuneração total. Acrescido dos 30% de Adicional de Periculosidade (R$ 1.013,28), o valor do Piso Salarial da categoria deveria ser fixado em R$ 4.390,90 (quatro mil, trezentos e noventa reais e noventa centavos). O menor vencimento deve ser igual ou superior ao referido valor.


    "QUEM VIVE PARA PROTEGER, MERECE RESPEITO PARA VIVER." NÃO HÁ JUSTIFICATIVA PARA OS BAIXOS SALÁRIOS DOS SERVIDORES MILITARES NO RIO DE JANEIRO! POLICIAL MILITAR DESMOTIVADO SIGNIFICA SEGURANÇA PÚBLICA AMEAÇADA.

    ResponderExcluir
  5. Quem redigiu esse texto?
    O movimento SOS Bombeiros está se perdendo em tentar agradar todo mundo. O movimento que lutou e viu sangrar centenas de bombeiros, SEMPRE LUTOU CONTRA A DITADURA IMPOSTA NO CBMERJ, agora publica um texto parabenizando os MILITARES QUE FIZERAM PARTE DA HISTÓRIA MAIS SANGRENTA DO NOSSO PAÍS.
    Somos bombeiros e não políticos em busca de voto. OU MUDOU?

    ResponderExcluir
  6. Achei o texto bom, realmente o Daciolo erra nesse ponto, acho que deveria apoiar a redução. Mas, isso não significa que as coisas boas que ele fez serão apagadas. Quanto a ajudar os militares federais, acho correto, eles estão também na pior.

    ResponderExcluir
  7. Oi amigos , sou GEORGE DA COSTA VERDE , eu sou contra mudar idade para poder punir criminosos, sou favorável que a lei seja aplicada para todos que pratiquem crimes independente de idade, raça , cargo político, classe social e etc , não há pessoas acima da lei . ISSO É O QUE EU GOSTARIA DE VER NA TV ,BANDIDO PRESO , INERENTE A IDADE.
    O nosso problema é não respeitar a opinião dos outros , cada um pensa de uma maneira,, fiquem em PAZ .

    ResponderExcluir

"O Estado não tem poder algum sobre a palavra, as idéias e as convicções de qualquer cidadão dessa República e de profissionais dos meios de comunicação social." (Ministro Celso de Mello - Supremo Tribunal Federal) - Se identifiquem por gentileza, comentar não é crime!MUITO IMPORTANTE: O foco do movimento é a DIGNIDADE. E é para esse objetivo que o blog existe. Por isso, comentários que não compartilhem do mesmo objetivo poderão ser removidos. Não podemos publicar ofensas! Não insista! Defenda sua ideia ou crítica de forma respeitosa.