segunda-feira, 10 de agosto de 2015

Cresce no Brasil o número de escolas básicas públicas geridas pela PM

Mascar chiclete é transgressão leve. Usar óculos com lentes ou armações de "cores esdrúxulas" também, segundo o regulamento disciplinar dos colégios da Polícia Militar de Goiás. 



São transgressões médias: sentar-se no chão fardado, espalhar boatos, deixar de prestar continência ou de cortar o cabelo no estilo escovinha. 

Já "manter contato físico que denote envolvimento amoroso" (beijar) ou se meter em rixa são faltas graves. O aluno perde pontos a cada quebra de regra. Quem não se adéqua é transferido.



Na última semana, oito colégios goianos voltaram das férias nesse molde, o que fez com o que Estado pulasse de 18 para 26 colégios militares. Considerado um retrocesso por alguns educadores, o sistema que mantém policiais na direção das escolas está em expansão em Goiás. O governador Marconi Perillo (PSDB) pretende acabar o ano com 24 novas instituições. 
Segundo a polícia, o modelo melhora o desempenho dos alunos (em nove Estados os colégios ficaram em 1o entre as estaduais no Enem ). 

O Brasil possui atualmente 93 instituições de ensino da PM. Neste ano, Minas criou mais duas, chegando a 22 –elas atendem mais de 20 mil alunos. A Bahia, com 13, deve abrir mais quatro. 

Em Goiás, o comerciário Ricardo Cardoso, 41, que tem duas filhas em escolas da PM, quer colocar a terceira na instituição em 2016. A maioria das vagas é preenchida por sorteios. "O nível dessas escolas é muito melhor." 

Sua filha Júlia, 17, diz gostar do colégio Hugo Ramos, mas reclama da rigidez. "Um ou outro PM é rude. Mas a maioria é aberta." Para o pai, os alunos têm "voz ativa". "Sempre que minha filha reclamou, deram resposta. Adolescentes reclamam de tudo."


ESCOLAS DA PM 

Modelo de colégios dirigidos por policiais está em expansão no país 

Fonte: secretarias Estaduais de Educação 

Aluno do terceiro ano do colégio Miriam Ferreira, que se tornou militar na semana passada, Douglas Fleury, 17, diz aprovar a mudança devido ao uso de drogas dentro da escola. O problema, para ele, pode ser a farda. "Alguns não vão ter como comprar." 

A PM diz dar a farda (varia de R$ 400 a R$ 700) em alguns casos. Os pais pagam ainda mensalidades (de R$ 80 a R$ 110), não obrigatórias. 

Para não desfalcar efetivo, a PM recorre a oficiais da reserva, que ganham adicional. Os docentes são civis –em outros Estados, alguns são militares– e ganham bônus de produtividade. 

Diretor de colégio de Anápolis (GO), o sociólogo e capitão da PM Sirismar Silva diz que a polícia nas escolas não é ideal. "Mas é bom ouvir dos pais que seus filhos tiveram a vida mudada para melhor." 

"Isso tem sabor de retrocesso", diz Ieda Leal, do Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Goiás. Ela chama a medida de terceirização. 

Para Maria Augusta Mundim, da Faculdade de Educação da federal de Goiás, o método é autoritário. "Cai por terra busca por autonomia e de construção de identidade." 



ESCOLAS DA PM 

Modelo de colégios dirigidos por policiais está em expansão no país 


COMO FUNCIONAM? Alunos têm de comprar farda, prestam continência e falam "senhor" e "senhora". Descuidos com a higiene podem causar punição. São ensinadas "noções de cidadania" em sala de aula. Há professores PMs, mas a maioria é de civis. Os diretores pertencem à corporação. Estudantes que se destacam ganham condecorações, mas quem não se adapta é transferido 

PRÓS Segundo as polícias, a disciplina melhora o desempenho
dos alunos em provas como o Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica) e o Enem. É o melhor modelo para colégios localizados em áreas violentas, onde há tráfico de drogas e prostituição, de acordo com a PM 

CONTRAS Para educadores, o modelo padroniza comportamentos, inibe questionamentos e impede que se crie uma perspectiva crítica nos alunos. Sindicatos consideram uma forma de terceirização da educação 

93 é a quantidade de escolas da PM no país
109 número estimado de escolas até o final do ano 

9 Estados tiveram escolas da PM em 1o lugar no Enem 2014 entre as estaduais


4 comentários:

  1. Absurdo!!! Já é absurdo o militarismo com sua doutrinação de obediência que não dá vez para questionamentos, quem dirá querer impôr isto a crianças... educar está muito longe de restringir liberdades.
    Condenável essa atitude que os Estados estão tomando em militarizar o ensino.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ao cidadão ( ã ), a educação Militar somente visa somente resgatar a identidade que outrora o Brasil já teve, ou seja patriotismo, educação e respeito ao próximo.Tenho 40 anos e em meu tempo de escola ainda formávamos nos pátios para cantar com orgulho o hino nacional, meninos e meninas formavam separadamente e o respeito aos inspetores e professores não se faltava. Você se lembra das aulas de OSPB e Moral e Cívica ? Tenho certeza que muitos nem sabem o que significou estas disciplinas, porém foi através das mesmas que aprendi a valorizar o meu País e a respeitar o meu semelhante. Nas escolas de hoje são os alunos que ditam as regras, o professor já não se faz temido e tudo mais, no militarismo ainda existe a hierarquia e disciplina e nele aprendi um velho ditado " OBEDECER É TÃO NOBRE QUANTO COMANDAR ". Peço que entende que o ensino ministrado continua sendo o mesmo implantado pelo MEC, porém com postura e conduta Militar que tem sido o grande diferencial e não essa ideologia de gêneros que estão querendo introduzir em nossas escolas de hoje.

      Excluir
    2. Ao cidadão ( ã ), a educação Militar somente visa somente resgatar a identidade que outrora o Brasil já teve, ou seja patriotismo, educação e respeito ao próximo.Tenho 40 anos e em meu tempo de escola ainda formávamos nos pátios para cantar com orgulho o hino nacional, meninos e meninas formavam separadamente e o respeito aos inspetores e professores não se faltava. Você se lembra das aulas de OSPB e Moral e Cívica ? Tenho certeza que muitos nem sabem o que significou estas disciplinas, porém foi através das mesmas que aprendi a valorizar o meu País e a respeitar o meu semelhante. Nas escolas de hoje são os alunos que ditam as regras, o professor já não se faz temido e tudo mais, no militarismo ainda existe a hierarquia e disciplina e nele aprendi um velho ditado " OBEDECER É TÃO NOBRE QUANTO COMANDAR ". Peço que entende que o ensino ministrado continua sendo o mesmo implantado pelo MEC, porém com postura e conduta Militar que tem sido o grande diferencial e não essa ideologia de gêneros que estão querendo introduzir em nossas escolas de hoje.

      Excluir
  2. Liberdade para vc é comprar e vender drogas na escola, cheirar, fumar e dar porrada nas professores é maravilhoso, beijar na boca e se lamberem durante as aulas é normal né? É por causa desses educadores modernos é que o Brasil está desse jeito.

    ResponderExcluir

"O Estado não tem poder algum sobre a palavra, as idéias e as convicções de qualquer cidadão dessa República e de profissionais dos meios de comunicação social." (Ministro Celso de Mello - Supremo Tribunal Federal) - Se identifiquem por gentileza, comentar não é crime!MUITO IMPORTANTE: O foco do movimento é a DIGNIDADE. E é para esse objetivo que o blog existe. Por isso, comentários que não compartilhem do mesmo objetivo poderão ser removidos. Não podemos publicar ofensas! Não insista! Defenda sua ideia ou crítica de forma respeitosa.