quarta-feira, 19 de agosto de 2015

Saúde e segurança do Rio devem receber R$ 200 milhões anuais até 2018

Saúde e segurança pública devem receber novos aportes orçamentários a partir do ano que vem. Cada uma das áreas contará com mais R$ 100 milhões anuais até 2018. A transferência de recursos se dará por meio de emendas parlamentares. O mecanismo foi decido durante encontro suprapartidário, realizado nesta segunda-feira (17/8), no Palácio Guanabara. Trinta sete parlamentares, entre eles o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, debateram com o governador Luiz Fernando Pezão e com o vice-governador Francisco Dornelles alternativas para promover avanços em ambos os segmentos diante do cenário econômico brasileiro.



"O encontro foi bastante proveitoso. Este é o momento de somarmos recursos para saúde e segurança, e de solicitarmos mudanças de leis que nos auxiliem no combate à criminalidade. Quero agradecer a prontidão e a pró-atividade que a bancada do Rio está tendo conosco, neste momento difícil pelo qual passam todos os estados", afirmou Pezão.

Os secretários de Estado Felipe Peixoto (Saúde) e José Mariano Beltrame (Segurança) deverão ir à Brasília, já na próxima semana, para detalhar projetos aos deputados e senadores da bancada do Rio.

"Vamos apresentar, por exemplo, projetos dos novos hospitais Rocha Faria (Zona Oeste); da Baixada; e Azevedo Lima (Niterói), além da compra de equipamentos para o Hospital Regional do Sul e do Médio Paraíba (Volta Redonda). Na segurança, detalharemos pedidos referentes à alteração de legislação e recursos", explicou Pezão.

O governador, os 36 deputados e o senador conversaram ainda sobre a possibilidade de transferência do valor de parte das emendas individuais de caráter impositivo, que chegam a R$ 16 milhões (por parlamentar), para atender às demandas estaduais.

"As emendas de bancada têm sido uma ilusão. Por isso, precisamos dar uma solução para, de fato, canalizar recursos para áreas sensíveis", afirmou Cunha, destacando a importância de os parlamentares e governantes apoiarem as ações das forças federais nas fronteiras para evitar a entrada de armamento no país.

A pauta também incluiu pleitos como a redução de benefícios judiciais a presos que praticaram crimes hediondos; o agravamento da pena para o porte de armas de guerra; além da criação de uma cota constitucional ou um fundo para investimentos na área.

Ainda esta semana, o deputado federal Hugo Leal, coordenador da bancada do Rio, se reunirá com outros congressistas para discutir o repasse do valor de emendas individuais, que são de aplicação obrigatória. A expectativa é que, somente em emendas parlamentares na área da saúde e emendas impositivas, o montante chegue a R$ 350 milhões.

"O momento é de estabelecer prioridades, mas também de oportunidades porque o Rio de Janeiro tem uma boa referencia hoje no Legislativo. Agora vamos discutir a possibilidade de direcionar parte das emendas individuais de aplicação obrigatória", afirmou Hugo Leal.

FONTE: JB

7 comentários:

  1. CAS e CHOAE, por turma de CFS e pronto sosbombeiro.com. É isso. Não ira prejudicar nenhum sargento cursado.

    ResponderExcluir
  2. Me dizem uma coisa!!!!Não já se passaram 3 anos????
    Voces se lembram?????

    Fonte: http://g1.globo.com/economia/negocios/noticia/2011/05/bradesco-compra-berj-e-vai-operar-folha-de-pagamento-de-servidores.html

    20/05/2011 11h37 - Atualizado em 20/05/2011 19h42
    Bradesco compra Berj e vai operar folha de pagamento de servidores
    Banco arrematou Berj por R$ 1,8 bilhão, segundo governo do RJ.
    Santander, Itaú e Banco do Brasil também participaram de leilão.

    Do G1, em São Paulo
    imprimir

    O governo do Estado do Rio de Janeiro anunciou nesta sexta-feira (20) que o Bradesco arrematou o Banco do Estado do Rio de Janeiro (Berj) e poderá operar por três anos, a partir de 2012, a folha de pagamento dos servidores ativos e inativos do Governo do Estado. Ao todo, o Bradesco vai pagar por R$ 1,8 bilhão.

    O leilão foi realizado nesta sexta-feira e o lance mínimo era de R$ 513 milhões, mas, somando-se a quantia de R$ 374 milhões para a folha de pagamentos, o valor mínimo era R$ 887 milhões. Segundo o governo do estado, levando-se em consideração os imóveis e o acervo cultural que ficam com o Estado, o valor total do banco supera a quantia de R$ 1 bilhão.

    O Bradesco ofereceu R$ 1,025 bilhão pelo banco. Outros três bancos participaram do leilão e deram os seguintes lances, segundo o governo do Rio: Santander, R$ 651.000.000,01; Itáu, R$ 590.022.289,93; e Banco do Brasil – R$ 729.375.000,00.

    O total de R$ 1,8 bilhão que o Bradesco irá desembolsar inclui, além do preço do Berj, a folha de pagamentos do Estado e outras despesas da operação. Com o arremate, o Bradesco recebe um crédito fiscal de R$ 3 bilhões.

    Segundo o secretário-chefe da Casa Civil, Regis Fichtner, o ágio de quase 100% (99,8%) sobre o valor mínimo ultrapassou todas as expectativas. "É uma grande vitória para o Estado. É uma demonstração de confiança no Estado do Rio de Janeiro, porque quatro grandes bancos brasileiros disputaram um banco em liquidação e a folha de pagamentos do Estado do Rio de Janeiro. Foi uma disputa acirrada, o Bradesco ganhou. O resultado deste leilão importa com o preço da folha de pagamentos, que chega a quase R$ 1,9 bilhão", disse, em comunicado divulgado pelo governo do Estado.

    Procurado pelo G1, o Bradesco confirmou a compra mas ainda não deu detalhes sobre a aquisição.

    A assinatura do contrato deve ocorrer em cinco dias. Na ocasião, está previsto o pagamento de 20% do valor total da compra do Berj mais a folha de pagamento dos servidores. Segundo o governo do Rio, a segunda parcela deverá ser paga daqui a 150 dias.

    O Berj é a parte que restou do Banerj que não foi vendida ao Itaú e foi posta em liquidação pelo Banco Central em 1996 e que no início desta década voltou para o governo do Estado do Rio

    Segundo o governo do Rio, foram excluídos da venda o “Banerjão” – edifício no Centro da cidade que foi sede do banco –, avaliado em R$ 86 milhões, e um terreno na Avenida Paulista, comprado nos anos 70, que vale R$ 60 milhões. O governo também prevê a manutenção do acervo cultural do Berj, estimado em R$ 11 milhões, que inclui obras de Di Cavalcanti, Alfredo Volpi e Anita Malfati.

    Aos atuais acionistas minoritários do Berj será pago o valor dos imóveis desapropriados na proporção de sua participação no capital social.

    A folha de pagamento dos servidores ativos, inativos e pensionistas do governo do Estado do Rio reúne cerca de 430 mil contas.

    ResponderExcluir
  3. A valorização dos profissionais de segurança pública é essencial!

    Todo mundo quer maior qualidade na segurança pública, mas para melhorar a qualidade será imprescindível melhorar a questão salarial, ou seja, valorizar o Policial Militar com uma remuneração digna. Os Policiais Militares do Rio de Janeiro morrem por um vencimento inferior ao Salário Mínimo Necessário!

    O Salário Mínimo Necessário foi calculado pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE) em R$ 3.377,62 (três mil, trezentos e setenta e sete reais e sessenta e dois centavos) no mês de Maio de 2015, de acordo com o inciso IV do artigo 7º da Constituição Federal de 1988 ("salário mínimo, fixado em lei, nacionalmente unificado, capaz de atender a suas necessidades vitais básicas e às de sua família com moradia, alimentação, educação, saúde, lazer, vestuário, higiene, transporte e previdência social, com reajustes periódicos que lhe preservem o poder aquisitivo").

    http://www.dieese.org.br/analisecestabasica/salarioMinimo.html

    O adicional de periculosidade para profissionais de segurança pública foi aprovado!

    A Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado da Câmara dos Deputados aprovou o Projeto de Lei 193/15, que garante aos integrantes do sistema de segurança pública de todo o País o adicional de periculosidade. Pelo texto, cada estado vai estabelecer o valor do adicional, desde que observado um percentual mínimo de 30% sobre a remuneração total. Acrescido dos 30% de Adicional de Periculosidade (R$ 1.013,28), o valor do Piso Salarial da categoria deveria ser fixado em R$ 4.390,90 (quatro mil, trezentos e noventa reais e noventa centavos). O menor vencimento deve ser igual ou superior ao referido valor.

    "QUEM VIVE PARA PROTEGER, MERECE RESPEITO PARA VIVER." NÃO HÁ JUSTIFICATIVA PARA OS BAIXOS SALÁRIOS DOS SERVIDORES MILITARES NO RIO DE JANEIRO! POLICIAL MILITAR DESMOTIVADO SIGNIFICA SEGURANÇA PÚBLICA AMEAÇADA.

    A PEC 300 foi colocada novamente em discussão?

    ResponderExcluir
  4. Quem trabalha se arriscando em prol da coletividade precisa ser reconhecido e valorizado com um bom salário.

    O dinheiro é um instrumento de troca, é a forma material do princípio de que os homens que querem negociar uns com os outros precisam trocar um valor por outro. O dinheiro é a energia dos homens que produzem, só se torna possível por intermédio deles. Quem aceita dinheiro como pagamento por seu esforço só o faz por saber que será trocado pelo produto do esforço de outrem. A sua carteira afirma a esperança de que em algum lugar no mundo ao seu redor existam homens que não traem aquele princípio moral que é a origem do dinheiro.

    ResponderExcluir
  5. E o salário vai continuar anão.

    ResponderExcluir
  6. Com essa verba toda o governo e comando geral aumentará o número de prog. Não fará concurso para cfsd e muito menos valorização salarial. Enquanto bombeiro continuar se vendendo não conseguiremos o devido respeito.

    ResponderExcluir
  7. Com essa verba toda o governo e comando geral aumentará o número de prog. Não fará concurso para cfsd e muito menos valorização salarial. Enquanto bombeiro continuar se vendendo não conseguiremos o devido respeito.

    ResponderExcluir

"O Estado não tem poder algum sobre a palavra, as idéias e as convicções de qualquer cidadão dessa República e de profissionais dos meios de comunicação social." (Ministro Celso de Mello - Supremo Tribunal Federal) - Se identifiquem por gentileza, comentar não é crime!MUITO IMPORTANTE: O foco do movimento é a DIGNIDADE. E é para esse objetivo que o blog existe. Por isso, comentários que não compartilhem do mesmo objetivo poderão ser removidos. Não podemos publicar ofensas! Não insista! Defenda sua ideia ou crítica de forma respeitosa.