terça-feira, 15 de setembro de 2015

Confira onde governo cortará gastos e as possíveis receitas para 2016

Para equilibrar contas, Dilma adia reajuste dos servidores federais, suspende concursos e propõe volta da CPMF

Brasília - O governo anunciou ontem um pacote de medidas para equilibrar as contas públicas ano que vem, que inclui a volta da Contribuição Provisória sobre a Movimentação Financeira (CPMF) e cortes de gastos do governo, como o congelamento do reajuste de salários dos servidores federais e a suspensão dos concursos públicos.
As medidas foram anunciadas quinze dias após o governo ter enviado ao Congresso Nacional proposta de orçamento com déficit de R$ 30,4 bilhões. As novas medidas também precisarão ser aprovadas do Congresso.

Entre a redução de despesas e o aumento de receitas, a expectativa do governo é obter R$ 64,9 bilhões, de modo a fechar 2016 com as contas equilibradas. O objetivo dos cortes é viabilizar superávit primário (economia para pagar os juros da dívida) de 0,7% do Produto Interno Bruto (PIB, soma dos bens e riquezas produzidos em um país) no ano que vem.
As medidas foram anunciadas ontem pelos ministros da Fazenda, Joaquim Levy, e do Planejamento, Nelson Barbosa, em entrevista no Palácio do Planalto. 
Entre as medidas para aumentar a receita estão previstas a retomada da CPMF por quatro anos, com alíquota de 0,2%, e o aumento de alíquota para o Imposto de Renda Pessoa Física (IRPF) sobre ganho de capital progressivo, cobrado na venda de bens, como um imóvel.
Segundo o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, o governo pretende arrecadar R$ 32 bilhões com a CPMF e R$ 1,8 bilhão com o aumento do Imposto de renda. Mas por causa de uma estimativa do governo de redução de R$ 5,5 bilhões na arrecadação, o valor cairá a R$ 28,4 bilhões.

O governo apresentou ainda medidas para redução do gasto tributário, retirando ou reduzindo benefícios. Entre as medidas, haverá redução de 30% no valor transferido para entidades do Sistema S e Serviço de Apoio às Micro e Pequena Empresas (Sebrae).
O ministro Nelson Barbosa apresentou nove medidas que tratam dos cortes para atingir o montante de R$ 26 bilhões no orçamento do ano que vem. 
Segundo o ministro, o governo vai adiar o reajuste do funcionalismo do Poder Executivo Federal de janeiro para agosto, para reduzir R$ 7 bilhões com a medida. Mais R$ 1,5 bilhão será poupado pelo governo com a suspensão de concursos públicos e R$ 1,2 bilhão com a eliminação do abono de permanência, dado aos servidores que atingem as condições de aposentadoria, mas continuam a trabalhar — 101 mil servidores estão nessa condição hoje e outros 123 mil nos próximos cinco anos. 
O governo também anunciou a redução de R$ 8,6 bilhões no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), dos quais R$ 4,8 bi serão no Programa Minha Casa, Minha Vida (MCMV). O governo pretende retirar do Orçamento as despesas com o programa integralmente custeadas pela União e direcionar uma parte para o Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS).
Os outros R$ 3,8 bilhões de redução no PAC virão por meio da mudança no direcionamento de emendas parlamentares. A última medida é a redução na estimativa de gasto com a subvenção agrícola, por meio da qual o governo pretende economizar R$ 1,1 bilhão. (Com Agência Brasil)

Para Firjan, pacote não ataca causa
O pacote de medidas anunciado ontem pelo governo não ataca a causa dos desequilíbrios fiscais que vêm deteriorando a confiança das empresas e das famílias do país, segundo o presidente da Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan), Eduardo Eugênio Gouvêa Vieira.
Para ele, os problemas do Brasil são estruturais. “Há anos gasta-se mais do que se arrecada, criando-se mais impostos para cobrir o buraco das contas públicas”, disse. Ele também criticou o corte do orçamento do Sistema S, que ameaça o trabalho de instituições como Senais e Sesi.

Fonte: O Dia

5 comentários:

  1. Roubaram esse tempo todo que ficaram no pode, agora qem tem que pagar o Rombo e o Trabalhador...Tinha que prender todos eles e saber ra onde foi todo esse dinheiro...isso e uma covardia que estao fazendo com o povo.
    Em 2016 e 2018, espero que nao ae esquecam dessam de todos os Politicos que nos enganaram, principalmente dos partidos PT e PMDB.

    ResponderExcluir
  2. Quando a população vota errado, uma hora conta vem. Pois é, ela veio e veio alta. Que sirva de lição para nas próximas eleições possam votar com a razão e não com a conveniência. Se essa quadrilha está no poder, infelizmente não chegou lá sozinha. E o Pezão vai falar o quê? Que foi a administração passada que deixou o Estado quebrado? Como ele adoraria dar essa desculpa...Só que não tem como, já que ele fazia parte do bando.

    ResponderExcluir
  3. Esta na hora de enriquecer outro partido, pois o pt ja roubou tudo que tinha que roubar, até a água foi roubada. o que nos resta agora?

    ResponderExcluir
  4. JÁ BASTA A SEGURANÇA PUBLICA DO RJ SER O PIOR SALÁRIO DO BRASIL ! JÁ QUE A PEC 300 NÃO SAI , PORQUE A DILMA NÃO ISENTA O DESCONTO DE IMPOSTO DE RENDA DOS POLICIAS E BOMBEIROS , JÁ QUE NÃO TEM EQUIPARAÇÃO OU MELHORIAS DE SALÁRIOS , É UM DESCONTO MUITO ALTO , POIS JÁ AJUDARIA MUITO SE NÃO TIVESSE !!!

    ResponderExcluir
  5. Engraçado que não se fala em corte de mordomias dos parlamentares, fala sério.
    As ações só mexem com benefícios da população.

    ResponderExcluir

"O Estado não tem poder algum sobre a palavra, as idéias e as convicções de qualquer cidadão dessa República e de profissionais dos meios de comunicação social." (Ministro Celso de Mello - Supremo Tribunal Federal) - Se identifiquem por gentileza, comentar não é crime!MUITO IMPORTANTE: O foco do movimento é a DIGNIDADE. E é para esse objetivo que o blog existe. Por isso, comentários que não compartilhem do mesmo objetivo poderão ser removidos. Não podemos publicar ofensas! Não insista! Defenda sua ideia ou crítica de forma respeitosa.