quarta-feira, 11 de novembro de 2015

Alerj estende tempo mínimo para aposentadoria de bombeiros de 28 para 32 anos

Os deputados aprovaram o projeto de lei, de autoria do Executivo 

A Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) aprovou nesta terça-feira, em discussão única, a extensão do tempo mínimo de serviço para a aposentadoria de oficiais do Corpo de Bombeiros (Cbmerj), de 28 para 32 anos. O novo prazo faz parte do Projeto de Lei 262/2015, de autoria do Executivo. Além do aumento do prazo, uma emenda aprovada garantiu que o oficial que passe para a reserva seja promovido ao posto imediatamente superior, como acontece hoje na Polícia Militar. O texto, agora, vai para a sanção do governador.

Uma proposta da deputada Enfermeira Rejane (PCdoB), que equiparava o tempo necessário para a promoção dos oficiais do quadro médico ao dos combatentes, gerou polêmica durante a discussão na Alerj. Hoje, os combatentes ingressam na corporação como soldados e são promovidos a cabo com seis anos de serviço, e a sargento com mais seis. Os enfermeiros entram como cabos, mas precisam de 12 anos para a primeira promoção.

A emenda foi modificada, estabelecendo que a alteração nesses períodos, chamados de interstícios, sejá feita por decreto do governador.

Objetivo é impedir interrupção precoce, diz secretário

O secretário estadual de Defesa Civil e comandante-geral do Cbmerj, coronel Ronaldo Alcântara, disse que o objetivo da extensão do prazo mínimo para a aposentadoria é impedir que a carreira dos oficiais seja interrompida precocemente. “Em compensação, reduzimos a permanência no último posto de seis para quatro anos, porque, dessa forma, vamos dar maior celeridade às promoções”, afirmou.

Em relação à primeira promoção, o presidente da Comissão de Defesa Civil, deputado Flávio Bolsonaro (PP), afirmou que já há consenso para a mudança. “Doze anos é muito tempo. É necessário haver um novo fluxo de carreira”, disse.

FONTE: EXTRA


3 comentários:

  1. Concordo com a qbm 6. Os colegas bancaram seu cursos técnicos no paisano e acho justo 6 anos para 3° Sgt, assim como acho justo também 6 anos em qualquer qbm para a mesma promoção, pois todos nós fizemos o mesmo CFC e não CEFC, por não existir mais o CFS.

    ResponderExcluir
  2. Proponho uma alteração no texto com o intuito de torna-lo mais justo. Ao invés de seis anos na QBM 06, poderiam ser seis anos na graduação de cabo, independentemente da QBMP, pois temos cabos de outras QBMPs que vão ficar 10 anos na mesma graduação, isso também não é injusto?

    ResponderExcluir
  3. Proponho uma alteração no texto com o intuito de torna-lo mais justo. Ao invés de seis anos na QBM 06, poderiam ser seis anos na graduação de cabo, independentemente da QBMP, pois temos cabos de outras QBMPs que vão ficar 10 anos na mesma graduação, isso também não é injusto?

    ResponderExcluir

"O Estado não tem poder algum sobre a palavra, as idéias e as convicções de qualquer cidadão dessa República e de profissionais dos meios de comunicação social." (Ministro Celso de Mello - Supremo Tribunal Federal) - Se identifiquem por gentileza, comentar não é crime!MUITO IMPORTANTE: O foco do movimento é a DIGNIDADE. E é para esse objetivo que o blog existe. Por isso, comentários que não compartilhem do mesmo objetivo poderão ser removidos. Não podemos publicar ofensas! Não insista! Defenda sua ideia ou crítica de forma respeitosa.