quinta-feira, 31 de dezembro de 2015

Praia da Macumba vira campo de treinamento para guarda-vidas

Pela primeira vez, águas do Recreio recebem o curso completo de Salvamento no Mar


Num dos exercícios, saldados ficam de costas para o mar e, ao virarem-se, devem seguir imediatamente para o salvamento - Agência O Globo / Hermes de Paula

RIO - Iniciada na semana passada, a Operação Verão do Corpo de Bombeiros do Rio vai reforçar em 50% o efetivo de guarda-vidas. É esperado que 900 militares atuem na orla de todo o estado diariamente. Em Copacabana, a corporação vai usar, experimentalmente, um drone equipado com boia, para agilizar o processo de salvamento de pessoas em perigo de afogamento. São boas notícias num verão em que, segundo o serviço meteorológico britânico, o aquecimento global, associado a fenômenos naturais como o El Niño, vai provocar aumento na temperatura — e, consequentemente, uma corrida às praias nos países tropicais.

Em um dia de verão, os guarda-vidas chegam a realizar 400 socorros somente na orla carioca. Sem eles, 1/3 dos banhistas em apuros morreria, o que evidencia a importância e a responsabilidade da função. A preparação dos agentes passou a ser ainda mais rigorosa este ano. Pela primeira vez, o Curso de Salvamento no Mar, promovido pelo Grupamento Marítimo do Corpo de Bombeiros, está sendo realizado inteiramente no Recreio. Em março, 300 novos guarda-vidas estarão aptos a zelar pelos banhistas de todo o estado, depois de oito meses de exercícios no mar revolto da Praia da Macumba.

— Os alunos eram formados na Barra e, muitas vezes, trazidos à Praia da Macumba porque este é um local onde existe todo um misticismo que envolve a linha de arrebentação. É que aqui ela parece não ter fim, e o volume das águas é grande, o que costuma deixá-los apavorados. Este ano, decidimos trazer todo o curso para o Recreio, mas os candidatos também vão passar pela Zona Sul e por Niterói para conhecerem outras áreas operacionais. É importante entenderem que cada região tem um tipo de público e características distintas — explica o coronel Marcelo Pinheiro, comandante de Salvamentos Marítimos e diretor do curso.

Acostumados a ver os guarda-vidas de sunga e camiseta trabalhando nas areias, muitos banhistas esquecem que eles integram o Corpo de Bombeiros, o que exige formação militar. E isso faz toda diferença, diz o coronel.

— Os guarda-vidas são militares com especialização em salvamento no mar. Mas estão preparados para qualquer tipo de salvamento em via pública e também para combate a incêndios — observa.

O GLOBO-Barra acompanhou um momento especial no treinamento dos soldados: o dia em que eles receberam dicas do atleta e sea coach Henrique Pistilli, mais conhecido como o Homem Peixe do canal OFF.

ESTRESSE FÍSICO E PSICOLÓGICO

O treinamento do Curso de Salvamento no Mar engloba corridas na areia, natação no mar, primeiros socorros e salvamentos com pranchão, helicópteros, jet-skis, botes aquáticos, lanchas e rescue tubes (flutuadores). A capacitação é feita de segunda a sexta, das 6h45m até meio-dia. O comandante Marcelo Pinheiro conta que os alunos são submetidos a frio, a chuva, sede, fome e dores musculares. Precisam aprender a superar as adversidades, pois, no seu dia a dia, elas serão comuns.

— Chegaram 300 homens para participar do treinamento desta turma, e cerca de cem saíram ou foram desligados. Em seguida, convocamos mais 85 e depois, mais 15. Agora, estamos com 250 homens e vamos ter que fazer mais uma chamada (para completar os 300 necessários). Este é considerado um curso difícil, porque é muito específico: no mar, não há onde se agarrar, como na montanha. O aluno é submetido a estresse físico e psicológico. A saúde tem que estar 100%, e ele precisa se sentir pronto para enfrentar o mar grande — diz.

A carreira tem vários pré-requisitos, salienta o oficial: é preciso saber nadar, ser responsável, zelar pelo asseio pessoal, gostar de interagir com a população e, claro, ter vocação e gostar do trabalho. Pinheiro sustenta que não adianta ser um funcionário regular: é preciso buscar a excelência.

— O bom guarda-vidas não é aquele que faz o salvamento, e sim o que evita que o socorro aconteça. Tem gente que chega aqui pensando que vai aprender a nadar. Lidamos com a vida humana. Os alunos têm que entender o que eles representam para o Corpo de Bombeiros e para a sociedade. Todas as pessoas que estão na areia dependem da eficiência do nosso trabalho, e não há espaço para falhas — afirma.


Ele garante que em nenhum lugar do mundo os guarda-vidas passam por um treinamento como o feito no Rio:

— Colocamos os alunos para transpor a arrebentação na pior condição possível. São muitas etapas até a formatura, e muitos desistem. Todos em algum momento veem a morte. Mas sabemos que ninguém vai morrer, porque o curso tem toda a estrutura e a segurança necessárias, incluindo ambulância.

O aluno Bruno Castello acredita que os candidatos são testados até o limite porque têm de estar dispostos a dar sua vida para salvar outra:

— O maior desafio é o estresse psicológico diário. Somos, por exemplo, colocados de costas e não podemos olhar para o mar. Depois, quando o instrutor apita, temos que sair correndo e entrar, não importa se estamos num banco de areia com a corrente fluindo na direção da terra. É um terror necessário, porque nesta profissão não podemos hesitar.

ENSINAMENTOS DO HOMEM PEIXE

Engenheiro de Produção, professor de Educação Física e pesquisador da Uerj, o aluno Bruno Castello explica que o curso de guarda-vidas também vem sendo útil para complementar sua pesquisa sobre a pedagogia no ensino do surfe, a partir da perspectiva de segurança e autonomia no mar.

Na Macumba, Henrique Pistilli ensina técnicas para os candidatos a guarda-vidas desenvolverem “aquaticidade” e se movimentarem melhor na água - Agência O Globo / Hermes de Paula

Acostumado a ajudar Henrique Pistilli, o Homem Peixe, nos trabalhos que este realiza no Rio, foi Castello quem deu ao coronel Marcelo Pinheiro a ideia de convidar o atleta para ensinar sobre o surfe de peito.

Pinheiro gosta de dizer que conhecimento não ocupa espaço, e aceitou a proposta.

— O surfe de peito combina com a nossa atividade. As vezes, você faz um socorro, entrega a vítima para a aeronave e tem que sair do mar. Saber usar o corpo para fazer isso é uma ajuda grande. É importante utilizar a força da natureza a seu favor. O mar é dinâmico, e o Henrique passou uma visão de integração com o ambiente que é necessária. Quanto menor for o esforço feito para atingir o objetivo, melhor. Nosso trabalho é muito rápido — observa o comandante. — Às vezes, precisamos fazer muita força para ir até a vítima, e é preciso estar bem ao chegar a ela, para conseguir fazer os procedimentos. O Henrique ensinou como fazer para se sair bem ao se deparar com uma situação difícil.

Pistilli costuma dar palestras e fazer consultorias, mas conta que foi a primeira vez que passou seus conhecimentos na praia, a um grupo especializado. Numa segunda-feira ensolarada, ele ensinou aos 250 bombeiros técnicas de equilíbrio, postura e respiração e como desenvolver a “aquaticidade”.

— Estou em estado de graça, e, se pudesse, daria essa instrução toda semana. Foi um grande aprendizado trabalhar com um grupo desse tamanho. Quando eu era adolescente, meu sonho era ser guarda-vidas. Poder fazer isso para a sociedade é muito bom. Quando me fizeram o convite, comecei a tremer. O que me tranquilizou é que o professor é o mar — disse o atleta, logo após o treinamento.

Os alunos aprovaram a performance de Pistilli.

— Gostei muito, principalmente da parte técnica que ele nos passou. Eu me senti estimulada a tentar novas manobras na água — disse Naine Freire da Purificação.

Os 300 guarda-vidas que se formarão em março atuarão em diferentes áreas do estado.

— É muito gratificante formar um grupamento de elite como este — diz, orgulhoso, o comandante Marcelo Pinheiro.

FONTE: O GLOBO

4 comentários:

  1. Gostaria de saber se a LEI6840/14(reajuste dos SOLDOS),continuará em VIGOR?

    ResponderExcluir
  2. Feliz ano novo gmar . turma de 90 fiz parte.

    ResponderExcluir
  3. Pela primeira vez??????
    Quantas turmas já não passaram pela macumba?
    Inclusive em tempo integral??????
    O fantástico mundo do toquinho!

    ResponderExcluir
  4. Moderador pare de boicotar os comentários verdadeiros vamos usar as democracia. O direitos de resposta..nesse. Blog..

    ResponderExcluir

"O Estado não tem poder algum sobre a palavra, as idéias e as convicções de qualquer cidadão dessa República e de profissionais dos meios de comunicação social." (Ministro Celso de Mello - Supremo Tribunal Federal) - Se identifiquem por gentileza, comentar não é crime!MUITO IMPORTANTE: O foco do movimento é a DIGNIDADE. E é para esse objetivo que o blog existe. Por isso, comentários que não compartilhem do mesmo objetivo poderão ser removidos. Não podemos publicar ofensas! Não insista! Defenda sua ideia ou crítica de forma respeitosa.