domingo, 31 de janeiro de 2016

Funcionalismo estadual vai às ruas nesta quarta-feira

Mudança na data de pagamento, parcelamento da segunda metade do 13º salário, aumento da contribuição previdenciária de 11% para 14%, alteração na regra da pensão e falta de reajuste salarial estão entre os muitos motivos que vão levar os servidores estaduais às ruas na próxima quarta-feira às 15 horas, nas escadarias da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj). O movimento é unificado e tem apoio de todos os sindicatos, incluindo da Saúde, Educação, Segurança e do Poder Judiciário.

“Vamos às ruas porque merecemos ser tratados com respeito pelo governo. Não somos culpados pela má gestão do estado e é necessário destacar que o movimento é dos servidores, exclusivamente dos funcionários públicos que estão sendo alvo de diversas mudanças sem qualquer negociação prévia com as categorias”, comentou o integrante da coordenação do SindJustiça, Alzimar Andrade.

Para contar com o apoio do pessoal das escolas da rede, o Sindicato Estadual dos Profissionais de Educação aprovou em reunião do conselho deliberativo uma paralisação de 24 horas na próxima quarta-feira. Não haverá assembleia neste dia, a greve no dia 3 é para que todos os profissionais da Educação tenham a possibilidade de acompanhar a manifestação. O Sepe promoverá sua assembleia no dia 20 de fevereiro.

PONTO FACULTATIVO
O Estado do Rio decretou ponto facultativo nas repartições da capital no próximo dia 5 em função do Carnaval e em todos os municípios nos dias 8 e 10. A Prefeitura do Rio publica no Diário Oficial de amanhã decreto que estipula ponto facultativo nas repartições municipais nos dias 5, 8 e 10 de fevereiro, também por causa do feriadão de Carnaval.

EMENDAS AO PROJETO
A deputada Martha Rocha (PSD) apresentou na Alerj duas emendas para alterar o PL 1.251/2015, de autoria do Executivo, que trata de mudanças nas pensões por morte dos servidores e aposentadorias. Uma exclui das regras as pensões recebidas das Polícias Civil e Militar. A outra impede a redução dos valores das aposentadorias dos policiais civis.

FONTE: O DIA

Um comentário:

"O Estado não tem poder algum sobre a palavra, as idéias e as convicções de qualquer cidadão dessa República e de profissionais dos meios de comunicação social." (Ministro Celso de Mello - Supremo Tribunal Federal) - Se identifiquem por gentileza, comentar não é crime!MUITO IMPORTANTE: O foco do movimento é a DIGNIDADE. E é para esse objetivo que o blog existe. Por isso, comentários que não compartilhem do mesmo objetivo poderão ser removidos. Não podemos publicar ofensas! Não insista! Defenda sua ideia ou crítica de forma respeitosa.