terça-feira, 9 de fevereiro de 2016

Bombeiros vão ajudar no combate ao Aedes ainda este mês

600 homens farão parte do “batalhão” contra o mosquito, segundo Pezão


Vinte carros de combate ao Aedes foram entregues pelo governador a representantes de doze cidades do interior - Gabriel de Paiva / Agência O Globo

O Corpo de Bombeiros vai entrar no combate ao mosquisto Aedes aegypt, na região metropolitana do Rio, a partir da segunda quinzena de fevereiro. Durante cerimônia de entrega de 20 veículos para o combate ao aedes em 12 municípios do interior, na manhã desta quinta-feira, Pezão anunciou a parceria com a corporação e aproveitou para estender o pedido de ajuda às Forças Armadas.

— Serão 600 bombeiros andando dentro das comunidades, entrando em cada casa da região metropolitana em seus dias de folga. Os bombeiros têm uma grande facilidade, são bem recebidos em todos os lugares, é uma corporação estimada que vai nos ajudar muito, acertamos isso com o coronel Alcântara. Pedimos ajuda também ao Exército, às Forças Armadas, a todos que puderem nos auxiliar na luta contra essa grande chaga.

Protesto de ontem foi “justo”

O governador comentou o protesto de quatro mil servidores, que marcharam ontem do Palácio Tiradentes à Cinelândia, muitos usando nariz de palhaço.

— É justo, os servidores querem receber na data certa, mas eu tenho que ter recursos para pagar. Você acha que se eu tivesse recursos eu não pagaria? Quando chegamos ao governo o servidor recebia no 12º dia util. Vou guardar dinheiro para quê? No sétimo dia útil, posso garantir o pagamento. Se melhorar, eu retrocedo, volto para o quinto dia útil, mas hoje não tenho recursos em caixa, não tenho.

“Não me sinto isolado”

Perguntado se está se sentindo isolado diante do receio dos deputados estaduais - inclusive da base aliada - ao seu pacote de ajuste fiscal, o governador respondeu que não. Jorge Picciani, presidente da Alerj, havia chamado de "mal acabado" o projeto do governador contra a crise.

— Não me sinto isolado, tenho contato com o Picciani permanentemente. Ontem mesmo conversei duas vezes com ele. Se ele considera o projeto mal acabado, é só elaborar dentro da Alerj, o projeto está lá, os deputados podem melhorar, o parlamento é para isso. Mas o estado precisa dessas receitas. Fomos o último estado a aumentar imposto, ontem tive uma reunião à noite com mais de 20 tributaristas do estado e expliquei isso. Tive que aumentar no último dia de dezembro, mas valendo a partir de abril.

Pezão disse que, se necerrário, vai conversar com cada um dos 70 deputados para convencê-los da necessidade do seu pacote de medidas.

— Estou conversando com todos os parlamentares, só hoje, aqui, conversei com oito. Se precisar conversar com os 70 individualmente, eu vou conversar, com toda a transparência possível, mostrando os números do estado. Preciso muito deles nesse momento da travessia, nessa discussão dos nossos projetos lá (na Alerj), pra gente botar esse estado cada vez mais de pé.

Ele comentou uma das resistências do legislativo, relacionada a mudandas na contribuição previdenciária de servidores do estado.

— Acho razoável um coronel se aposentar aos 50 anos de idade, tem um trabalho de risco, mas será que em cinco anos, ou quatro, ele não pode contribuir com 0,75% ou 0,6% e ter o mesmo salário de quem está na ativa? O cofre é um só, é isso que quero compartilhar. Não posso querer que a sociedade pague mais impostos. Estou dividindo o ônus. O estado só tem um lugar para tirar recursos: os impostos que a população arrecada. Será que teremos que onerar os impostos todos os anos? Quero fazer esse debate, não impor nada.

Longe da folia

Neste carnaval, o governador vai fugir do Sambódromo. Durante a folia, pretende descansar em um spa para continuar a dieta.

— Vou cuidar da minha saúde, emagrecer, descansar. Duas horas de esteira por dia. Já foram 26 quilos, vou perder os quatro que faltam nesse carnaval.

FONTE: O GLOBO

5 comentários:

  1. Todo projeto que é enviado pelo EXECUTIVO para à ALERJ , ser for mudado ,ou melhorado do ponto de vista dos Deputados, torna-se INCONSTITUCIONAL . Foi assim com Lei 6764/2014 (AUXÍLIO- INVALIDEZ para BMs e PMs ).Os Deputados gostam mesmo é de pura politicagem em ano eleitoral.

    ResponderExcluir
  2. Trabalharmos com gandola no carnaval no calor de 40 graus vamos ver esse conceito vamos pensar em SP os bombeiros trabalharão sem gandola no carnaval parabéns comandante de SP por pensar nos seus bombeiros

    ResponderExcluir
  3. Trabalharmos com gandola no carnaval no calor de 40 graus vamos ver esse conceito vamos pensar em SP os bombeiros trabalharão sem gandola no carnaval parabéns comandante de SP por pensar nos seus bombeiros

    ResponderExcluir
  4. REPORTAGEM DIZ: Bônus por redução de crimes no segundo semestre de 2015 vai ser pago a 11.638 policiais
    Em meio a uma grave crise financeira, o governo do estado terá que pagar quase R$ 64 milhões para policiais civis e militares que conseguiram reduzir os índices de criminalidade no segundo semestre do ano passado. Ao todo, serão 11.638 agentes agraciados com o bônus referente ao Sistema Integrado de Metas. Eles são lotados em 13 batalhões da PM, oito UPPs e 48 delegacias — veja no quatro abaixo.
    A dívida com os servidores da área de segurança, porém, é ainda maior. A premiação do primeiro semestre, totalizando R$ 184 milhões, ainda não foi paga, e até agora não há data definida para a quitação.
    Em ambos os casos, os valores foram calculados pelo jornal Extra com base em dados relativos aos efetivos da PM e da Polícia Civil. Como delegacias especializadas e batalhões sem ser os de área também podem receber a gratificação, o total a ser desembolsado pelo governo do estado, no que diz respeito a ambos os semestres, deve ser ainda maior do que a
    soma de R$ 248 bilhões.
    Entre as 13 Áreas Integradas de Segurança Pública (Aisps) credenciadas ao prêmio referente aos últimos seis meses do ano passado, 11 alcançaram as metas estipuladas pela Secretaria estadual de Segurança (Seseg) pela segunda vez consecutiva. Em cinco delas — as de Duque de Caxias e Belford Roxo, na Baixada Fluminense; de Teresópolis na Região Serrana; e de Macaé e Campos, no interior do estado —, o total devido a cada policial civil e militar que atua na região é superior a R$ 18.000.
    As duas premiações serão as últimas pagas seguindo os valores antigos, que variavam entre R$ 4.500 e R$ 13.500. A partir de agora, após um decreto do governador Luiz Fernando Pezão, a bonificação de vai variar de R$ 1.500 a R$ 3.000 — um corte de até 77,8%. x

    ResponderExcluir
  5. E o salário essa vergonha ...

    ResponderExcluir

"O Estado não tem poder algum sobre a palavra, as idéias e as convicções de qualquer cidadão dessa República e de profissionais dos meios de comunicação social." (Ministro Celso de Mello - Supremo Tribunal Federal) - Se identifiquem por gentileza, comentar não é crime!MUITO IMPORTANTE: O foco do movimento é a DIGNIDADE. E é para esse objetivo que o blog existe. Por isso, comentários que não compartilhem do mesmo objetivo poderão ser removidos. Não podemos publicar ofensas! Não insista! Defenda sua ideia ou crítica de forma respeitosa.