quinta-feira, 11 de fevereiro de 2016

Crise no governo estadual: Parte dos secretários pensa em sair antes de abril

Sem dinheiro para obras, auxiliares do Pezão também se queixam do estilo centralizador do governador

Rio - A situação do governo estadual é tão delicada que alguns secretários já pensam em abandonar o barco antes mesmo de abril, prazo derradeiro para que candidatos às eleições municipais deixem seus cargos. Sem dinheiro para obras ou investimentos, auxiliares de Pezão comentam que não vale a pena comandar secretarias. Queixam-se também do estilo centralizador do governador.


Há também muita ciumeira em relação ao secretário de Esporte, Lazer e Juventude, Marco Antônio Cabral, filho do ex-governador.

Privilegiado

Integrantes do governo reclamam que, apesar da crise, Marco Antônio continua a ter recursos para promover eventos como os Jogos Cariocas de Verão — fotos de competições e do show que encerrou as disputas estão em seu perfil no Facebook.

As isenções

Para viabilizar os Jogos, o estado concedeu isenção fiscal de R$ 6,750 milhões. O patrocinador do torneio Rio ATP Challeenger de Tênis conquistou o direito de abater R$ 2,333 milhões em impostos. O projeto Favela, Esporte e Cidadania foi contemplado com um benefício de R$ 4,419 milhões.

FONTE: O DIA