sexta-feira, 5 de fevereiro de 2016

Secretária de Planejamento não garante pagamento em dia dos servidores até o fim do ano


Aperta daqui, diminui dali e, mesmo assim, o Estado do Rio passará pelo mesmo sufoco financeiro em que terminou 2015. Ontem, a secretária estadual de Planejamento e Gestão, Cláudia Uchôa, não escondeu que o cenário deve se manter complicado e deixou em aberto a regularização do pagamento dos servidores ao longo deste ano:

— Quem pode responder a essa pergunta é a Secretaria de Fazenda. Sei que o (salário) de janeiro os servidores vão receber. A estimativa é a de que vamos ter esse pagamento em dia. A previsão é essa. O mês de janeiro eles vão receber, pois a folha já foi fechada.

O cenário hoje é o seguinte: o Estado prevê uma arrecadação mínima de R$ 61,5 bilhões. O valor é bem inferior (23% menor) ao previsto na Lei Orçamentária, aprovada pela Alerj, que previa R$ 79,9 bilhões. A perda, portanto, seria de R$ 18,4 milhões. Para mostrar como a situação tende a continuar ruim, a arrecadação, em 2015, foi de R$ 78,6 bilhões. Mesmo assim, houve sufoco.

— Nós decidimos não prever receitas extraordinárias nesse início de ano. É uma restrição, mas foi uma mudança de técnica de trabalho. Vamos esperar que as receitas ocorram para orçamos no lugar certo — explicou Cláudia.

Entre os órgãos do Executivo, o setores de Segurança (32,09%), Assistência Social (30,91%) e Administração Penitenciária (21,97%) tiveram seus repasses reduzidos, se comparados com a previsão orçamentária aprovada pela Alerj. A Previdência do Estado tem déficit estimado de R$ 10,7 bilhões para 2016, mais uma antecipação feita em 2015. Assim, a dívida seria superior a R$ 12 bilhões.

Serão liberados, nesta sexta-feira, R$ 39 bilhões referentes à previsão inicial para o pagamento de toda a folha no primeiro quadrimestre do ano.

FONTE: EXTRA