quarta-feira, 9 de março de 2016

Ambulâncias sem ar condicionado - ESTADO SUCATEADO, POVO SOFREDOR

Venho por meio desta tornar de conhecimento sobre as intercorrências que ocorrem no trabalho de ambulâncias do Corpo de Bombeiros do Estado do Rio de Janeiro. Não sei se é de vosso conhecimento, mas boa parte das viaturas operacionais do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) e das ambulâncias do Corpo de Bombeiros do Estado do Rio de Janeiro que operam na capital, operam sem ar condicionado. O efeito da falta deste equipamento funcionando nas viaturas põe em risco o atendimento adequado às vítimas, além de expor os militares ao estresse ocupacional, comprometendo assim o adequado atendimento à vítima. Como é de vosso conhecimento, atendimento do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência é executado pelo Corpo de Bombeiros do Estado do Rio de Janeiro (CBMERJ). A vinculação desse serviço ao CBMERJ leva a uma sobrecarga de atendimento, o que pressupõe condições mínimas que garantam a integridade das vítimas que necessitam do serviço e dos militares que o executam. Assim, tal denúncia é embasada nas seguintes questões:

1- Quanto ao risco de estresse ocupacional:

Os Bombeiros militares que atuam no atendimento pré hospitalar utilizam o uniforme 3ºG de acordo com a determinação publicada em boletim ostensivo Sedec\ CBMERJ nº 149 de 09 de Agosto de 2012. Tal uniforme é composto por blusa longa de brim caqui, camisa malha meia-manga vermelha, calça de brim caqui, cinto vermelho, meias e coturnos pretos com bombachas. A justificativa para a determinação de uso do referido uniforme reside no fato deste oferecer melhor fator de proteção aos membros superiores quanto à exposição a riscos ambientais e mecânicos.

Assim, para o adequado exercício da função, torna-se imprescindível que o local de trabalho destes sejam tais de forma a proporcionar um melhor atendimento aos clientes. De acordo com a NR 17 da Portaria MTPS 3751 de 23 de Novembro de 1990, na alínea 17.5.1, “As condições ambientais de trabalho devem estar adequadas às características psicofisiológicas dos trabalhadores e à natureza do trabalho a ser executado”. Corroborando com a afirmação acima , a alínea 17.5.2 dispõe que:

“Nos locais de trabalho onde são executadas atividades que exijam solicitação intelectual e atenção constantes, tais como: salas de controle, laboratórios, escritórios, salas de desenvolvimento ou análise de projetos, dentre outros, são recomendadas as seguintes condições de conforto:

...

b)índice de temperatura efetiva entre 20ºC (vinte) e 23oC (vinte e três graus centígrados)”

Entende-se como temperatura efetiva o parâmetro de determinação de conforto térmico, levando em consideração o uso de variáveis como temperatura do ar, umidade relativa e velocidade do ar. Levando-se em conta a temperatura média registrada na cidade do Rio de Janeiro é de aproximadamente 37ºC em média, e por vezes, os militares nao são autorizados a operacionalizar sem a blusa de manga longa, mesmo que seja somente no deslocamento. Assim sendo, o funcionamento do ar condicionado nas viaturas de atendimento pré-hospitalar torna-se relevante não só para um bom atendimento para a vítima, mas também por proporcionar boas condições psicofisiológicas de trabalho.

2- Quanto à exposição dos insumos injetáveis ao calor:

Como mencionado anteriormente, atendimento do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) é realizado pelo Corpo de Bombeiros do Estado do Rio de Janeiro(CBMERJ). Assim, os atendimentos são tanto de natureza residencial ou em via pública, e geralmente o protocolo de atendimento inclui a punção de acesso venoso periférico como procedimento no atendimento pré-hospitalar. Diante dessa afirmação e retomando ao tema central desta denúncia, a prática citada para infusão de solução venosa torna-se inviável uma vez que, com a viatura sem ar condicionado, a temperatura interna chega com relativa facilidade a 40ºC, e de acordo com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA – consulta pública nº 41 de 12 de agosto de 2008), insumos injetáveis como soros devem ser armazenados em temperatura ambiente de no máximo 30ºC.

Diante do exposto, solicito que seja feito uma análise das informações fornecidas e que sejam tomadas as medidas cabíveis, visando o bom atendimento da população.

FONTE: Recebido por email

5 comentários:

  1. Trabalhamos sem condições de descanso sem horário de almoço!!!
    Entramos durante a madrugada em áreas dominadas por traficantes!
    Atendemos vítimas com quadros clínicos basais sem necessidade de emergência e que a maior parte das vezes a área onde atuamos fica sem ambulância pra atender as vítimas de acidentes!!! As ambulâncias estão trabalhando sem manutenção colocando as vítimas em riscos e a tripulação!!!
    Reitero que atumos sem horário nem se quer pra realizamos nossas refeições!!!

    ResponderExcluir
  2. Esse problemas das ambulâncias dia enfermeiros pode ser resolvido pelo COREM seu órgão. Vc deveria saber disdo. Pq não fazem ima denúncia ai ele impedira a saída das ambulâncias nesse estado.

    ResponderExcluir
  3. Falta de humanidade com os bombeiros. Os próprios colegas de farda da regulação. Onde eles ficam no ar.e tem horário de almoço até mesmo descanso. Nós da ponta não temos nem tempo de fazer nossa necessidades fisiológicas. Por conta de eventos sem emergências nenhuma.q os próprios inventa sintomas. Ex: se o paciente liga dizendo dor na perna. A desregulação coloca de brinde dispneia. Vc chega no local e a vitima informa q nao disse nada de falta de ar. E saturando até melhor q os bombeiros exautos! Calor ,excesso de trab, sem horario de almoço. e etc...Não sabem trab tiram vtr de um local. Manda pra outra área. e vise versa. Atrasando socorro, causando stress e exaustão da equipe.

    ResponderExcluir
  4. Falta de humanidade com os bombeiros. Os próprios colegas de farda da regulação. Onde eles ficam no ar.e tem horário de almoço até mesmo descanso. Nós da ponta não temos nem tempo de fazer nossa necessidades fisiológicas. Por conta de eventos sem emergências nenhuma.q os próprios inventa sintomas. Ex: se o paciente liga dizendo dor na perna. A desregulação coloca de brinde dispneia. Vc chega no local e a vitima informa q nao disse nada de falta de ar. E saturando até melhor q os bombeiros exautos! Calor ,excesso de trab, sem horario de almoço. e etc...Não sabem trab tiram vtr de um local. Manda pra outra área. e vise versa. Atrasando socorro, causando stress e exaustão da equipe.

    ResponderExcluir
  5. Graças a Deus q chegou o frio!
    Pq se depender do nosso comando
    iamos morrer cozidos!

    ResponderExcluir

"O Estado não tem poder algum sobre a palavra, as idéias e as convicções de qualquer cidadão dessa República e de profissionais dos meios de comunicação social." (Ministro Celso de Mello - Supremo Tribunal Federal) - Se identifiquem por gentileza, comentar não é crime!MUITO IMPORTANTE: O foco do movimento é a DIGNIDADE. E é para esse objetivo que o blog existe. Por isso, comentários que não compartilhem do mesmo objetivo poderão ser removidos. Não podemos publicar ofensas! Não insista! Defenda sua ideia ou crítica de forma respeitosa.