sábado, 26 de março de 2016

Governo do Rio estuda parcelar salários de servidores Sem dinheiro suficiente em caixa, vencimentos podem ser ainda escalonados de acordo com as categorias

RIO - Na próxima segunda-feira, o vice-governador Francisco Dornelles, que vai assumir o lugar do governador Luiz Fernando Pezão, licenciado em decorrência de um câncer, terá pela frente uma decisão difícil, ao se reunir com os três secretários de estado que integrarão o gabinete de crise. Sem dinheiro suficiente em caixa, terá que optar por pagar apenas algumas categorias de servidores, como os das áreas de saúde, educação e segurança, ou parcelar o salário de todo o funcionalismo. Segundo fontes do governo do estado, a “situação é dramática”, pois não há dinheiro suficiente para cobrir a folha, que é de cerca de R$ 3,4 bilhões, incluindo os aposentados. O encontro será no Palácio Guanabara.


Palácio da Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro - Guito Moreto / Agência O Globo

Se a decisão for pelo parcelamento, como está sendo estudado, o Rio vai copiar uma medida implementada pelo governo do Rio Grande do Sul, que dividiu o pagamento dos servidores públicos em quatro vezes, desde o ano passado. Dornelles se reunirá com os secretários de Fazenda, Júlio Bueno; da Casa Civil, Leonardo Espíndola; e de Governo, Affonso Henrique Monnerat. O governo do Rio já tinha alterado a data de pagamento do segundo dia útil de cada mês para o sétimo e, depois, para o décimo. Apesar de estar estabelecido agora que a data limite para o pagamento do funcionalismo é o dia 17 de cada mês, isso poderá sofrer mudanças em abril. O estado também parcelou em cinco vezes a segunda parcela do 13º salário. O governo atribui o impacto na folha de pagamento aos reajustes salariais realizados na atual gestão e à contratação de mais PMs, que deu um salto de 30 mil para 50 mil.

PAGAMENTOS DE FORNECEDORES EM ANÁLISE

O pagamento de fornecedores também terá que passar por uma criteriosa análise. A prioridade também será para as áreas de saúde, segurança e educação. Segundo fontes do governo, a ideia é quitar o débito, por exemplo, com as Organizações Sociais (OSs), que mantêm o funcionamento das unidades hospitalares. Também deverão receber as empresas responsáveis pela merenda escolar e pela alimentação de presos.

— Não se pode deixar de pagar aos fornecedores de alimentos para os presídios. Se você atrasa o pagamento, há riscos de a comida dos detentos piorar. Aí, o problema poderá ser bem maior para a segurança do estado — disse um integrante da cúpula do estado.


— É um carro em alta velocidade na chuva, com os pneus carecas e ainda se tira o piloto. O cenário de investimento do empresariado pode diminuir. Se antes o cara ia fazer um investimento, agora ele vai pensar: “Bom, hoje eu não faço." Há incerteza de comando no estado. Há um jogo de especulação muito grande por parte dos investidores — diz o pesquisador Eurico Figueiredo, coordenador do programa de pós-graduação de Ciência Política da UFF.

Por outro lado, o fato de Dornelles ter dirigido três ministérios diferentes (da Fazenda, do Trabalho e do Desenvolvimento) e ocupado cadeiras no Senado e na Câmara é apontado por colegas e cientistas políticos como um trunfo para sair da crise.

— Ele é um homem bastante experiente, já ocupou vários cargos, sabe lidar com contexto de crise. Isso dá ao Pezão, que vai ter que encarar uma batalha, uma certa tranquilidade. Além disso, ele não tem um perfil de vice que tentará imprimir sua marca pessoal, é um vice que se comporta de maneira discreta e leal ao governador e, durante esse tempo, fará uma administração tranquila, sem grandes mudanças — analisou o cientista político Ricardo Ismael, da PUC-Rio.

Além disso, outro ponto que pode agravar a situação do estado, segundo fontes do governo, é a retirada do apoio do PMDB à presidente Dilma Rousseff, ocorrido anteontem. Neste caso, Dornelles, considerado “conciliador”, “cauteloso” e “metódico”, é visto como uma peça estratégica por seus aliados.

Mas, na opinião de Cláudio Gurgel, pesquisador da UFF, com a imagem já desgastada, Dilma evitará retaliações:

— O Rio é um estado muito importante na federação e, do ponto de vista das circunstâncias políticas, a presidente não está em condições de se dar ao luxo de fazer alguma retaliação. O problema central do Rio está em resolver a questão com o funcionalismo público, porque os servidores têm que receber o salário. Resolver isso é fundamental para a crise.

As negociações com a Alerj também podem ser facilitadas pelo perfil de Dornelles.

— Dornelles caracterizou sua vida pública por sua capacidade de conciliação. A marca dele é o seu poder de articulação. Ele precisa se articular com o presidente da Alerj, Jorge Picciani, para que se encontre uma alternativa à crise — afirma o cientista político da UFRJ, Paulo Baía.

Economista da UFRJ, Mauro Osório concorda com Baía nesse ponto:

— A relação do Pezão com Picciani já estava desgastada. Com todo esse esgarçamento, talvez Dornelles tenha mais condição de negociação com o presidente da Alerj, não só pela experiência, mas porque estava fora desse embate.

FNTE: O GLOBO 

22 comentários:

  1. FÁCIL RESOLVER!!! É SÓ CANCELAR AS OLIMPÍADAS E SUAS OBRAS E O DINHEIRO QUE SERIA OU ESTÁ SENDO INVESTIDO NESTA M... INVESTIR ONDE SE DEVE!!! TEM DINHEIRO SIM!!! O POVO (POPULAÇÃO E SERVIDORES) NÃO ESTÃO AGUENTANDO MAIS!!! PRIORIDADE SÃO AS PESSOAS E NÃO JOGOS OLÍMPICOS!!!

    ResponderExcluir
  2. PEZÃO RENUNCIA!!!
    LAVA-JATO NELLES!!!
    Governador DORNELLES ASSUMA DE VEZESS GOVERNO,E QUE DEUS ILUMINE SUA MENTE E NÃO PARCELE O NOSSO SALÁRIO!!!
    Porque se PARCELAR, VAI DA MERDA!!!

    ResponderExcluir
  3. não podemos parcelar aluguel, plano de saúde, contas de agua luz internet, telefone,escola dos filhos e supermercado,entre outras despesas,não temos nada com essa crise de má gestão e isenções.
    será que poderei parcelar os meus dias de trabalho?

    ResponderExcluir
  4. Cancele as olimpíadas,diminua ps cargos comissionados,devolva militares,professores e outros funcionários públicos as suas respectivas secretarias,abrir uma foi na Alerj para avaliar as contas do estado,juntamente com membros do MP e etc.

    ResponderExcluir
  5. É questão de tempo quem vai assumir o Estado chama-se Picciani.

    ResponderExcluir
  6. Um Estado visivelmente falido, devido a má gestão de seus governantes,a corrupção que assola toda nação, devido uma política de corporativismo, a qual este câncer já foi diagnosticado a muito tempo e ele(s) sobrevivem.
    Como pode uma cidade, metrópole deste estado doentio e dito falido, vir sediar uma Olimpíada.
    Trânsito caótico, transporte público deficiente, hospitais caindo aos pedaços, um funcionalismo público escrachado pela má administração, segurança púbica como temos visto a cada dia que se passa.
    Temos que engolir este tal LEGADO que irá ficar, contudo, não será diferente das obras para os Jogos Pan-americanos; da Copa do Mundo de 1914 e agora Olimpíadas de 2016.
    Continuaremos submersos nas águas podres dos rios que circundam nossa cidade a cada chuva, continuaremos com nossos ônibus lotados, em péssimas condições e sem o tal ar condicionado tão falado e cobrado a cada ano que se passa.
    Continuaremos sim, com nossas lindas e fétidas praias; uma Baia que poderia ser a de Hudson, mas não é, continua sendo a de Guanabara, aquela cheia de dejetos humanos e tudo aquilo que o homem consegue jogar em suas águas, triste destino.
    Que LEGADO será este? pois os outros escorregaram entre os dedos das mãos, dos pés, sei lá onde foram parar.
    É um absurdo o que estamos vivendo, um caos em meio a obras faraônicas. Se há dinheiro e meios para sediar uma Olimpíada, porque estamos passando por esta humilhação? Rio de Janeiro (Capital) e Rio de Janeiro (Estado) não poderiam nunca sediar um evento deste porte, assim como vêm realizando outros.
    Não há contensão de despesas nas contas do Estado e nem tão pouco nas do Município. É como o pai ver o filho se definhando e não socorre-lo.
    Sei que receberei críticas, posso não estar me enquadrando na mesma linha de pensamento de outros, mas é assim que visualizo. Está complicado irmãos!
    Sou Cristão e vejo também, só Deus como solução para tudo isto.

    Juntos, ainda e sempre seremos muito mais fortes!

    Força, família BOMBEIRO.

    Sgt BM R/R - Brito.

    ResponderExcluir
  7. Mais um motivo pra liberar nossa margem do consignados,deixar a gente se virar dessa forma.Se eu conseguir fazer refinanciamento, fico bem tranquila.

    ResponderExcluir
  8. O piciane tinha que assumir o governo; Ai ele arrumaria dinheiro....

    ResponderExcluir
  9. No comentário de 17:40 h onde se lê 1914, leia-se 2014.
    . Sgt BM R/R - Brito

    ResponderExcluir
  10. Como pode o Estado do Rio de Janeiro entre os 26 estados do Brasil, ser o único estado falido ? Lembrando que o Estado do Rio de Janeiro é o Segundo Estado com Maior Arrecadação. Isso é achar que toda população do Rio de Janeiro é desprovidos de inteligência ?

    ResponderExcluir
  11. E só a polícia parar um dia vc vai ver como vai aparecer dinheiro vai ter até aumento salarial e ter coragens

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. CARA A PMERJ ENFRENTA DEZ MORROS CARGA PESADA NUM DIA, É UM LEÃO NO ENFRENTAMENTO COM O TRAFICO , MAIS SE PELA DE MEDO DO GRITO DO OFICIAL, SERA SEMPRE UM ELEFANTE AMARRADO NUM BARBANTE.

      Excluir
  12. ELEIÇÕES MUNICIPAIS: VAMOS ELEGER O MAIOR NUMERO DE MILITARES DAS FFAA E PM/BM EM TODOS OS MUNICIPIOS(PREFEITOS E VEREADORES) DO PAÍS!!!
    VAMOS RECONSTRUIR O NOSSO BRASIL COM PESSOAS REALMENTE COMPROMETIDAS COM A NOSSA PÁTRIA!!!
    DEPOIS PARTIREMOS PARA AS OUTRAS ELEICÕES(PRESIDENTE,SENADORES,DEPUTADOS FEDERAIS e ESTADUAIS). VAMOS,ACORDEM FAMILIA MILITAR, BRASIL ACIMA DE TUDO!!!

    ResponderExcluir
  13. O LAVA-JATO VEM AÍ....
    PEZÃO E SUA TRUPE VÃO CAIR!!!
    TODA CORJA DE POLITICOS SERÃO PEGOS NO LAVA-JATO...
    A JUSTIÇA DIVINA JÁ ESTÁ AGINDO. FOGO NELES!!!

    ResponderExcluir
  14. Considero um crime contra o servidor e com a família dos msm, ser servidor é ter vinculo trabalhista como outro qualquer. Precisamos receber nossos proventos em dia, temos conta a pagar. Isso deve caber ações na justiça msm que não de em nada, mais temos que ser uma pedra nos sapatos deles todo tempo.cabe as associações com seus departamentos jurídicos a orientar.

    ResponderExcluir
  15. Eu tenho dito para o pessoal q está pedindo para ir embora. " Nessa crise de atraso de pagamento ñ é uma boa opção pra ir para reserva agora pois na falta de pagamento a prioridade do mesmo é para quem estiver na ativa. "

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Servidor Indignado27 de março de 2016 19:02

      Voce ta louco cara...para e pense antes de escrever um comentário

      Excluir
    2. Tu é retardado ou burro mesmo?

      Excluir
    3. NÃO CONSIGO PARAR DE RIR TU É UM COMÉDIA.

      Excluir
    4. Esse papo é de comandante de unidade que esta ficando sem bombeiros. Ele já esta se vendo tirando hora no toco, faxina e etc...

      Excluir
  16. COM PEZÃO ESTAVA RUIM , COM DORNELLES VAMOS FICAR ROXO . ACABOUUUUU...

    ResponderExcluir
  17. Idéia idiota e sem fundamento, o comentário de 09:47 horas, de 27/03/16. Hora de ir embora, é hora e pronto, fica aí com esta idéia que é isto que eles querem. Daqui a pouco, está no rancho, tirando guarda, correndo no socorro, comunicação, faxina e tudo que for preciso.
    A vida é curta amigo e foi feita também para viver.

    Sgt BM R/R - Brito.

    ResponderExcluir

"O Estado não tem poder algum sobre a palavra, as idéias e as convicções de qualquer cidadão dessa República e de profissionais dos meios de comunicação social." (Ministro Celso de Mello - Supremo Tribunal Federal) - Se identifiquem por gentileza, comentar não é crime!MUITO IMPORTANTE: O foco do movimento é a DIGNIDADE. E é para esse objetivo que o blog existe. Por isso, comentários que não compartilhem do mesmo objetivo poderão ser removidos. Não podemos publicar ofensas! Não insista! Defenda sua ideia ou crítica de forma respeitosa.