terça-feira, 29 de março de 2016

Sem novas taxas, Governo do RJ vê expectativa de arrecadação cair

Cobranças renderiam mais de R$ 2 bi anuais aos cofres do estado.
Novas taxas incidiriam sobre setor de petróleo e emissão de notas 
fiscais.

Em meio à crise financeira, o governo do Rio de Janeiro criou novas taxas no fim do ano passado, visando aumentar a arrecadação. Porém, as novas cobranças, que passariam a vigorar nesta terça-feira (29), foram contestadas na Justiça, frustrando a expectativa do Palácio Guanabara de reforçar o caixa do estado em cerca de R$ 2,2 bilhões.

Nesta segunda-feira (28), o Órgão Especial do Tribunal de Justiça do estado (TJ-RJ) concedeu liminar à Federação do Comércio do Estado do Rio de Janeiro (Fecomércio) suspendendo os efeitos da Lei 7.176/2015, que instituiu a Taxa Única de Serviços Tributários (Tust). A decisão beneficia todas as empresas do estado, independentemente do segmento, que seriam obrigadas a recolher a nova taxa a partir de terça, 90 dias após a entrada em vigor da lei.

Após esta derrota na Justiça, o estado decidiu suspender por 60 dias a cobrança da Tust, que seria recolhida a cada trimestre por todas as empresas do estado, com valores variando entre R$ 2 mil e R$ 30 mil, de acordo com o faturamento e o número de notas fiscais emitidas. No último dia 23,uma proposta de revogação da lei foi apresentada na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj).

Liminares contra ICMS do petróleo e Fundo de Combate à Pobreza
Em outra frente, seis empresas do setor de petróleo e gás obtiveram liminares judiciais para suspender a cobrança de Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) na extração de petróleo e gás e a Taxa de Fiscalização e Controle Ambiental, que também seria paga pelas empresas do setor.

Advogados do Instituto Brasileiro do Petróleo (IBP) levaram ao Supremo Tribunal Federal (STF) duas ações de inconstitucionalidade contra as novas taxas, e o STF deve se pronunciar no início de abril sobre estas ações. Hoje, de acordo com a Constituição, o ICMS incide sobre o petróleo na unidade da federação a que se destinha, e não na UF de origem (onde é produzido). Se mantida, a lei aumentaria os custos de produção de petróleo em 25%, o que tornaria muitos campos inviáveis economicamente.

De acordo com as ações do IBP, a cobrança sobre a fiscalização também é inconstitucional porque a nova taxa seria calculada sobre o volume de produção, o que a lei veda - deveria ser um valor fixo, como no caso das taxas de iluminação ou de lixo.

O governo do estado também aumentou a alíquota do ICMS que é recolhida para o Fundo Estadual de Combate à Pobreza e às Desigualdades Sociais (FECP), que passou de 1% para 2%. A Federação das Indústrias do Rio (Firjan) se opõe ao aumento e alega que a indústria do Rio, que já vem sofrendo com a crise econômica, perderá ainda mais quando as novas taxas e alíquotas entrarem em vigor.

FONTE: G1

Um comentário:

  1. O Governador tem que cortar na carne, e temos que apoiar, pois quem está sendo prejudicado somos nós...os líderes, comandantes, estão afundando ainda mais este governo, inventando secretarias, e tudo mais, acho que logo de cara o governo deveria acabar com as promoções de 2 em 2 anos e o triênio, fechar a esfao, pois 80 a 120 oficiais por ano, não da pra aturar, viagens com ônus para o estado, abono permanência, cortar o salário dos militares de órgão externo. e abrir concurso para repor estas pessoas com um salário menor, parar de ficar inventando pabms, só para redistribuir a quantidade de gemadas, acabar com o serviço terceirizado, o próprio militar faz as fainas e os atendimentos necessários como era antigamente, acabar com esses programas engana bobo(proeis, raes, dengue) isso é para enganar o governador e desviar dinheiro...se o comando quizer e seus baba ovos, muita coisa poderá ser feita para economizar e garantir por mais alguns anos o seu salário...jsf! servidor civil guiga!

    ResponderExcluir

"O Estado não tem poder algum sobre a palavra, as idéias e as convicções de qualquer cidadão dessa República e de profissionais dos meios de comunicação social." (Ministro Celso de Mello - Supremo Tribunal Federal) - Se identifiquem por gentileza, comentar não é crime!MUITO IMPORTANTE: O foco do movimento é a DIGNIDADE. E é para esse objetivo que o blog existe. Por isso, comentários que não compartilhem do mesmo objetivo poderão ser removidos. Não podemos publicar ofensas! Não insista! Defenda sua ideia ou crítica de forma respeitosa.