segunda-feira, 4 de abril de 2016

140 mil impedidos de fazer crédito consignado no Estado do Rio

Desde que o Estado do Rio reduziu a margem dos descontos em folha de pagamento para 30% dos salários do funcionalismo público, 140 mil servidores de um total de 470 mil estão impossibilitados de contratar novas operações de crédito consignado ou renegociar contratos. Isso ocorre porque este grupo ficou com a margem negativa.

A medida foi implementada em fevereiro deste ano, por meio do Decreto 45.563/16. O mesmo texto ampliou de 60 para 84 meses o prazo máximo para amortização de empréstimos pessoais, cartões de crédito e financiamentos concedidos por instituições financeiras ou entidades abertas ou fechadas de previdência complementar.

Apesar da queixa, a Secretaria Estadual de Planejamento informou que não está rediscutindo a margem consignável. Em um levantamento realizado em 2015, foi constatado que 30% dos servidores ativos, aposentados e pensionistas consumiam acima de 30% da margem, sendo que deste percentual, 4% estavam com margem negativa. Agora, com as mudanças, 30% do funcionalismo estão impossibilitados de fazer novas operações.

Os descontos em folha, que anteriormente podiam chegar a 70% da remuneração do servidor, no caso do crédito imobiliário; a 50%, nos cartões de crédito; e a 40% nos empréstimos pessoais e nas demais situações, foram limitados a 30% da remuneração bruta. Na época, o estado defendeu que o objetivo era evitar o endividamento excessivo.

O estudo da Secretaria de Planejamento apontou também que 38% dos servidores não utilizavam a margem consignável disponível, em qualquer de suas modalidades. Ou seja, 180 mil vínculos que têm a possibilidade de solicitar o crédito consignado normalmente.

Mesmo diante do argumento de que a mudança veio para livrar o funcionalismo do alto endividamento, a mudança tem gerado diversas queixas dos servidores. Principalmente, em período de atraso de salário e de mudança no calendário de pagamento.

O professor do Ibmec, Gilberto Braga concorda que é importante estabelecer medidas para evitar que o servidor comprometa mais do que 30% de sua renda. Mas defendeu que as alterações poderiam ter sido feitas de forma gradual. “De fato não dá para voltar atrás. Mas o processo poderia ter sido mais elaborado, já que muitos servidores podem ter que recorrer a outras formas de créditos mais onerosas”.

FONTE: O DIA

2 comentários:

  1. SE NÓS SOMOS REGIDOS PELA LEI279/79,quando se refere ao LIMITE dos decontos consignados,verifiquem o Art.93 inciso II e III.
    Então por que temos que ser submetidos à um DECRETO?
    Pesquise sobre nossa LEI279/79.Art. 88 e 93,SOS!!!

    ResponderExcluir
  2. Se não temos pagamento ,deixa do jeito que estava,fazendo refinanciamentos pra não passar fome,não atrasar contas.Daí vem falar que está preocupado, pelo amor de Deus,nos poupe disso.

    ResponderExcluir

"O Estado não tem poder algum sobre a palavra, as idéias e as convicções de qualquer cidadão dessa República e de profissionais dos meios de comunicação social." (Ministro Celso de Mello - Supremo Tribunal Federal) - Se identifiquem por gentileza, comentar não é crime!MUITO IMPORTANTE: O foco do movimento é a DIGNIDADE. E é para esse objetivo que o blog existe. Por isso, comentários que não compartilhem do mesmo objetivo poderão ser removidos. Não podemos publicar ofensas! Não insista! Defenda sua ideia ou crítica de forma respeitosa.