sábado, 2 de abril de 2016

SALÁRIOS PARCELADOS EM 08 VEZES NO RIO GRANDE DO SUL


Servidores protestam após novo parcelamento de salários no RS

Pelo menos duas manifestações foram registradas em Porto Alegre.

Servidores da Saúde bloquearam trecho de avenida na Zona Leste.



Servidores do Centro Administrativo protestam em Porto Alegre (Foto: Rafaella Fraga/G1)

Um dia depois de o governo do Rio Grande do Sul anunciar novo parcelamento nos salários, servidores públicos de categorias diferentes foram às ruas para protestar em Porto Alegre. No fim da manhã desta quinta-feira (31), pelo menos duas manifestações foram registadas.
saiba mais

Um trecho da Avenida Bento Gonçalves, perto da Aparício Borges, no bairro Partenon, na Zona Leste da capital, foi bloqueada por servidores da Saúde, que carregavam cartazes com mensagens contra o parcelamento e o atraso de salários.

A Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC) orienta motoristas para o desvio pela Avenida Salvador França, no sentido bairro-centro, em função do protesto.

Outra manifestação foi realizada por servidores que trabalham no Centro Administrativo, no Centro de Porto Alegre, por volta do meio-dia. Eles usaram o horário de almoço para não prejudicar os serviços públicos. Também com cartazes, eles repudiam a atitude de parcelar e atrasar salários.


Servidores da Saúde bloqueiam rua em protesto na capital gaúcha (Foto: Reprodução/EPTC)

Os salários de março foram parcelados para cerca de 75% dos servidores públicos vinculados ao Executivo do Rio Grande do Sul. O governo estadual informou na noite desta quarta-feira (30) que cada matrícula receberá como remuneração um valor até R$ 1.250, o que garante o pagamento integral a 80 mil vínculos, 24,58% dos cerca de 347 mil.

Os salários deste mês serão divididos entre oito parcelas. O Piratini não informou um calendário de pagamento, mas espera que até o dia 20 do abril os vencimentos sejam quitados.

Segundo o governo, a folha completa do Executivo ficou em R$ 1,371 bilhão neste mês. O valor líquido dos salários é de R$ 1,144 bilhão para os servidores da administração direta, fundações e autarquias. O resto do valor se refere a compromissos do Tesouro com as consignações e os impostos sobre a folha.

O secretário da Fazenda, Giovani Feltes, atribui a medida às dificuldades financeiras enfrentadas pelo governo devido à crise no país e os compromissos financeiros de fevereiro que foram saldados em março. "Conseguimos quitar as principais contas de fevereiro, como o próprio salário e a dívida com a União, apenas no dia 11. Ou seja, tivemos dias de arrecadação para cobrir a despesa de um mês inteiro", explicou o secretário.

Este é o segundo mês do ano que os rendimentos do funcionalismo são parcelados. No mês passado, até o dia 29, os servidores receberam R$ 1.750.

FONTE: G1

3 comentários:

  1. A tropa sente falta de um líder

    Para ser um líder, você tem que fazer as pessoas quererem te seguir, e ninguém quer seguir alguém que não sabe onde está indo. Os chefes são líderes mais através do exemplo do que através do poder. Liderança é ação, e não posição. A liderança é a capacidade de conseguir que as pessoas façam o que não querem fazer e gostem de o fazer.

    Diferenças existentes entre chefes e líderes:
    Enquanto o chefe impõe, o líder conquista.
    Enquanto o chefe atrai puxa-sacos e interesseiros, o líder atrai seguidores voluntários.
    Enquanto o chefe é truculento, o líder surpreende pela paciência.
    Enquanto o chefe visa somente os números, o líder inspira aqueles que fazem os números parecerem pequenos.
    O chefe encerra o assunto. O líder argumenta com inteligência.
    O chefe segue a pauta da reunião. O líder é sensível para, se necessário, mudar o rumo do roteiro.
    O chefe empurra goela abaixo. O líder põe água na boca e sua ideia desce gostoso.
    O chefe não reconhece o valor de outros líderes. O líder é humilde pra aprender com quem provou seu valor com resultados.
    O chefe tem resultados limitados. O líder cresce sem limites em tudo

    ResponderExcluir
  2. Mais pagou o ministério público ontem pq entraram na justiça!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não foi pq eles entraram na justiça e sim porque eles são a justiça.

      Excluir

"O Estado não tem poder algum sobre a palavra, as idéias e as convicções de qualquer cidadão dessa República e de profissionais dos meios de comunicação social." (Ministro Celso de Mello - Supremo Tribunal Federal) - Se identifiquem por gentileza, comentar não é crime!MUITO IMPORTANTE: O foco do movimento é a DIGNIDADE. E é para esse objetivo que o blog existe. Por isso, comentários que não compartilhem do mesmo objetivo poderão ser removidos. Não podemos publicar ofensas! Não insista! Defenda sua ideia ou crítica de forma respeitosa.