terça-feira, 17 de maio de 2016

Dornelles defende que juros de dívida com União sejam pagos em um ano

Segundo o governador em exercício, a medida aliviaria as contas estaduais em R$ 10 bilhões por ano

Rio - O governador em exercício Francisco Dornelles defendeu, nesta terça-feira, a carência de 12 meses dos juros que são cobrados na dívida dos estados com a União. Esta é uma das propostas para tentar resolver a grave crise financeira que atinge os estados. Ele participou do 28º Fórum Nacional, na sede do Banco Nacional de Desenvolvimento Social (BNDES). 

Segundo Dornelles, a moratória da dívida aliviaria as contas do Rio em R$ 10 bilhões por ano. Ele afirmou ainda que, hoje, a maior parte dos governos encontra-se impossibilitado de oferecer serviços públicos de qualidade e fazer investimentos, por causa do alto comprometimento dos seus orçamentos com os juros da dívida e também com a previdência social.

Dornelles defende carência de dívida de 12 meses dos juros com a UniãoFoto: Alexandre Brum / Agência O Dia

Ao defender a carência no pagamento, Dornelles ainda citou os números da dívida do Rio com a União. "Na década de 1990, quando o estado renegociou sua dívida, o valor era de R$ 22 bilhões. Nós já pagamos R$ 44 bilhões, e devemos R$71 bilhões. Este ano, as despesas do governo estadual devem chegar a R$ 76 bilhões, com um déficit programado de R$ 19 bilhões. Deste montante, R$ 12 bilhões são destinados para o pagamento de aposentados e pensionistas do Rioprevidência, além dos R$ 10 bilhões do serviço da dívida. Portanto, o nosso déficit significa juros da dívida mais despesas previdenciárias", explicou.

De acordo com Dornelles, os estados devem levar a questão ao presidente em exercício, Michel Temer, ao ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, e manter aberto um diálogo. Para o governador em exercício, sem o período de carência, os estados não conseguirão negociar a dívida. 

Em relação à previdência, Dornelles sugeriu criar faixas de contribuição. Para ele, quem quiser se aposentar por tempo de contribuição menores pagaria mais por isso. O governador em exercício acredita que uma contribuição social progressiva poderia ajudar a diminuir o déficit previdenciário. O déficit da previdência do Rio é de R$ 12 bilhões este ano.

FONTE: O DIA

Um comentário:

  1. Não concordo com calote. Não importa qual a condição. No caso do rio os responsáveis por esses desmandos é que deveriam pagar na forma reclusiva e pecuniária. Mas também não concordo com o fato do governo federal cobrar juros. O governo federal virou banco? No maximo haveria correção monetaria

    ResponderExcluir

"O Estado não tem poder algum sobre a palavra, as idéias e as convicções de qualquer cidadão dessa República e de profissionais dos meios de comunicação social." (Ministro Celso de Mello - Supremo Tribunal Federal) - Se identifiquem por gentileza, comentar não é crime!MUITO IMPORTANTE: O foco do movimento é a DIGNIDADE. E é para esse objetivo que o blog existe. Por isso, comentários que não compartilhem do mesmo objetivo poderão ser removidos. Não podemos publicar ofensas! Não insista! Defenda sua ideia ou crítica de forma respeitosa.