quinta-feira, 2 de junho de 2016

Coluna do Servidor: Fasp pede na Justiça pagamento até esta sexta-feira

Pedido de tutela de urgência é vinculado a uma ação já proposta pela entidade

Rio - Para garantir o pagamento do funcionalismo público estadual até esta sexta-feira, a Federação das Associações e Sindicatos dos Servidores Públicos do Estado do Rio de Janeiro (Fasp) entrou nesta quarta-feira com mais um recurso na Justiça. O pedido de tutela de urgência é vinculado a uma ação já proposta pela entidade e tem como objetivo garantir o depósito dos salários de maio até o terceiro dia útil subsequente ao mês de pagamento. Ou seja, pede que o crédito caia na conta até amanhã. A Secretaria Estadual de Fazenda informou que a data prevista para efetuar os depósitos é o décimo dia útil.

O pedido da Fasp contempla apenas os servidores do Executivo estadual, já que os salários de maio do Judiciário, Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MP-RJ), Defensoria Pública do Rio e Legislativo já foram pagos na terça-feira. O pagamento é garantido pelo repasse do duodécimo constitucional. 

Se o Tribunal de Justiça do Rio (TJ-RJ) deferir o pedido da federação, o pagamento será feito por meio de arresto das contas do estado. Advogado da Fasp, Carlos Henrique Jund lembra que já há decisão judicial obrigando o governo a creditar salários até o terceiro dia útil. “A decisão foi mantida pelo TJ e pelo STF, mas o estado não está cumprindo. E, por isso, tenho que entrar com a cautelar”.

Folha de pagamento

Se a Justiça deferir o pedido da Fasp, o primeiro passo para efetuar o arresto nas contas do estado é intimar a Secretaria Estadual de Planejamento e Gestão (Seplag). O órgão terá que apresentar em 24 horas o levantamento da folha de pagamento. “A folha muda a cada semana, devido à morte, saída e alteração de cargos”, explica Jund.

Definição do valor

Com a definição do valor da folha de pagamento de ativos, inativos e pensionistas das administrações Direta e Indireta, a Justiça terá que expedir mandado de arresto desse montante. O bloqueio deverá incidir na conta única do Tesouro Estadual no Bradesco, e nas de titularidade do Estado do Rio, Secretaria de Fazenda e Rioprevidência.

Recursos preservados

A Fasp ressalta que o arresto deve resguardar valores destinados a recursos para a Saúde, Educação e Segurança Pública (Fundo Especial da PM e Fundo Especial do Corpo de Bombeiros); montantes destinados às pessoas jurídicas de direito público e as quantias destinadas às transferências constitucionais reservadas aos municípios.

Depósito nas contas

Por fim, a entidade pede que o total dos valores arrecadados fiquem depositados, ou seja, transferidos para a conta única do Tesouro Estadual para o pagamento dos servidores. O Bradesco será intimado para que, em quatro horas, a partir da transmissão dos dados, credite os salários, sob pena de multa de R$ 50 mil. 

Salário-família

O Sindicato dos Servidores Públicos do Município do Rio (Sisep-Rio) vai cobrar explicações da prefeitura pelo não pagamento do salário-família aos funcionários. Segundo o diretor jurídico, Frederico Sanches, a medida “afronta o direito do servidor e de seus familiares”. Ele diz ainda que deve ir à Justiça para reverter a medida.

Administração

O secretário municipal de Administração, Marcelo Queiroz, abre hoje o 67º Fórum Nacional de Secretários de Administração da Capital (Fonac), no Everest Rio Hotel, em Ipanema. O evento vai até amanhã e terá diversas palestras. Queiroz ministrará a de tema ‘Legado Olímpico Tecnológico’ com o presidente do Iplan-Rio, Fábio Pimentel.

FONTE: O DIA

Nenhum comentário:

Postar um comentário

"O Estado não tem poder algum sobre a palavra, as idéias e as convicções de qualquer cidadão dessa República e de profissionais dos meios de comunicação social." (Ministro Celso de Mello - Supremo Tribunal Federal) - Se identifiquem por gentileza, comentar não é crime!MUITO IMPORTANTE: O foco do movimento é a DIGNIDADE. E é para esse objetivo que o blog existe. Por isso, comentários que não compartilhem do mesmo objetivo poderão ser removidos. Não podemos publicar ofensas! Não insista! Defenda sua ideia ou crítica de forma respeitosa.