domingo, 12 de junho de 2016

Conheça as mudanças que Temer quer na Previdência

Documento elaborado por consultoria do Congresso dá diretrizes para reforma

Rio - A proposta de reforma da Previdência do governo interino de Michel Temer (PMDB) fará a pensão por morte do INSS perder o vínculo com o salário mínimo, elevará o tempo mínimo de contribuição de 15 anos para 20 anos na concessão de aposentadorias por idade, obrigará homens e mulheres a completar 105 pontos (soma de idade e tempo de recolhimento para o INSS) para ter o benefício por tempo de serviço e reduzirá de um salário mínimo para a metade o valor do benefício pago a idosos e pessoas com deficiência grave que nunca trabalharam e contribuíram, conforme prevê a Lei Orgânica da Assistência Social (Loas).

Essas e outras propostas fazem parte de um documento elaborado pela Consultoria de Orçamentos e Fiscalização Financeira da Câmara dos Deputados (Conof/CD) e pela Consultoria de Orçamentos, Fiscalização e Controle do Senado (Conorf/SF). Traça as diretrizes da reforma da Previdência que o presidente interino vai apresentar para o Congresso Nacional.


Warley só aceita negociar se Ministério da Previdência for recriado. Já Paulinho da Força diz que há tempo para discutir a idade mínimaFoto: João Laet (30.7.2010) | Divulgação / EBC

O levantamento minucioso, que a coluna Aposentado teve acesso com exclusividade, mostra que a intenção do peemedebista é mexer em vários pontos que vão afetar trabalhadores da iniciativa privada, servidores públicos e até militares das Forças Armadas. Há ainda intenção de mudar as regras de concessão de aposentadorias para trabalhadores rurais, benefícios assistenciais e previdenciários e auxílio doença do INSS.


As mulheres sentirão na pele as principais modificações para concessão de aposentadorias por idade. O objetivo é deixar as trabalhadoras nas mesmas condições dos homens para terem direito à concessão de benefício por idade.

O texto da proposta prevê, neste caso, aumento imediato da idade de 55 anos para 61 anos até chegar aos 65 anos. O documento alega que “é consenso entre os especialistas que não mais se justifica, na aposentadoria por idade, a diferença entre homens e mulheres, criada em tempos em que a taxa de fertilidade era muito maior do que a atual”. O texto do governo diz ainda que tal diferença entre as idades, atualmente de cinco anos, não encontra mais justificativas para sua manutenção.

Além disso, o governo quer reduzir de um salário mínimo para meio salário o valor de benefícios de prestação continuada destinado a idosos e pessoas com deficiências graves que nunca pagaram a Previdência. As propostas que serão apresentada também restringem a liberação de aposentadorias por invalidez.

A maioria das mudanças terá que ser implementada por meio de Proposta de Emenda à Constituição (PEC) ou projeto de lei.

Nova reunião vai acontecer amanhã

Representantes de centrais sindicais voltam a se reunir amanhã com o governo. Desta vez será com o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, para discutir a reforma da previdência. Na sexta-feira, o presidente interino Michel Temer almoçou com sindicalistas. Mas nenhum acordo foi firmado.

A Central Única dos Trabalhadores (CUT) não participa das reuniões, por não reconhecer a legitimidade do governo Temer. A adoção da idade mínima tende a deixar as discussões mais acirradas entre as partes. Segundo o presidente da Força Sindical, deputado Paulo Pereira da Silva, o Paulinho, (SD-SP), o governo insiste na idade mínima e as centrais não concordam. Mas ele diz que há tempo para discutir a proposta. 
A entidades sindicais defendem revisão ou fim das desonerações das contribuições previdenciárias sobre a folha de pagamento das empresas, reavaliação das isenções para entidades filantrópicas, alienação de imóveis do INSS e de outros patrimônios em desuso por meio de leilão.

O governo criou, no mês passado, um grupo de trabalho para debater alterações nas regras previdenciárias. Esse grupo pretende fechar, ainda em junho, a proposta de reforma para enviar ao Congresso.

Aposentados criticam propostas

As propostas previstas pelo documento que O DIA teve acesso foram duramente criticadas por representantes dos aposentados. Presidente da Confederação Brasileira de Aposentados e Pensionistas (Cobap), Warley Martins afirmou que será inadmissível aprovar as mudanças.

“As propostas são muito prejudiciais para os trabalhadores e os aposentados. Somos totalmente contra a reforma previdenciária. Não admitimos a adoção de idade mínima para concessão de aposentadorias para quem já está no mercado de trabalho há muito tempo”, avisa.

Segundo ele, a confederação aceita discutir novas regras para quem ainda vai começar a trabalhar com carteira assinada. Mas, impõe uma condição para sentar à mesa de negociação com o governo:

“Só aceitamos conversar com eles (governo) se aceitarem retornar o Ministério da Previdência Social. Sem isso, não há conversa”, decreta.

FONTE: O DIA

2 comentários:

  1. Sem eufemismos.... É PARA FUDER DE VEZ COM OS APOSENTADOS E PENSIONISTAS

    ResponderExcluir
  2. IMPEACHEMNT JÁ!!!
    INTERVENÇÃO JÁ!!!
    QUALQUER COISA PARA TIRAR O PMDB DO GOVERNO, INCLUSIVE O PRESIDENTE DA ALERJ QUE ESTÁ CONIVENTE COM ESSA SACANAGEM TODA. ACORDEM MUSPE VAMOS AGIR IMEDIATAMENTE!!!!

    ResponderExcluir

"O Estado não tem poder algum sobre a palavra, as idéias e as convicções de qualquer cidadão dessa República e de profissionais dos meios de comunicação social." (Ministro Celso de Mello - Supremo Tribunal Federal) - Se identifiquem por gentileza, comentar não é crime!MUITO IMPORTANTE: O foco do movimento é a DIGNIDADE. E é para esse objetivo que o blog existe. Por isso, comentários que não compartilhem do mesmo objetivo poderão ser removidos. Não podemos publicar ofensas! Não insista! Defenda sua ideia ou crítica de forma respeitosa.