segunda-feira, 6 de junho de 2016

Governo do Rio prepara oferta ao mercado de dívida ativa estimada em R$ 66 bilhões


Governador Francisco Dornelles elogiou medida 

Com um déficit estimado de R$ 20 bilhões em suas contas, para 2016, o governo do estado vai iniciar a securitização de sua Dívida Ativa no segundo semestre. A operação consiste em pegar todos os débitos de pessoas físicas (contribuintes individuais) e jurídicas (empresas) com o Estado do Rio e vender parte desse bolo a investidores (interessados em comprar esses créditos por um valor mais baixo e assumir a cobrança futura dos devedores, para faturar mais).

O Rio tem a receber R$ 66 bilhões, entre dívidas e créditos vencidos. O objetivo do governo, no melhor dos cenários, é receber R$ 5 bilhões nos próximos dois anos com a transação de “venda” da Dívida Ativa.

O processo é liderado por Paulo Tafner, pesquisador do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). O especialista comentou como deve ser feita a operação.

— Vou usar o exemplo de um cheque. Nós temos uma série cheques com prazos de vencimento e diferentes graus de segurança. Tem uns bons, e outros “voadores”. Vamos analisar o bolo de cheques que temos a receber e colocar alguns no mercado. Vamos oferecer esses recebíveis em troca de pagamento (feito por instituições que quiserem comprar essas dívidas) — explicou.


Entrevista com Paulo Tafner, pesquisador do IPEA 

Segundo Tafner, ao menos 20% do total de R$ 66 bilhões (R$ 13,2 bilhões) referem-se a “papéis podres”. Isso quer dizer que o Estado já não tem esperança de receber esses débitos. São casos de empresas falidas ou contribuintes que morreram. Sobre o restante, a equipe que participa da operação de securitização fará uma análise rigorosa:

— Vamos fazer uma operação pequena, pois será um processo para gerar confiança no mercado. A ideia é oferecer um lote para receber de R$ 150 milhões a R$ 300 milhões. Se a recepção for positiva, poderemos fazer outra antes do fim do ano.

A alternativa do governo agrada aos especialistas. Para Istvan Karoly Kasznar, professor da FGV/Ebape, a medida é uma opção em tempos de crise:

— É uma forma de atender à nova engenharia econômica que precisa ser feita pelo Estado. É uma forma de dar mecanismos para que o Rio volte a se equilibrar financeiramente.

A dupla frisou, porém, que a securitização está longe de tirar o Rio do atoleiro.

— Não será a solução. Só vai ajudar a superar a depressão em tempos de receitas zero — concluiu Tafner.

OPINIÃO

‘Antecipação pode prejudicar o futuro’

Pedro Fernandes

Deputado estadual (PMDB) e presidente da Comissão de Orçamento

— O aumento momentâneo da liquidez (dinheiro disponível) pode gerar problemas no futuro. Há um descompasso quando se antecipam recebíveis para o momento presente, pois essa antecipação de valores pode prejudicar o caixa das administrações no futuro. O Estado ainda vai perder recursos, pois há um deságio na operação (pagamento menor do que o valor real). A tendência é a instituição financeira (compradora) alegar dificuldade de recuperar tais recursos (quando for cobrar débitos dos devedores). Não vejo diferença nessa venda. Os trâmites jurídicos se o cobrador for uma empresa privada ou um procurador público são os mesmos, pois a execução fiscal depende da Justiça. Em dezembro de 2015, o Estado tinha a receber, apenas com a Dívida Ativa, cerca de R$ 59 bilhões.

OPINIÃO

‘Não imagino receber algo ainda nesse ano’

Luiz Paulo Corrêa da Rocha

Deputado estadual (PSDB) e integrante da Comissão de Orçamento

O processo de securitização da Dívida Ativa foi aprovado pela Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), no ano passado. Estão, há meses, prometendo uma operação como essa e, até agora, nada. É complicado falar alguma coisa antes de nos mostrarem o que pretendem fazer. O secretário estadual de Fazenda (Julio Bueno) veio aqui à comissão (de Orçamento) e nos disse que pretendem receber R$ 5 bilhões com a operação. É possível. Mas não imagino que o Estado receba algo ainda neste ano. Outro (fator) complicador é o momento do país. Por mais que o mercado tenha interesse em operações dessa natureza, estamos num momento político delicado. Se as coisas mudarem, as previsões de hoje poderão ser totalmente diferentes amanhã.

FONTE: EXTRA

Um comentário:

  1. Gostaria de saber,que fim levou a CONSTRUÇÃO da POLICLINICA EM SÃO PEDRO DE ALDEIA?
    Disseram que tinha um VERBA de 1MILHÃO REAIS LIBERADA!!!!
    ATÉ AGORA NADA?!
    SOS AJUDEM NOSSOS COMPANHEIROS DA REGIÃO DOS LAGOS!!!

    ResponderExcluir

"O Estado não tem poder algum sobre a palavra, as idéias e as convicções de qualquer cidadão dessa República e de profissionais dos meios de comunicação social." (Ministro Celso de Mello - Supremo Tribunal Federal) - Se identifiquem por gentileza, comentar não é crime!MUITO IMPORTANTE: O foco do movimento é a DIGNIDADE. E é para esse objetivo que o blog existe. Por isso, comentários que não compartilhem do mesmo objetivo poderão ser removidos. Não podemos publicar ofensas! Não insista! Defenda sua ideia ou crítica de forma respeitosa.