sexta-feira, 22 de julho de 2016

MILITARES. Aumento da IDADE para a RESERVA. Militares portugueses se revoltam



Já faz alguns anos que os militares portugueses se organizaram e são representados por associações de classe. Por lá, como aqui, militares não fazem greve. Contudo, as lideranças são recebidas por autoridades e suas demandas em nome da categoria são consideradas.

Nessa quinta-feira a Associação Nacional de Sargentos declarou oficialmente que considera “inaceitável” a intenção do Governo de equiparar as pensões militares às concedidas aos policiais. A liderança da entidade declarou que existem atividades nas Forças Armadas que não são possíveis de realizar com a degradação da idade.

O Governo de Portugal prepara alterações significativas e entre elas está a equiparação da idade para transferência para a reserva para os militares federais com o que atualmente está em vigor para os policiais.

A associação da sargentos declara também que os militares já têm sido bastante penalizados com a redução dos efetivos.

“Quero lembrar também que houve uma redução de efectivos. Neste momento, somos 32 mil militares a dar resposta a tudo o que é actividade operacional das Forças Armadas”

“Nós estamos a trabalhar em frentes operacionais no limite e os próprios chefes militares têm referido isso. Não estamos a ver de que forma o Governo poderá empenhar mais anos nesta actividade sem recrutar mais gente para as forças armadas”, disse o líder da ANS.

O mesmo responsável frisou que a média de idade da reforma está actualmente nos 55 anos, mais 40 anos de serviço.


“Há atividades que são críticas dentro das Forças Armadas, como por exemplo os nadadores-salvadores, pilotos, bombeiros, entre outras”, ressaltou um dos líderes da associação de sargentos.

O presidente da Associação de Sargentos nessa quinta-feira foi ao Ministério da Defesa entregar um ofício para solicitar informações ao ministro Azeredo Lopes sobre as pretensões relacionadas a transferência para a reserva, aumento da idade etc.

No BRASIL percebe-se certa pressão no sentido de rever a questão da pensão militar, idade de transferência para a reserva e outros itens relacionados ao salário dos militares. Mas, não se ouve falar em equiparação com as polícias, já que por aqui já há corporações policiais que recebem “horas extras” e têm diárias e salários que equivalem a quase o dobro do que recebem o militares federais.

Contudo, em caso de propostas concretas por parte do governo federal brasileiro, os militares federais, sem associações, não tem como contestar ou apresentar contrapropostas. Ha certa esperança de que sejam incluídos na PEC443, emenda constitucional ainda em tramitação que torna legal a representação de militares por meio de associações de classe.

FONTE: Revista Sociedade Militar – http://sociedademilitar.com.br



Um comentário:

  1. Vai chegar no Brasil principalmente no RJ quem tem tempo vai embora depois não adianta chorar

    ResponderExcluir

"O Estado não tem poder algum sobre a palavra, as idéias e as convicções de qualquer cidadão dessa República e de profissionais dos meios de comunicação social." (Ministro Celso de Mello - Supremo Tribunal Federal) - Se identifiquem por gentileza, comentar não é crime!MUITO IMPORTANTE: O foco do movimento é a DIGNIDADE. E é para esse objetivo que o blog existe. Por isso, comentários que não compartilhem do mesmo objetivo poderão ser removidos. Não podemos publicar ofensas! Não insista! Defenda sua ideia ou crítica de forma respeitosa.