terça-feira, 9 de agosto de 2016

Após arresto de R$ 604 milhões, salários de servidores podem ser pagos nesta terça-feira


Médicos residentes do Hospital Universitário Pedro Ernesto acampam na porta da Secretaria Estadual de Fazenda em cobrança aos salários atrasados de outubro. 

No início da noite desta segunda-feira, a Justiça, enfim, ordenou o arresto das contas do governo do Rio para pagar os salários dos servidores que ainda não receberam seus proventos. O valor do arresto foi de R$ 604 milhões. A decisão diz respeito à ação da Federação das Associações e Sindicatos dos Servidores Públicos do Estado do Rio (Fasp), que cobra o pagamento de todo o funcionalismo até o 3º dia útil — ação amparada por uma liminar do Supremo Tribunal Federal (STF).

O advogado da federação, Carlos Henrique Jund, explicou que os pagamentos podem acontecer hoje: “A decisão atende integralmente ao nosso pleito de pagar imediatamente os servidores remanescentes. A ideia é que, no decorrer do dia de amanhã, todos tenham recebido”, disse Jund.

Estado afirma ter pago mais uma parte da folha de julho

Enquanto a Fasp briga na Justiça, o governo informou, nesta segunda-feira, que quitou os salários de mais uma parte do funcionalismo. De acordo com a Secretaria de Fazenda, já foram pagos R$ 1,46 bilhão. O valor corresponde a 74,3% da folha. O governo não passou, porém, o montante total dos salários e quantos servidores ainda não receberam. A promessa é pagar todo mundo até o dia 12, 10º dia útil. A data está prevista no calendário ampliado pelo governo.

FONTE: EXTRA

Nenhum comentário:

Postar um comentário

"O Estado não tem poder algum sobre a palavra, as idéias e as convicções de qualquer cidadão dessa República e de profissionais dos meios de comunicação social." (Ministro Celso de Mello - Supremo Tribunal Federal) - Se identifiquem por gentileza, comentar não é crime!MUITO IMPORTANTE: O foco do movimento é a DIGNIDADE. E é para esse objetivo que o blog existe. Por isso, comentários que não compartilhem do mesmo objetivo poderão ser removidos. Não podemos publicar ofensas! Não insista! Defenda sua ideia ou crítica de forma respeitosa.