domingo, 14 de agosto de 2016

Veto a novos empréstimos consignados a servidores do Estado do Rio está mantido


Bancos informaram que falta de acordo com o governo impede definição de prazo para voltarem a oferecer consignados 

A falta de entendimento entre os bancos e o governo estadual para que as instituições financeiras, em sua maioria de médio e pequeno porte, voltem a oferecer novos contratos de empréstimos consignados (com desconto em folha) aos servidores gerou um impasse difícil de resolver. Desde abril, o Rio vem atrasando os repasses ou, simplesmente, deixando de transferir os valores descontados dos contracheques dos funcionários públicos, referentes a parcelas de contratos de consignados concedidos. Por isso, novas transações foram suspensas há cerca de um mês, sem previsão de serem retomadas.

De acordo com a Associação Brasileira de Bancos (ABBC), durante uma reunião em junho, com o então secretário de Fazenda, Júlio Bueno, ficou estabelecido que o Estado do Rio faria o repasse regular dos recursos até o fim do ano, e que a dívida acumulada em abril e maio seria honrada em cinco parcelas. Em julho, porém, ocorreu um novo atraso, e as prestações atrasadas não foram pagas.

O EXTRA procurou os bancos citados pela ABBC (veja abaixo) para confirmar se os vetos às novas operações estavam mantidos. O jornal ligou para uma agência de cada banco, e todas informaram que os consignados estão suspensos. A informações foi que o veto se deve à crise financeira do Rio e o medo de mais calotes por parte do governo. Apenas o Intermedium confirmou, oficialmente, o impedimento e reforçou que os repasses continuam atrasados. As outras instituições preferiram não comentar a situação abertamente.


Uma nova reunião entre a ABBC e a Secretaria estadual de Fazenda está agendada para o dia 25 de agosto, já com a presença do novo secretário de Fazenda, Gustavo Barbosa. Dos grandes bancos do país, o Bradesco e o Banco do Brasil declararam que as operações continua regulares. A Caixa Econômica Federal, o Itaú e o Santander não informaram a situação dos consignados para os servidores estaduais.

Governo do Rio culpa arrestos por dívida com instituições

O governo estadual reconhece a dívida com as instituições bancárias. A desculpa está nos seguidos arrestos feitos nas contas públicas. Segundo a Secretaria de Fazenda, as retiradas autorizadas pela Justiça totalizam R$ 790 milhões, desde o início do ano. A pasta garante que as parcelas devidas já estão sendo pagas, referentes a março e abril. O governo do Rio, porém, não comentou a decisão dos bancos de restringir os empréstimos com desconto em folha. No início de 2016, o limite de comprometimento da renda com consignados baixou de 40% para 30%. A medida deixou muitos servidores impedidos de fazerem novas transações.

FONTE: EXTRA