sexta-feira, 9 de setembro de 2016

Dinheiro bloqueado nas contas do estado não é suficiente para pagar a folha

Foram arrestados R$ 16,7 milhões dos cofres, sendo que o montante necessário é de R$ 471,8 milhões

Rio - A Justiça do Rio não conseguiu ainda arrestar (bloquear) os R$ 471,8 milhões necessários para terminar de pagar o funcionalismo estadual. Até o momento, não há recursos suficientes nos cofres do estado e só foram encontrados R$ 16,7 milhões em várias contas em dois bancos.

A ordem de arresto foi publicada nesta quinta-feira pelo juiz Leonardo Grandmasson, da 8ª Vara de Fazenda Pública do Rio, a pedido da Fasp e baseada em decisão liminar do Supremo Tribunal Federal (STF). A Corte obriga o estado a pagar os servidores no terceiro dia útil do mês, que caiu na última segunda-feira.

Dois oficiais de Justiça estão cumprindo a ordem para o bloqueio das contas do estado, desde o início da tarde desta sexta-feira. Inicialmente, nas contas do estado, no Banco Bradesco, foram encontrados apenas R$ 3,7 milhões, que foram arrestados.

Em seguida, o oficial cumpriu a determinação judicial no Banco do Brasil, onde havia apenas R$ 13 milhões. Com esse valor, não será possível quitar a folha e, provavelmente, o restante dos servidores ativos, inativos e pensionistas receberá seus rendimentos na próxima semana. 

Advogado da Fasp, Carlos Henrique Jund diz que continuará pressionando para que o crédito seja logo efetuado. "A experiência de hoje reflete a informação do governo de que o estado está falido. Vamos continuar insistindo até que possamos conseguir os recursos suficientes para pagar a todos".

FONTE: O DIA

Nenhum comentário:

Postar um comentário

"O Estado não tem poder algum sobre a palavra, as idéias e as convicções de qualquer cidadão dessa República e de profissionais dos meios de comunicação social." (Ministro Celso de Mello - Supremo Tribunal Federal) - Se identifiquem por gentileza, comentar não é crime!MUITO IMPORTANTE: O foco do movimento é a DIGNIDADE. E é para esse objetivo que o blog existe. Por isso, comentários que não compartilhem do mesmo objetivo poderão ser removidos. Não podemos publicar ofensas! Não insista! Defenda sua ideia ou crítica de forma respeitosa.