sábado, 8 de outubro de 2016

Servidores reclamam de falta de diálogo com o governo do estado: ‘Fecharam a porta’


Protesto de alunos e professores da UERJ em frente ao Palacio Guanabara 

O Movimento Unificado dos Servidores Públicos do Estado do Rio (Muspe) reclama que, desde junho, o governo encerrou as conversas com o funcionalismo. Entre fevereiro e maio, diversas reuniões foram marcadas entre secretários e representantes do governo, em função do atraso de salários ou do parcelamento dos vencimentos. Durante a greve geral, que afetou diversas categorias, como Educação e Saúde, e trabalhadores do Judiciário, os encontros foram semanais. Com a aproximação da Olimpíada e o socorro financeiro oferecido pela União (R$ 2,9 bilhões), as portas do governo se fecharam para os servidores.

— O governo fechou a porta desde antes da Olimpíada. Ainda teríamos reuniões com as secretarias de Fazenda e de Planejamento, mas desmarcaram e não retomaram mais o diálogo — declarou João Luiz Rodrigues, presidente do Sindicato dos Servidores do Degase e integrante do Muspe.

O movimento do funcionalismo se reuniu nesta semana e vai pedir, nos próximos dias, uma reunião com o presidente da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), Jorge Picciani, para obter uma posição do Legislativo sobre os salários atrasados dos trabalhadores.

Pensão alimentícia debitada nos 30% restantes da Segurança

Policiais civis e militares, bombeiros e agentes penitenciários do Estado do Rio reclamam que os débitos referentes a pensões alimentícias não foram feitos com o pagamento de 70% dos salários, na última quarta-feira (5 de outubro), 3º dia útil do mês. Segundo os servidores da Segurança Pública, o desconto é feito diretamente nos contracheques dos trabalhadores e repassado aos pensionistas.

Desta vez, porém, isso não aconteceu. O EXTRA procurou a Secretaria estadual de Fazenda. A pasta informou que as pensões alimentícias serão debitadas nos 30% que restam ser pagos, deixando aqueles que necessitam dos benefícios a ver navios. A promessa do governo é de complementar os vencimentos no dia 13 de outubro.

FONTE: EXTRA

Nenhum comentário:

Postar um comentário

"O Estado não tem poder algum sobre a palavra, as idéias e as convicções de qualquer cidadão dessa República e de profissionais dos meios de comunicação social." (Ministro Celso de Mello - Supremo Tribunal Federal) - Se identifiquem por gentileza, comentar não é crime!MUITO IMPORTANTE: O foco do movimento é a DIGNIDADE. E é para esse objetivo que o blog existe. Por isso, comentários que não compartilhem do mesmo objetivo poderão ser removidos. Não podemos publicar ofensas! Não insista! Defenda sua ideia ou crítica de forma respeitosa.