sexta-feira, 4 de novembro de 2016

‘A angústia de quem não recebe é maior que a de receber um pouco menos’, diz Picciani


O presidente da Alerj, Jorge Picciani (PMDB) 

O presidente da Assembleia Legislativa do Rio, Jorge Picciani (PMDB), acredita que o pacote de austeridade proposto pelo governo do estado é necessário e que "não tem outro caminho" para conter a crise. Ele acredita que a batalha para os deputados aprovarem as medidas será difícil, mas pretende encerrar a votação dos projeto e das prováveis emendas que serão propostas até o fim do ano, "nem que precise trabalhar até o dia 31 (de dezembro)".

— Não adianta ficar num estado quebrado. Tem gente que tem medo do funcionalismo, mas temos que enfrentar. A angústia de quem não recebe é maior do que a de receber um pouco menos — afirma Picciani: — O estado mal consegue pagar os salários e não tem previsão para o 13º. Se nada for feito, a tendência é que o pagamento atrase três ou quatro meses. Por outro lado, tem que pensar em todos os cidadãos e não somente nos funcionários, por mais valorosos que sejam.

Para o presidente da Alerj, o governo do estado chegou a esse ponto por três motivos: a crise financeira nacional, a "quebradeira" da Petrobras e erros do próprio governador, Luiz Fernando Pezão (PMDB). Picciani acredita que o maior pecado foi prometer aumentos e gratificações para a folha de pagamento de 2015:

— A folha de pagamentos aumentou R$ 11 bilhões em 2015, em relação a 2014. As pessoas falam muito do impacto dos incentivos fiscais dados a empresas, mas não tenho um grau de certeza (que isso piorou a crise). Na maioria dos casos, os incentivos foram positivos e trouxeram para o Rio empresas, como a Nissan, Ambev e Citroen, que não viriam sem esses benefícios. Elas geraram investimentos e empregos. O problema foi a falta de transparência.

Ressaltando que ainda vai estudar as propostas a fundo, Picciani comentou algumas delas:

Corte para 12 secretarias: “Se tivessem me ouvido, teriam reduzido as secretarias antes. Cobro essa medida há um ano e meio. Com 26 secretários, não dá nem para receber todos num único mês. A gravidade da crise fez o governo se movimentar. Acho positivo. Temos que pensar nos 17 milhões de cariocas. Não podemos ficar num estado que vive para pagar salário do funcionalismo.”

Desconto previdenciário maior e alíquota extraordinária para aposentados: “Ou ajusta ou não aposentados e pensionistas não vão receber 100% esse mês. Poderão surgir emendas no sentido de mudar (a alíquota) de 14% para 20% para quem ganha acima de R$ 20 mil, já que a perda deles será menor. Vamos ver. A minha primeira tarefa é fazer com que haja dinamismo nas discussões e no recebimento de emendas. Não tenho uma ideia formada em termos de conta.”

Reajuste de tarifa e teto para subsídio do Bilhete Único: “Ainda que sacrifique a indústria e o comércio, o estado diminui as suas despesas e consegue manter o programa. O estado não está abrindo mão de continuar ajudando. Num momento de dificuldade, é uma medida adequada.”

Fim da gratuidade na barca para moradores de Ilha Grande e Paquetá: “A economia é pouca, um valor insignificante.”

Municipalização do Restaurante Popular: “O (prefeito eleito) Crivella não quer cuidar das pessoas? Espero que ele manifeste intenção de ficar com os restaurantes populares, como fez com as UPAs. Municipaliza ou autoriza as empresas que administram a cobrarem mais pelas refeições. É melhor do que fechar. Não é possível manter uma coisa que você não pode pagar.”

Fim do Aluguel Social: “Ele tem que ser bancado pelo governo federal porque essa é uma função nacional do Ministério das Cidades. Quando houve crescimento econômico, o (ex-governador) Sérgio Cabral deu (o Aluguel Social). O governo tinha dinheiro e quis agradar o governo federal. Esse não é mais o caso.”

Fim do Renda Melhor: “É a mesma coisa. O Cabral quis fazer num momento que tinha muito dinheiro. O estado não tem condições de bancar. Por exemplo, quando a renda da casa da gente diminui, trocamos a carne de primeira pela de segunda. Só que o estado é muito grande e demorou muito. Acabou tomando todas as medidas ao mesmo tempo.”

Mais impostos para a energia, teles, cerveja e cigarro: “Não é bom aumentar imposto da energia porque impacta o consumidor. Por outro lado, está beneficiando quem consome menos, já que aumenta a faixa de quem não paga. No telefone, não vai influenciar tanto. Não vejo problema em aumentar da bebida e do cigarro. É positivo.”

Reajustes salariais serão adiados: “Não é uma questão fácil. Vamos ter que adiar porque a folha de pagamento cresceu muito. Em 2016, vai subir mais ainda. O Pezão deu (aumentos) erroneamente e vai ser uma guerra.”

Corte do salário do governador, do vice e dos secretários: “Sou a favor, eles têm que dar o exemplo. É a única medida que vai ser fácil de aprovar.”

FONTE: EXTRA

Um comentário:

  1. Como um gatuno dessa estirpe pode dar alguma opinião sobre o que é bom ou ruim?! Esse é outro quando a PF começar, se já não começou, a vasculhar suas tramóias, breve estará na cadeia, junto com Cabral e Pezão e outros "ladronzitos"...

    ResponderExcluir

"O Estado não tem poder algum sobre a palavra, as idéias e as convicções de qualquer cidadão dessa República e de profissionais dos meios de comunicação social." (Ministro Celso de Mello - Supremo Tribunal Federal) - Se identifiquem por gentileza, comentar não é crime!MUITO IMPORTANTE: O foco do movimento é a DIGNIDADE. E é para esse objetivo que o blog existe. Por isso, comentários que não compartilhem do mesmo objetivo poderão ser removidos. Não podemos publicar ofensas! Não insista! Defenda sua ideia ou crítica de forma respeitosa.