sexta-feira, 25 de novembro de 2016

BOMBEIRO TRANSFORMA MADEIRA RECICLADA EM VIOLÕES


Ideia de juntar a madeira e a música surgiu através dos combates a incêndios nos galpões e casarões no Centro do Rio

Subtenente dos Bombeiros, Davi Lopes descobriu arte onde muitos só enxergam escombros. A partir de madeiras encontradas em incêndios e em depósitos de móveis de demolição, o bombeiro passou a fazer violões. Além da carreira militar, hoje também atua como luthier, profissional especializado na construção e na manutenção de instrumentos musicais.

A ideia de juntar a madeira e a música surgiu através dos combates a incêndios nos galpões e casarões no Centro do Rio. Davi percebeu que as madeiras usadas em construções antigas eram de altíssima qualidade. Dias depois do incêndio, ele buscava a doação desse material danificado para fabricar instrumentos. Muitas vezes, precisou até comprar restos de móveis e vigas parcialmente destruídas, mas que eram matérias-primas para produzir som.

"Enquanto houver um pedaço de madeira, mesmo que pequeno, sempre haverá a possibilidade do reaproveitamento e da reciclagem. É a arte do ressurgir", disse o bombeiro, que sonha em ensinar a arte da luthieria para crianças e jovens.

Segundo o luthier, cada construção de um instrumento é permeada de emoções.

"Sempre me pergunto: quantos jantares foram servidos sobre essa madeira, reunindo famílias inteiras?", questiona o bombeiro.

Um de seus instrumentos mais marcantes foi o último que construiu para o cantor e compositor Paulinho Moska.

O subtenente Davi Lopes foi aprovado no concurso para soldado do Corpo de Bombeiros do Estado do Rio de Janeiro em 1996. Tornou-se parte das fileiras de combate a incêndios e já esteve em vários salvamentos.

Apesar da paixão pela profissão, seu sonho sempre foi integrar a banda sinfônica da corporação. Após a transferência para o quartel central, começou a trabalhar na administração da banda.

Limpava a sala de ensaios, organizava as partituras e carregava os instrumentos. Tudo isso com um só objetivo: ingressar de vez na sinfônica. Um dia, fui promovido a 3º sargento músico e hoje sou subtenente – lembrou Davi.

Começou as aulas de luthieria em São Paulo, em 2007. A partir daí, passou a construir seus modelos e hoje é destaque nos meios militar e musical.

Um comentário:

  1. Como e quando a sociedade fluminense irá ter um bom aparato bombeiro-militar com o salário de fome que os Bombeiros Militares recebem? Um Bombeiro Militar, a nível de Soldado iniciante, tinha que ter um salário líquido de, no mínimo, R$ 5.000,00 (cinco mil reais) mensais.

    O salário mínimo necessário para suprir as necessidades vitais básicas, ou seja, as despesas de um trabalhador e sua família com alimentação, moradia, saúde, educação, vestuário, higiene, transporte e lazer, conforme determina o Inciso IV do Artigo 7º da Carta Magna, é de R$ 4.016,27 (quatro mil, dezesseis reais e vinte e sete centavos), segundo o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE).

    O Governo do Estado do Rio de Janeiro paga muito mal. Se pagasse bem, o CBMERJ poderia exigir o Nível Superior completo para Soldado e o Bacharelado em áreas específicas para Oficial.

    Para reverter o quadro de desmotivação dos Bombeiros Militares (o ânimo para trabalhar é zero), será preciso, também, melhorar as escalas, proporcionando o descanso necessário para melhorar a qualidade de vida dos profissionais.

    ResponderExcluir

"O Estado não tem poder algum sobre a palavra, as idéias e as convicções de qualquer cidadão dessa República e de profissionais dos meios de comunicação social." (Ministro Celso de Mello - Supremo Tribunal Federal) - Se identifiquem por gentileza, comentar não é crime!MUITO IMPORTANTE: O foco do movimento é a DIGNIDADE. E é para esse objetivo que o blog existe. Por isso, comentários que não compartilhem do mesmo objetivo poderão ser removidos. Não podemos publicar ofensas! Não insista! Defenda sua ideia ou crítica de forma respeitosa.