sábado, 5 de novembro de 2016

Jorge Picciani está favorável aos ajustes econômicos no estado

Alerj votará 22 emendas. Presidente do TCE diz que contribuição previdenciária é confisco inconstitucional

Rio - O presidente da Alerj, Jorge Picciani (PMDB), garante que todas as alterações terão de passar pelo plenário da Casa. “Tudo será um grande debate. Nada terá facilidade de ser aprovado. O governo vai ter que recompor a base. A Alerj vai discutir as 22 emendas em novembro e eu vou botar para votar em dezembro”, afirma o peemedebista, que se diz favorável aos ajustes.

O presidente do Tribunal de Contas do Estado (TCE)considerou o pacote preocupante e avaliou o aumento da contribuição previdenciária como confisco. “É inconstitucional”, criticou Jonas Lopes de Carvalho. Segundo ele, desde 2013 o governo do estado fecha as suas contas com receitas extraordinárias, como antecipação dos royalties do petróleo e com o dinheiro do Fundo de Depósito Judicial do Tribunal de Justiça. 

Para o deputado de oposição Eliomar Coelho (Psol), as propostas são absurdas por não levar em conta os motivos que geraram a crise. “Por que não senta com esse pessoal que tem isenção fiscal por 20, 30 anos, e dá uma renegociada nisso? Teve benefício fiscal que foi dado recentemente para a Odebrecht com cinco anos retroativos. Isso é um absurdo. É imoral”.

A solução, para ele, passa pelo aumento de receitas. “Não adianta só reduzir despesas e não aumentar as receitas. Por que não se taxam as grandes fortunas do estado? Tem uma série de medidas que poderiam ser adotadas pelo Executivo que compartilhariam o prejuízo com todos. Não podemos, por conta de orgias com o dinheiro do estado, botar o trabalhador para pagar a conta.”

Colega de partido de Eliomar Coelho, o deputado Marcelo Freixo faz questão de mencionar o ex-governador Sergio Cabral. “Quando ele assumiu, a dívida era de R$ 40 bilhões. Agora é de R$ 110 bilhões, sendo que o preço do petróleo estava em alta”, aponta Freixo. E completa: “Acho muito absurdo ele continuar vivendo de forma nababesca. O silêncio do Cabral é um silêncio criminoso”.

O presidente da Comissão de Tributação da Alerj, deputado Luiz Paulo (PSDB), vê a decisão do governo de aumentar a carga tributária sobre energia e telecomunicação. Ele diz que são as duas maiores fontes de arrecadação do estado (depois dos royalties). “O aumento da carga tributária sobre energia e telecomunicação em dois pontos percentuais pode ser um tiro no pé. São as duas maiores fontes de arrecadação do estado. E a energia para a indústria é fundamental”, exemplifica.

“As medidas vão aumentar custo do produto. Vão aumentar alíquota do combustível, e do preço do transporte, e, no fim, do preço do produto no comércio. Assim, aumenta a recessão e o desemprego, por via de consequência vai diminuir o consumo.”

Firjan critica aumento de impostos e suspensão de refinanciamento

O Sistema Firjan rechaçou os aumentos de impostos anunciados, que atingem especialmente a indústria de bebidas. Esclareceu, em nota, que recentemente a indústria já foi penalizada com uma lei que determina o recolhimento de 10% dos incentivos fiscais. E que, semana passada, a Justiça, concedendo liminar ao MP, proibiu o governo do estado de conceder, ampliar ou renovar incentivos. 

Ainda no dia 1º, foi também atingida por uma nova lei que condicionou a concessão ou renovação desses incentivos, nos próximos dois anos, à aprovação da Alerj. “São três fatores de insegurança jurídica, aos quais, no caso da indústria de bebidas, se soma a perda de competitividade com o aumento de alíquotas do ICMS”, diz, em nota.

A federação alega preocupação com a suspensão de programas de refinanciamentos de dívidas estaduais (Refis) para dez anos, uma “importante alternativa para a recuperação de empresas”. Para a Firjan, os dados são alarmantes. “Segundo o Tesouro Nacional, o Rio foi o estado que apresentou o maior aumento de gasto com pessoal entre 2009 e 2015: crescimento real de 70%”, critica.

FONTE: O DIA

5 comentários:

  1. Claro que está afinal as isenções fiscais tem que continuar

    ResponderExcluir
  2. Como esse ladrão, oriundo de Mesquita ou Anchieta,que era fudido, hoje tá bilionário através das sacanagens políticas, pode ser contrário a mais uma sacanagem do governo, se ele compactua com ela, recebe suas benesses, é parte integrante da quadrilha?!Vamos lutar até o fim, vamos parar esse estado, nem que tenhamos de ir às últimas consequências! Sem os servidores unidos, todas as policias, bombeiros, esse estado não anda e esses canalhas têm medo, porque tudo pode acontecer, porque são coverdes, frouxos, bundões, almofadinhas!... Quem são seus seguranças?! É o juiz, MP, DP, Desembargadores?!...É a raia miúda... É só tentar a sorte...

    ResponderExcluir
  3. Como esse ladrão, oriundo de Mesquita ou Anchieta,que era fudido, hoje tá bilionário através das sacanagens políticas, pode ser contrário a mais uma sacanagem do governo, se ele compactua com ela, recebe suas benesses, é parte integrante da quadrilha?!Vamos lutar até o fim, vamos parar esse estado, nem que tenhamos de ir às últimas consequências! Sem os servidores unidos, todas as policias, bombeiros, esse estado não anda e esses canalhas têm medo, porque tudo pode acontecer, porque são coverdes, frouxos, bundões, almofadinhas!... Quem são seus seguranças?! É o juiz, MP, DP, Desembargadores?!...É a raia miúda... É só tentar a sorte...

    ResponderExcluir
  4. CLARO QUE ELE É A FAVOR, DAS MEDIDAS QUE SEUS COMPARSAS TOMARAM, NÃO AFETA EM NADA A ELES NEM AO JUDICIÁRIO, QUE NÃO ESQUEÇAMOS TEM SEU PRESIDENTE INDICADO PELO GOVERNADOR. ENTÃO SE FICARMOS CONTANDO COM ALERJ OU JUSTIÇA, ESTAMOS F. TEMOS QUE IR PRA RUA, PRINCIPALMENTE INATIVOS E OS ATIVOS TEM QUE PARAR TUDO. SÓ NÃO PODEMOS CONTAR COM OS MÃO DE MACACOS DA PM. QUE TAL COMEÇAR COM AGENTES PENITENCIÁRIOS BARRANDO VISITAS DE PRESOS, AS CADEIAS VIRAM E O BICHO PEGA GERAL.

    ResponderExcluir
  5. ALGUÉM TINHA ALGUMA DÚVIDA DISSO?

    ResponderExcluir

"O Estado não tem poder algum sobre a palavra, as idéias e as convicções de qualquer cidadão dessa República e de profissionais dos meios de comunicação social." (Ministro Celso de Mello - Supremo Tribunal Federal) - Se identifiquem por gentileza, comentar não é crime!MUITO IMPORTANTE: O foco do movimento é a DIGNIDADE. E é para esse objetivo que o blog existe. Por isso, comentários que não compartilhem do mesmo objetivo poderão ser removidos. Não podemos publicar ofensas! Não insista! Defenda sua ideia ou crítica de forma respeitosa.