sexta-feira, 11 de novembro de 2016

Novo bloqueio das contas do Estado do Rio impedirá pagamento em dia dos servidores


Pela segunda vez em menos de uma semana, as contas estaduais foram bloqueadas pelo governo federal. O motivo, mais uma vez, foi o calote Estado do Rio em relação ao pagamento de parcelas de empréstimos. A União, como avalista, teve de quitar R$ 140 milhões e, agora, cobra a dívida. Com isso, o governo estadual não conseguirá pagar os salários de todos os 460 mil servidores até dia 16 de novembro, 10º dia útil do mês.

Ontem, os secretários de Fazenda e de Planejamento, além de outros integrantes do governo,participaram de reuniões nas quais discutiram o pagamento. A tendência é que os trabalhadores da Segurança — policiais civis e militares, bombeiros e agentes penitenciários — e os ativos da Educação recebam, ao menos, uma parcela dos vencimentos no dia 16. Os demais terão que esperar. A promessa é que, hoje, o governo anuncie seu planejamento para quitar os vencimentos.

— A Educação e a Segurança começarão a receber. Esses eram os setores que a gente tinha priorizado pagar — disse Pezão à TV Globo.

Enquanto isso, o funcionalismo promete um novo protesto na tarde de hoje. O ato foi convocado via redes sociais. A pretensão é fazer uma caminhada da Cinelândia à Assembleia Legislativa do Rio (Alerj).

Ontem, os deputados do PSOL protocolaram no Ministério Público do Estado do Rio (MP-RJ) uma representação pedindo a abertura de processo de improbidade administrativa contra Pezão e Francisco Dornelles (vice-governador).

FONTE: EXTRA

Nenhum comentário:

Postar um comentário

"O Estado não tem poder algum sobre a palavra, as idéias e as convicções de qualquer cidadão dessa República e de profissionais dos meios de comunicação social." (Ministro Celso de Mello - Supremo Tribunal Federal) - Se identifiquem por gentileza, comentar não é crime!MUITO IMPORTANTE: O foco do movimento é a DIGNIDADE. E é para esse objetivo que o blog existe. Por isso, comentários que não compartilhem do mesmo objetivo poderão ser removidos. Não podemos publicar ofensas! Não insista! Defenda sua ideia ou crítica de forma respeitosa.