quarta-feira, 14 de dezembro de 2016

GOVERNO NÃO GARANTE PROPOSTA RIDÍCULA DOS COMANDANTES


‘Temo pelo que pode acontecer em 2017’, diz Roberto Sá em reunião com deputados


Secretário falou durante reunião

Nesta terça-feira, durante uma reunião entre deputados e funcionários públicos, na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), o secretário de Segurança Pública, Roberto Sá, falou sobre o projeto que pretende adiar os reajustes das categorias ligadas à pasta para 2020.

“O servidor sabendo que o aumento que só sairia em 2020 vai acontecer em 2017, que o triênio está mantido, sai de um cenário muito antagônico, a um avanço razoável e consistente. Não acontecendo isso, temo pelo que pode acontecer no ano que vem pela vida de todos nós. Em termos de estabilidade pública, de estabilidade financeira. Pedir aos presentes que reflitam muito pelo que a gente pode decidir aqui. Se podemos enxergar um avanço com perdas pequenas, mas necessárias. Mas que a gente resolva esse impasse para que a gente possa viver a difícil rotina do estado do Rio de Janeiro”, disse Roberto Sá.

O Secretário fez referência a proposta elaborada pelo comandante da Polícia Militar, pelo chefe da Polícia Civil, pelo comandante geral do Corpo de Bombeiros e pelo secretário de Administração Penitenciária. Na proposta, os servidores da Segurança terão reajustes em dezembro pelos próximos três anos (os reajustes e incorporações estavam programados para janeiro), manterão seus triênios, terão salários em dia (até o 10º dia útil) e receberão o 13º salário no dia 20 de janeiro.

Durante a reunião, o secretário de Fazenda, Gustavo Barbosa não garantiu que a proposta será cumprida pelo governo. Os deputados pediram que o governador Luiz Fernando Pezão apresente, até quinta-feira, documento referendando a proposta dos chefes da Segurança Pública.

FONTE: EXTRA