quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

NOTA OFICIAL DO MUSPE

O Movimento Unificado dos Servidores Públicos Estaduais - *MUSPE* - vem a público manifestar-se nos seguintes termos:

Esta foi uma tarde de horror e violência. Os servidores públicos ativos, aposentados e pensionistas, estiveram reunidos na tarde deste dia 6 de dezembro para protestar contra o "Pacote de Maldades" do governo do Estado. Mais uma vez, foram rechaçados com força desproporcional e violência desmedida. Os policiais militares em serviço na ALERJ fizeram uma verdadeira caçada aos manifestantes. Viu-se de tudo um pouco: carros blindados atirando bombas de gás lacrimogêneo, bombas de efeito moral, e balas de borracha contra as pessoas, diversos disparos de policiais que se escondiam atrás de máscaras e escudos, a polícia montada intimidando os manifestantes, e até viu-se policiais de armas em punho, invadindo a igreja de São José, para atirar covardemente contra servidores desarmados, tratados como bandidos.

O servidor público, que está sem pagamento, com o salário congelado há anos e sem condições básicas de trabalho, é obrigado a suportar um governo que não dialoga e que busca impingir, sem nenhuma piedade, um conjunto de medidas que afronta o serviço público e atenta contra a carreira e a dignidade dos servidores, seja através do aumento da alíquota previdenciária, seja através de congelamento de gastos ou, ainda, não promovendo o cumprimento de leis que garantem a incorporação das gratificações, no caso dos servidores da segurança pública.

O Rio de Janeiro está quebrado. O calote que os servidores sofrem do governo se reflete no comércio, arrastando todos para o fundo do poço, criado pela corrupção enraizada neste governo. Os servidores não deram causa à crise, alicerçada em três pilares fundamentais: as isenções fiscais, a não cobrança da dívida ativa e, principalmente, a corrupção, cujo principal artífice está preso: Sérgio Cabral, merecidamente acompanhado de sua "primeira dama", Adriana Ancelmo.

Portanto, antes que se fale em vandalismo dos servidores, lembramos que vandalismo é o que o governo faz com nossos salários. Antes que reclamem que o servidor respondeu aos ataques covardes da tropa de choque da PM com rojões, lembramos que já estamos sendo atacados há muito tempo, e todo mundo, uma hora, se cansa de apanhar. Antes que digam que o servidor colocou fogo na rua, lembramos que isso foi uma reação e um grito por justiça, onde não se vê esperança num governo corrupto e que não governa para o povo. Antes que insinuem que o servidor errou, lembramos que errado é quando quatro policiais perseguem e sacam armas de fogo para servidores que se encontravam encurralados na Travessa do Paço, quase provocando uma desgraça, e culminando em uma agressão covarde de um militar a uma mulher.

O Rio, cantado e decantado em poesia e músicas, hoje virou uma praça de guerra. Um triste capítulo foi escrito na história do nosso Estado. Agora, além da violência psicológica, moral e financeira a que estamos submetidos pelo governo, temos também a violência física, proporcionada por um governo que promove a corrupção e que se esconde atrás da repressão policial.

No dia 12 de dezembro, a ALERJ pretende votar medidas que violentam, exploram e massacram os servidores. Estaremos lá, para resistir, olhar nos olhos dos deputados e questionar se eles vão mesmo nos impor a conta de uma crise à qual não demos causa. Vamos depender da resposta deles para darmos a nossa. E vamos lutar até o fim por dois objetivos: impedir a aprovação deste pacote de maldades e ver toda esta quadrilha presa.



*MUSPE - Movimento Unificado dos Servidores Públicos Estaduais*

3 comentários:

  1. Força,coragem e honra à todos nós servidores e homens de bem é quanto aqueles que embora estão no mesmo barco e covardemente atacam companheiros de farda e servidores como eles tbm são ,com toda certeza não terão paz ao deitarem a cabeça no travesseiro e olhar para sua esposa e filhos quando chegar às contas do mês . quem faz maldade esquece ,quem recebe não !!!

    ResponderExcluir
  2. Para evitar que policiais militares do 10ºbpm participassem do ato, o comando da referida unidade determinou uma reunião as 10:00h impedindo que os mesmo participassem, a maior sacanagem que as guarnições de serviço de 24h ficaram aguardando o retorno, a aguardando o retorno,muitos policiais que deslocaram a unidade souberam que haviam desmarcado a referida reunião... SACANAGEM,ALÉM DE PODEREM PARTICIPAREM DO ATO , AINDA GASTARAM COMBUSTÍVEIS PARA FALSA REUNIÃO E PREJUDICARAM OS POLICIAIS QUE ESTAVAM SAINDO DE SERVIÇO... ESSA É A PMERJ!!!

    ResponderExcluir
  3. Em casos como esse É PROIBIDO DISPAROS C ARMAS DE FOGO MESMO COM BALAS DE BORRACHA, DE CIMA PARA BAIXO.

    ResponderExcluir

"O Estado não tem poder algum sobre a palavra, as idéias e as convicções de qualquer cidadão dessa República e de profissionais dos meios de comunicação social." (Ministro Celso de Mello - Supremo Tribunal Federal) - Se identifiquem por gentileza, comentar não é crime!MUITO IMPORTANTE: O foco do movimento é a DIGNIDADE. E é para esse objetivo que o blog existe. Por isso, comentários que não compartilhem do mesmo objetivo poderão ser removidos. Não podemos publicar ofensas! Não insista! Defenda sua ideia ou crítica de forma respeitosa.