segunda-feira, 19 de dezembro de 2016

Presidente da Alerj devolve pacote anticrise e diz que 'falta governo' no Rio


O presidente da Alerj (Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro), Jorge Picciani (PMDB), voltou a criticar nesta segunda (19) o governador Luiz Fernando Pezão, mas disse que não vê chances de impeachment no Estado, que enfrenta grave crise financeira.

Ele concedeu entrevista nesta segunda para comentar a suspensão das votações do pacote anticrise proposto por Pezão por falta de acordo com o governo.

"Falta governo, não tem nenhum coordenação no governo. Se não fizer reformas estruturais, não resolve (a crise)", afirmou o deputado, que é da base aliada do governo, mas vem se distanciando de Pezão.

A Alerj adiou para 2017 a principal medida do pacote, que amplia a contribuição previdenciária dos servidores para 14% e devolveu projeto que adia para 2020 os reajuste de salários da área de segurança pública, prometido por Pezão antes das eleições de 2014.

No primeiro caso, disse ele, o adiamento tem por objetivo esperar a aprovação no Congresso do programa de recuperação fiscal do Ministério da Fazenda.

Já a devolução do projeto dos reajustes deve-se à falta de acordo entre governo e servidores. Na semana passada, as secretarias de Fazenda e Segurança chegaram a propor uma alternativa à proposta de Pezão, antecipando os reajustes, mas o governo não garantiu os pagamentos.

"Sem entendimento com sindicatos e sem comprometimento do governo, não havia nenhuma possibilidade de acordo no colégio de líderes", explicou.

Com a rejeição da proposta, o governo terá que considerar, já na folha de janeiro, uma primeira parcela do reajuste, que custará cerca de R$ 120 milhões. Em 2017, o gasto adicional será de aproximadamente R$ 1,5 bilhão.

O Estado, porém, ainda não conseguiu equacionar os salários de dezembro, que serão pagos em parcelas até o final de janeiro.

Os constantes atrasos e as denúncias de corrupção que levaram à prisão do ex-governador Sergio Cabral têm motivado manifestações pelo impeachment de Pezão, que já encontram eco dentro entre os deputados de oposição.

Picciani disse, porém, que vê poucas chances de impedimento do governador. "Está longe de se vislumbrar isso", afirmou.

Na sua opinião, o socorro do governo federal, a recuperação dos preços do petróleo e o aumento de impostos aprovado pela Alerj na semana passada podem ajudar a melhorar a situação financeira do Estado.

"O que tem que ocorrer é o governador Pezão colocar alguém para tocar a máquina, porque ele não é bom nisso", atacou, dizendo que chegou a sugerir os nomes de Pedro Parente, presidente da Petrobras, ou Eduardo Paes, que está deixando a prefeitura do Rio.

Um comentário:

  1. PECIANE ESTA´DO NOSSO LADO, AGORA. MAS A FEDERAL, NÃO ESTA DO SEU LADO, FUDEU. SÓ O MICHEL TEMER. ALELUIA.

    ResponderExcluir

"O Estado não tem poder algum sobre a palavra, as idéias e as convicções de qualquer cidadão dessa República e de profissionais dos meios de comunicação social." (Ministro Celso de Mello - Supremo Tribunal Federal) - Se identifiquem por gentileza, comentar não é crime!MUITO IMPORTANTE: O foco do movimento é a DIGNIDADE. E é para esse objetivo que o blog existe. Por isso, comentários que não compartilhem do mesmo objetivo poderão ser removidos. Não podemos publicar ofensas! Não insista! Defenda sua ideia ou crítica de forma respeitosa.