terça-feira, 17 de janeiro de 2017

Cirurgias eletivas em hospitais do Corpo de Bombeiros do RJ estão suspensas

Corporação culpa caos financeiro e informa que exames laboratoriais também estão restritos a casos de emergência. Militares reclamam repasses de fundo de saúde.


Cirurgias eletivas estão suspensas em hospitais do Corpo de Bombeiros (Foto: Reprodução TV Globo)

Estão suspensas as cirurgias eletivas (aquelas que não são emergenciais) em unidades de saúde do Corpo de Bombeiros do Rio de Janeiro. Questionada, a corporação informou ao G1 na noite desta segunda-feira (16) que algumas empresas pararam de fornecer materiais cirúrgicos por falta de pagamento e, por isso, a instituição precisou fazer "opções". Segundo o Corpo de Bombeiros, a causa para a paralisação nos serviços é a crise financeira do Rio de Janeiro.

Enquanto isso, se multiplicam as reclamações de militares que contam com os atendimentos nas 60 unidades da rede de saúde da corporação. O problema estaria ocorrendo desde meados de dezembro último, segundo a instituição.

Os quase 15.600 bombeiros do Rio contam com a rede para serem atendidos em hospitais, postos médicos, policlínicas e odontoclínicas. Em nota, a corporação ressaltou que cirurgias emergenciais continuam sendo feitas e que suspender as operações eletivas foi uma forma de "manter a excelência de todos os procedimentos emergenciais".

A realização de exames laboratoriais também preocupa os servidores. A corporação informou que a empresa contratada para prestar o serviço não foi paga integralmente e, por isso, só estão sendo realizados exames de "análises clínicas de pacientes internados e emergenciais".

"A minha esposa está aguardando uma cirurgia de hérnia abdominal pós-cesárea e o médico dela, no HCAP [Hospital Central Aristarcho Pessoa], informou que não tem previsão para essa cirurgia e, inclusive, elas estão suspensas", desabafou um bombeiro que pediu para não ser identificado.

Fundo de Saúde

Fora as suspensões de cirurgias e exames, bombeiros estão indignados porque o Estado desconta mensalmente ao menos 10% do salário deles para pagar o custeio dos serviços de saúde. O valor que é arrecadado vai para o Fundo de Saúde dos militares e, então, é repassado pela Secretaria de Estado de Fazenda para a corporação, que fica responsável pela gestão dos recursos.

"A nossa maior preocupação é em relação ao Fundo de Saúde. Se cada bombeiro colabora com 10% e 1% por dependente, é um valor que não pertence ao Estado, e nem ao Corpo de Bombeiros, mas sim ao militar, e deve ser utilizado exclusivamente nisso [na saúde]", explica o presidente da Associação de Bombeiros Militares do RJ, Mesac Eflain.

Ainda segundo Eflain, o repasse do governo para o Fundo de Saúde do Corpo de Bombeiros não tem sido realizado há meses e o passivo estaria em torno de R$ 20 milhões. Até o fechamento desta reportagem, a Secretaria de Estado de Fazenda não informou se há atraso no repasse.

FONTE: G1

3 comentários:

  1. Isso é fácil resolve. Vamos todos entrar com uma ação judicial para a retirada desse desconto q é indevida e inconstitucional , a justiça já mandou que não mais descontasse isso dos militares , mas não acataram , alguns amigos ja retiraram , pagaram 100 reais ao advogado e pagarão 30% quando sair , 30% dos descontos de 5 anos anteriores. Eu já estou juntando os contracheques dos 5 anos anteriores para dar entrada

    ResponderExcluir
  2. E detalhe , os amigos que tiraram o desconto do fundo de saúde , continuam sendo atendidos com seus dependentes normalmente. Não pode deixar de atender

    ResponderExcluir
  3. Isto não procede e não seria justo com quem está descontando. Não voltem ao mesmo discurso de que o Estado e obrigado a bancar nossa unidade. Isto também não procederia. Somos funcionários públicos e podemos ser atendidos como qualquer outro nos hospitais públicos de saúde.visto realmente eu não quero.

    ResponderExcluir

"O Estado não tem poder algum sobre a palavra, as idéias e as convicções de qualquer cidadão dessa República e de profissionais dos meios de comunicação social." (Ministro Celso de Mello - Supremo Tribunal Federal) - Se identifiquem por gentileza, comentar não é crime!MUITO IMPORTANTE: O foco do movimento é a DIGNIDADE. E é para esse objetivo que o blog existe. Por isso, comentários que não compartilhem do mesmo objetivo poderão ser removidos. Não podemos publicar ofensas! Não insista! Defenda sua ideia ou crítica de forma respeitosa.