segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

Forças Armadas vão atuar na segurança da Alerj a pedido de Pezão

Reforço na segurança foi pedido pelo governador Luiz Fernando Pezão, após os últimos protestos, que terminaram em confrontos

Rio - As Forças Armadas vão atuar na segurança da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), no Centro do Rio, nesta terça-feira. O reforço na segurança foi pedido pelo governador Luiz Fernando Pezão, após os últimos protestos, que terminaram em confrontos. A medida foi autorizada pelo presidente Michel Temer, durante reunião com Pezão no início da manhã.

Os militares também vão atuar no patrulhamento das ruas do Rio e devem permanecer na cidade até o fim do Carnaval. O anúncio ocorre no 4º dia de mobilização de mulheres de PMs na porta dos batalhões.
Nesta terça-feira, segurança na Alerj será reforçada com as Forças ArmadasArquivo O Dia

No momento, o governo trabalha no planejamento da ação para decidir quantos militares serão enviados ao estado ou deslocados para essas atividades. Também estão sendo estudados os locais em que atuarão e a data de início das ações, prevista inicialmente para amanhã. A autorização é a mesma concedida na semana passada para uso das tropas no Espírito Santo, onde familiares de policiais impediam a saída de viaturas em forma de protesto.

Votação adiada na Alerj

Os parlamentares da Alerj não votarão amanhã o projeto de lei que permite a privatização da Companhia Estadual de Águas e Esgotos (Cedae). Após um incêndio, na manhã desta segunda, no Palácio Tiradantes, o texto foi retirado de pauta. A proposta autoriza o estado do Rio a privatizar o órgão como garantia para empréstimos de R$ 3,5 bilhões.

Em nota, a Alerj afirmou que o pedido de reforço da segurança já havia sido feito anteriormente pelo governo do Estado, devido aos protestos ocorridos no entorno do prédio.

Um comentário:

  1. esse pé grande quer vender a cedae de qualquer jeito. quem vai fazer a segurança dos ladrões é o exército brasileiro. esse país acabou, só trump pode concertar.

    ResponderExcluir

"O Estado não tem poder algum sobre a palavra, as idéias e as convicções de qualquer cidadão dessa República e de profissionais dos meios de comunicação social." (Ministro Celso de Mello - Supremo Tribunal Federal) - Se identifiquem por gentileza, comentar não é crime!MUITO IMPORTANTE: O foco do movimento é a DIGNIDADE. E é para esse objetivo que o blog existe. Por isso, comentários que não compartilhem do mesmo objetivo poderão ser removidos. Não podemos publicar ofensas! Não insista! Defenda sua ideia ou crítica de forma respeitosa.