domingo, 19 de fevereiro de 2017

Intervenção federal pedida em Brasília

Medida tem o apoio até mesmo de um ex-secretário do governador Pezão

Rio - A intervenção federal no Estado do Rio, já discutida nos bastidores da política fluminense, chegou a Brasília. E tem o apoio até mesmo de um ex-secretário do governador Pezão.

O deputado federal Hugo Leal (PSB) discursou no plenário da Câmara, quinta, para pedir a medida. Para ele, que coordenou a bancada fluminense em busca de soluções, a situação chegou ao limite. “Não há outra saída. É como se a União fosse uma mãe com 27 filhos, e o Rio fosse o filho mais doente de todos. Precisa voltar a morar com a mãe.”

Também a favor da intervenção, o ex-secretário de Trabalho de Pezão Arolde de Oliveira (PSC) emenda: “O governador está tentando com todas as forças, mas não dá para funcionários públicos ficarem sem receber. A intervenção permitiria que problemas fossem eliminados rapidamente.”

Temer

Na opinião do deputado estadual Luiz Paulo (PSDB), a intervenção dificilmente terá o aval do presidente Michel Temer. “Se o governo federal aceitar bancar as despesas do Rio, mesmo que temporariamente, outros estados vão pedir o mesmo. A saída mais simples seria o impeachment. Tudo vai depender das votações, semana que vem, na Assembleia Legislativa.”

Inversão histórica 

O tucano Luiz Paulo é contra a privatização da Cedae. O petista André Ceciliano, a favor — diz que a medida permitirá a obtenção de empréstimos e o pagamento do funcionalismo.

Fator abacaxi

De um aliado de Pezão: “Para haver impeachment, alguém precisa querer assumir. Quem está disposto a segurar esse abacaxi?”

Nenhum comentário:

Postar um comentário

"O Estado não tem poder algum sobre a palavra, as idéias e as convicções de qualquer cidadão dessa República e de profissionais dos meios de comunicação social." (Ministro Celso de Mello - Supremo Tribunal Federal) - Se identifiquem por gentileza, comentar não é crime!MUITO IMPORTANTE: O foco do movimento é a DIGNIDADE. E é para esse objetivo que o blog existe. Por isso, comentários que não compartilhem do mesmo objetivo poderão ser removidos. Não podemos publicar ofensas! Não insista! Defenda sua ideia ou crítica de forma respeitosa.