terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

Negociação garante vitória na Alerj

Após autorização para venda da Cedae, governo prepara aprovação de outros itens do ajuste fiscal

Rio - A vitória com folga do governo estadual na votação de ontem sobre a venda da Cedae na Alerj mostrou que a negociação com deputados não só surtiu efeito como indica o resultado das próximas sessões que vão decidir outros itens do ajuste fiscal, como a elevação da contribuição previdenciária de servidores para 22%.

A base governista na Alerj garantia desde o início que possuía maioria para aprovar a proposta. E o placar final — 41 votos a favor contra 28 — e a presença de grande parte dos deputados no plenário mostrou que ainda resta alguma força ao Executivo.

Distribuição de cargos foi uma das políticas para garantir os votos necessários. E enquanto a aposta era de aprovar o projeto de lei por 36 ou 38 votos, o resultado com 41 votos favoráveis mostrou uma situação que ainda pode se fortalecer.

Em janeiro o deputado Thiago Pampolha, do PDT, que é a segunda maior bancada na Casa, assumiu um cargo no Executivo. Ele está à frente da Secretaria de Esportes e Lazer, cujo antecessor é Marco Antônio Cabral (PMDB), filho do ex-governador Sérgio Cabral, e que voltou para Brasília a fim de exercer seu mandato de deputado federal.

Também estão em cargos no governo os deputados peemedebistas André Lazaroni, que agora é secretário de Cultura, e Pedro Fernandes, comandando a Secretaria de Assistência Social e Ciência e Tecnologia. O chefe da Casa Civil, Christino Áureo, que já estava anteriormente no governo, também é deputado licenciado da Alerj pelo PP. Do mesmo partido, Jair Bittencourt ganhou em janeiro a Secretaria de Agricultura e Pecuária.

Todos os suplentes dos parlamentares que hoje sentam nas cadeiras do Executivo seguiram a base governista e votaram a favor da autorização de venda da Cedae.
Para o deputado Paulo Melo (PMDB), a “negociação com cargos” faz parte da política.

“Governo é para negociar. A nossa responsabilidade (do PMDB) é encontrar mecanismos para que o governo consiga sair dessa crise. Seria errado negociar outra coisa, mas o estado negocia participação política”, justificou.

O presidente da Alerj, Jorge Picciani (PMDB), também deixou claro que o aumento da alíquota previdenciária de 11% para 14% será aprovado. “Só não temos maioria para a alíquota extraordinária de 8%”, declarou.

Estado quer liminar do STF para antecipar empréstimo

Deputados da base governista preveem que em, no máximo, 30 dias o empréstimo de R$ 3,5 bilhões será fechado para chegar ao Rio. Tudo isso contando com a votação — e aprovação — do projeto de recuperação fiscal dos estados no Congresso. Mas há ainda outro caminho que o governo fluminense vem defendendo: tentar novamente uma liminar do ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal (STF), que autorize a operação financeira.

A decisão do Fux, de 15 de fevereiro, determinava que a Alerj e o Congresso votassem os projetos que tratam do tema. O ministro ordenou ainda que as partes — União, bancos e estado — apresentassem resposta ao Juízo em 30 dias.

O estado precisa de aprovação do Congresso para alterar a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), já que ultrapassou o limite de endividamento previsto na legislação. Quando isso acontece, o ente fica impedido de fazer novas operações financeiras.

O governo federal se comprometeu em enviar ainda hoje o projeto de recuperação fiscal dos estados que faz essa alteração na LRF.

Mas há uma expectativa do Executivo de o magistrado conceder uma autorização ainda sem esperar o Congresso aprovar o empréstimo.

Para a oposição, uma operação de crédito só vai piorar a situação do Estado do Rio. Líder do PSDB na Alerj, o deputado Luiz Paulo (PSDB), que também é membro da Comissão de Constituição e Justiça, critica qualquer tentativa de empréstimo e acredita que a venda da Cedae é um erro.

“É uma empresa superavitária e que está sendo colocada como a cereja do bolo pela União nessa negociação”, diz.

Do mesmo partido, Carlos Osório atacou a distribuição de cargos para aprovação do texto: “Infelizmente, a reconstrução da base do governo se deu com a recriação de secretarias e distribuição de cargos. É um contrassenso em momento de crise”.

“A Cedae está sendo vendida por um valor ridículo, pífio. Querem sim privatizar a água, isso que está em jogo”, declarou Marcelo Freixo (Psol).

12 comentários:

  1. EU NÃO FALEI QUE ESSES GENERAIS, JÁ ESTAVAM PUTOS DE FAZEREM AS FORÇAS ARMADAS DE POLICIA. E A GLOBO RODANDO A CIDADE PARA VER SE O EXERCITO ESTAVAM TRABALHANDO. COMO SE FOSSEM COMANDANTE DELES.SE FU. AGORA SE A PM QUISER RECEBER O DÉCIMO TA NA HORA.PEZÃO ESTA MAIS CASSADO QUE NOTA DE CEM. OU VAMOS PASSAR O CARNAVAL SEM DÉCIMO. BOM NITERÓI PEGOU UMA GRANINHA. É VAMOS ESQUECER ISTO TEM PM QUE NÃO PRECISA.

    ResponderExcluir
  2. ESSES PUTOS DE POLÍTICOS, SÓ QUEREM SE DAR BEM, PEGARAM UMA GRANA ABRIRAM SECRETARIAS PARA OS PARENTES.LÓGICO NÃO SÃO TODOS. TEVE UM PUTO QUE TRAIU O PT, SERÁ PORQUE? E O POVÃO SE FERRANDO, E NÓS TAMBEM OLHA OS 22% VAI PASSAR.
    FORÇA E HONRA.

    ResponderExcluir
  3. Se for para passar, que passe só os 14℅ . Os 8℅ temos que brigar para não passar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade companheiro, os 14℅ já é dado como certo. Esses 8 eu vou lutar para não passar. Abc

      Excluir
    2. os 14% vai passar, eu espero estar certo, mas esse 8% é para a gente aceitar de boa os 14% e é o que esta acontecendo. porque temos o imposto de renda, alguns são 27% mais 22%, e quem tem empréstimo no consignado, se ferra é inconstitucional. vamos lutar até o fim.
      juntos somos fortes"

      Excluir
    3. 8% é inaceitável e vou pra luta

      Excluir
    4. NÃO TEM QUE PASSAR PORRA NENHUMA.

      Excluir
  4. Que "justiça" é essa? Que deputados na iminência de votarem um projeto de lei em que favorece ao governo e lesa o servidor, pode receber cargo do mesmo??
    Pq isso não é proibido?
    Cara, o Brasil é um nojo... Sem mais!

    ResponderExcluir
  5. O governo diz que o salário de janeiro só será quitado em 22 de março. Imaginem senhores quando receberemos o de faveiro...

    ResponderExcluir
  6. ESSE rodrigo maia É UM SAFADO FDP, ELE PODIA ADIANTAR A VOTAÇÃO. TAL pai TAL filho da p. E AINDA DISSE QUE SENTIA MUITO EM NÃO PODER AJUDAR O SEU ESTADO, COMO SE O RIO FOSSE dele. A VAI TE FODER CANALHA, FORAM OS CARIOCAS QUE TE COLOCARAM AÍ. NOS VAMOS TER OUTRA OPORTUNIDADE SAFADO.

    ResponderExcluir
  7. TENHO VERGONHA DE SER BRASILEIRO,SE TIVESSE CONDIÇÕES JÁ ESTARIA LONGE DAQUI A MUITO TEMPO.

    ResponderExcluir

"O Estado não tem poder algum sobre a palavra, as idéias e as convicções de qualquer cidadão dessa República e de profissionais dos meios de comunicação social." (Ministro Celso de Mello - Supremo Tribunal Federal) - Se identifiquem por gentileza, comentar não é crime!MUITO IMPORTANTE: O foco do movimento é a DIGNIDADE. E é para esse objetivo que o blog existe. Por isso, comentários que não compartilhem do mesmo objetivo poderão ser removidos. Não podemos publicar ofensas! Não insista! Defenda sua ideia ou crítica de forma respeitosa.