quarta-feira, 26 de abril de 2017

Greve geral marcada para esta sexta mobiliza pelo menos dez categorias em todo o país

Trabalhadores farão protesto contra as reformas trabalhista e da Previdência

Nos últimos meses, mobilizações contra as reformas propostas pelo governo de Michel Temer (PMDB) têm crescido por todo Brasil. Diversas categorias alegam um retrocesso em direitos fundamentais conquistados ao longo do tempo. Para esta sexta-feira (28), uma greve geral promete parar serviços essenciais, como os transportes de massa. A lista de entidades que prometem fazer parte do movimento deve crescer até o final da semana.

Segundo os sindicatos, espera-se que a greve seja geral, com o objetivo de unir diferentes categorias profissionaisem vários Estados da federação em prol de uma única causa. Às vésperas das votações das Reformas Trabalhista e Previdência, na próxima segunda-feira, 1º de maio, quando é celebrado o Dia do Trabalho, a Central Única dos Trabalhadores (CUT) planeja um ato político na Avenida Paulista.

A lista de entidades que prometem fazer parte do movimento deve crescer até o final da semana

São Paulo

Na capital paulista, já declararam paralisação os sindicatos dos metroviários, dos motoristas de ônibus, dos motoboys, dos 
bancários, metalúrgicos e dos trabalhadores da limpeza urbana. Professores da rede estadual, municipal e da rede privada também paralisarão suas atividades na sexta. Além do Sindicato dos Trabalhadores em Saúde, Previdência e Assistência Social. Os ferroviários e os funcionários dos Correios já têm reunião marcada para discutir a pauta. 

As Frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo realizarão um ato, marcado para 17h, que partirá do Largo da Batata, seguindo em caminhada até a casa do presidente Michel Temer. 

Rio

No Rio, o ato está marcado para 14h na Assembleia Legislativa (Alerj), com uma caminhada até a Cinelândia, passando pela candelária. 

“Tendo como concentração a ALERJ, que foi palco de grandes mobilizações das categorias do serviço publico estadual, daremos a este dia um caráter de luta. A agenda reacionária imposta pelo governo nos coloca a necessidade de darmos respostas mais duras na conjuntura”, diz o evento do Facebook, organizado pela SEPE, MUSPE, fórum dos Servidores Públicos Federais, Frente Povo sem Medo e a Frente de Esquerda Socialista, convocando para a manifestação. 

Brasil

Sindicatos em Minas Gerais, Espírito Santo, Amazonas, Pernambuco/Paraíba, Bahia, Duque de Caxias (RJ) e Ceará/Piauí também declararam adesão à greve. 

Pilotos, co-pilotos e comissários de voo definiram em assembleias realizadas nesta segunda-feira (24) em São Paulo, Campinas, Rio de Janeiro, Brasília e Porto Alegre entrar em “estado de greve” nos aeroportos. Em comunicado, o Sindicato Nacional dos Aeronautas (SNA) destaca que o "estado de greve" é um alerta aos governantes e parlamentares de que a qualquer momento a categoria poderá deflagrar uma greve geral.

O SNA ressalta que a Proposta de Reforma Trabalhista traz enormes riscos à profissão de pilotos e comissários, impactando inclusive na segurança de voo.

Os jornalistas e radialistas da Empresa Brasil de Comunicação (EBC) também aprovaram, em assembleia realizada dia 31 de março, o estado de greve, com indicativo de paralisação, no próximo dia 28, com participação de trabalhadores e trabalhadoras em Brasília, Rio de Janeiro, São Paulo e Maranhão.

A EBC divulgou Carta Aberta denunciando a censura interna que atinge seus veículos, numa prática envolvendo assédio aos trabalhadores, proibição do uso de imagens e até demissões.

Serviços do Judiciário e do Ministério Público poderão ser afetados em alguns Estados. A adesão de trabalhadores de tribunais e fóruns da Paraíba, do Rio Grande do Norte e do Pará já está confirmada. Também no Pará, São Paulo e Minas, os policiais civis já informaram que só atenderão ocorrências de emergência. Sindicatos de outros Estados também foram convocados pela Cobrapol (Confederação Brasileira de Trabalhadores Policiais Civis) para aderir ao movimento.

Greve geral

Se consolidada, essa será a primeira greve desde a paralisação de 1996, no primeiro mandato de Fernando Henrique Cardoso (PSDB), que ia contra a flexibilização de direitos trabalhistas, o desemprego e a política de privatização apresentada pelo tucano. 

A maior greve geral já realizada no Brasil aconteceu em 1989. Entre os dias 14 e 15 de março, 70% da população economicamente ativa do país teria paralisado suas atividades, segundo levantamento feito pelas centrais sindicais na época — o Brasil tinha mais de 59 milhões de trabalhadores.

4 comentários:

  1. Essa greve é partidaria. Greve para garantia de direitos do trabalhador aceitavel, porém esta greve e para manipulação da esquerda que promoverá a volta de um "regime lulista" que foi responsavel de + de 13 milhoes de desempregados. Tem que deixar a lava jato colocar os corruptos generalizados desse Brasil na prisão. As reformas tem sim que acontecer, como não sei! Mas terá para o bem do pais no futuro.

    ResponderExcluir
  2. A paralisação não é partidária. É a resposta do povo, dia trabalhadores e servidores públicos que serão afetados com a Reforma da Previdência. Os lulistas, dilmistas e turma da mortadela tb aproveitarão o momento. Porém a questão está acima de partidos . A questão é seria e atinge a todos covardemente e sem o devido debate entre giverno, representantes das categorias e população. As reforma terão de ser feitas, mas não desssa maneira, a prejudicar drasticamente os trabalhadores e têm de garantir a aposentadoria digna a todos os contribuintes e com idade adequada a garantir o mínimo de bem estar, proporcionalidade e respeito a todas as categorias. O governo tem de começar essas reformas dentro de casa, ou seja, tem de acabar com a desproporcionalidade de salários e direitos deles próprios, que é vergonhosa em comparação com os do povo. Tem de cortar os altíssimos salários, planos de saúde sem limites para políticos, os auxílios vergonhosos, isenções de tributos e IR deles, corte dos cargos comissionados, que são um esculacho, são muitos e com altos salários; corte de números de parlamentáreis , auxiliares, suplentes e mordomias; corte de altos salários para os que prestam serviços, como os que trabalham no xerox, copeiros, ascensoristas, que ganham mais do que um médico, professor, policial ou bombeiro. Isso, não cogitam em cortar ou reformulat. Acabar com as aposentadorias vitalícias de políticos, que não é carreira, mas deveria ser um dever. O exemplo tem de vir do planalto, das assembleias, câmaras e principalmente do Judiciário de todo o país, onde estão os mais altos salários pagos no Brasil, E não começar a reforma com o povo que contribui e paga todas essas mordomias e desproporcionalidades, sofrido e que recebe um dos mais baixos salários mínimos do planeta e paga is mais altos impostos e tributos tb. Vamos nivelar, vamos reformar o Congresso primeiro e veremos como vai sobrar dinheiro para a Previdência e principalmente para desenvolver esse país rico, mas paupérrimo politicamente e de governo, que só roubam, fazem escárnio da cara do povo e querem manter a vida nababesca e a condição financeira (deles) de marajás, vergonhosa e aviltante. Chega de sacanagem e crimes contra o povo !

    ResponderExcluir

"O Estado não tem poder algum sobre a palavra, as idéias e as convicções de qualquer cidadão dessa República e de profissionais dos meios de comunicação social." (Ministro Celso de Mello - Supremo Tribunal Federal) - Se identifiquem por gentileza, comentar não é crime!MUITO IMPORTANTE: O foco do movimento é a DIGNIDADE. E é para esse objetivo que o blog existe. Por isso, comentários que não compartilhem do mesmo objetivo poderão ser removidos. Não podemos publicar ofensas! Não insista! Defenda sua ideia ou crítica de forma respeitosa.