quarta-feira, 24 de maio de 2017

Com promessa de protesto dos servidores, Alerj vota taxação de 14% para a Previdência


Apesar da pressão dos servidores, iniciada em 2016, a Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) vai colocar em votação, hoje, a elevação da contribuição previdenciária dos funcionários públicos, de 11% para 14%. Uma reunião de líderes está marcada para as 11h, com a presença das lideranças dos partidos que integram o parlamento. A votação está prevista para as 15h.E, ao que tudo indica, o texto deve ir à plenário.

Entre os deputados da base do governo, o discurso é de criar um novo mecanismo de resgate das finanças públicas. Já para a oposição, a taxação vai “vitimar” quem não tem culpa perante a crise.

— O que o governo quer é massacrar o servidor público. Quer tirar as poucas condições de subexistência dos trabalhadores do Estado — disse o deputado Eliomar Coelho (PSOL).

Sobre a votação, governistas apontam para uma vitória com boa folga. A ideia é que o texto seja aprovado com a mesma margem apresentada durante a discussão da alienação da Cedae: foram 41 votos à favor e 28 contrários. Já a oposição aposta na ausência de deputados governistas que estão licenciados, caso, por exemplo, do presidente da Casa, Jorge Picciani (PMDB).

O governador Luiz Fernando Pezão ligou para a maior parte dos deputados. Os contatos acontecem desde a semana passada. Em alguns contatos, porém, não teve sucesso.

— Não tem como votar à favor desse governo. Vou estar desrespeitando a população com essa decisão e todos os servidores — disse um parlamentar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

"O Estado não tem poder algum sobre a palavra, as idéias e as convicções de qualquer cidadão dessa República e de profissionais dos meios de comunicação social." (Ministro Celso de Mello - Supremo Tribunal Federal) - Se identifiquem por gentileza, comentar não é crime!MUITO IMPORTANTE: O foco do movimento é a DIGNIDADE. E é para esse objetivo que o blog existe. Por isso, comentários que não compartilhem do mesmo objetivo poderão ser removidos. Não podemos publicar ofensas! Não insista! Defenda sua ideia ou crítica de forma respeitosa.