quarta-feira, 24 de maio de 2017

O CORPO DE BOMBEIROS ACEITOU MESMO FAZER ISTO?


Leiam. É estarrecedor...

"O Muspe obteve uma liminar judicial que determinava o acesso de servidores às galerias da Alerj, o que foi negado pela presidência da Casa, que apresentou um laudo dos Bombeiros que dizia que a quantidade de saídas, bem como a largura, estavam em desconformidade com as normas técnicas, não podendo haver lotação no interior do plenário."

Tivemos acesso ao "laudo", que diz que a lotação da Alerj seria composta por "70 deputados, 140 assessores e 110 funcionários" e que só poderia haver 110 pessoas no prédio, concluindo que "não há possibilidade de estabelecimento de uma lotação, frente à disparidade técnica constatada". Com base nisso, a Alerj não permitiu o ingresso de ninguém para assistir a votação, desrespeitando a ordem judicial.   

Alguns pontos chamam a atenção:

1) O "laudo" foi fabricado nesta semana, às vésperas da votação; o papel não possui qualquer timbre; não possui a característica marca d'água dos documentos dos bombeiros; e não tem sequer a data em que foi feito.

2) O laudo mente ao afirmar que cada deputado possui 2 assessores, num total de 140. Na verdade, cada deputado possui 20 (vinte) assessores, num total de 1.400, ou seja, 10 vezes o informado pelo laudo. 

3) O laudo afirma que a Alerj teria 100 funcionários. Na verdade, a Alerj possui cerca de 5 mil funcionários. Outro "pequeno" erro de 5.440 funcionários a menos na conta.     

4) O laudo afirma que a lotação da Alerj é limitada a 110 pessoas. Só que lá tem 70 deputados, 1.400 assessores e 5 mil funcionários (total de 6.470 pessoas). Em todos os dias normais, centenas de outras pessoas entram e assistem as sessões, sem nenhum problema. Só agora, na votação contra os servidores, os bombeiros notaram que a Alerj vem deixando entrar todos os dias 6.360 pessoas além do permitido?

5) Se os Bombeiros afirmam que a Alerj só comporta 110 pessoas e sabe-se "agora" que ela possui 6.470, o que farão? interditarão a Alerj? Ou o Corpo de Bombeiros fará vista grossa ao seu próprio laudo e permitirá que 6.470 pessoas continuem trabalhando num local em que só poderiam estar 110? vai assumir o risco de ser responsabilizado no caso de uma tragédia?



http://odia.ig.com.br/economia/2017-05-24/alerj-aprova-aumento-de-contribuicao-previdenciaria-de-servidor-de-11-para-14.html

6 comentários:

  1. Enquanto isso o cpmso passará para o quartel central(dgp),e quando militares estiverem de licença médica acima de 15 dias no hcap serão obrigados a ir até o quartel Central na perícia e depois retirar a sua unidade que serve levar sua licença,coisa absurda e outra pq as compras de materiais hospitalares que eram realizados pelo serviço de controladoria/finanças do hcap serão realizadas pelo quartel Central?

    ResponderExcluir
  2. Amigo, sou militar da DGP e essa informação não procede!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Entao o laudo do ten cel marcus vinicius alves de oliveira é falso ? O caso precisa ser encaminhado ao MP. Pois se realmente foi um documento forjado para esvaziar as galerias , o caso precisa ser investigado. E se for verdade , foi irresponsável permanecer a casa aberta, né ?

      Excluir
  3. A reunião ocorreu no hcap,vc não deve saber.

    ResponderExcluir
  4. Não me causa surpresa já que o comando do CBMERJ é subserviente, sempre vão ser vassalos do governo, porque estão mais preocupados em manter seus cargos e benefícios do que em defender os interesses da tropa.

    ResponderExcluir
  5. O papel não é timbrado ,, não tem data ,, realmente tem algo errado aí .

    ResponderExcluir

"O Estado não tem poder algum sobre a palavra, as idéias e as convicções de qualquer cidadão dessa República e de profissionais dos meios de comunicação social." (Ministro Celso de Mello - Supremo Tribunal Federal) - Se identifiquem por gentileza, comentar não é crime!MUITO IMPORTANTE: O foco do movimento é a DIGNIDADE. E é para esse objetivo que o blog existe. Por isso, comentários que não compartilhem do mesmo objetivo poderão ser removidos. Não podemos publicar ofensas! Não insista! Defenda sua ideia ou crítica de forma respeitosa.