terça-feira, 27 de junho de 2017

Pezão prevê R$ 1,5 bilhão de receita com venda da operação da folha dos servidores


Reunião com servidores foi a primeira desde dezembro de 2015 

A receita extraordinária mais factível, e próxima, a entrar nos cofres do Estado pode sair da venda, a um banco, do processamento da folha de salário dos servidores ativos, inativos e pensionistas, da arrecadação de tributos e do pagamento de fornecedores. Na última quinta-feira, em reunião com servidores, Pezão confirmou aos presentes a previsão de entrada dos recursos já na primeira semana de agosto. A receita prevista é de R$ 1,5 bilhão.

Segundo os servidores, Pezão disse que “existe um prazo de análise por parte do Tribunal de Contas do Estado (TCE)”. O governador explicou que, caso tivesse esse dinheiro em mãos hoje, conseguiria colocar os meses de abril e maio em dia. A dívida do Estado, somente com salários mensais, supera R$ 855 milhões.

Pezão arriscou a possibilidade de utilizar o que sobrar do recurso para quitar parte da dívida sobre o 13º salário de 2016. “Coloco o salário em dia e tento pagar parte do 13º. Vou tentar”, disse Pezão, de acordo com os presentes.

Para a próxima segunda-feira, dia 3 de julho, está marcada uma audiência pública para tratar o tema. O encontro será coordenado pela Secretaria de Fazenda e Planejamento e acontecerá no auditório da secretaria. A previsão é que o edital de venda seja enviado ao TCE na primeira quinzena de julho.

FONTE: EXTRA