domingo, 11 de junho de 2017

Pezão tenta assinar Plano de Recuperação Fiscal esta semana



O plano suspende por três anos o pagamento de dívidas do ente com o governo federal, e o prazo é prorrogável pelo mesmo período


Rio - O governador Luiz Fernando Pezão vai a Brasília esta semana na tentativa de assinar o Plano de Recuperação Fiscal. Com a aprovação na Alerj dos projetos de lei que são contrapartidas para adesão ao regime, Pezão acredita que conseguirá fechar o acordo com o governo federal nos próximos dias. Mesmo assim, fontes do governo ressaltam que isso não é certo e que o estado depende da “boa vontade” da União. 


As propostas que receberam aval da Alerj tratam da autorização para adesão à recuperação fiscal e de mudanças nas regras para concessão de pensões. Os textos foram sancionados na sexta-feira e serão publicados amanhã no DO.



O governador tentou acelerar o trâmite para que amanhã ou terça-feira ele já conseguisse articular com o presidente Michel Temer e o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, a entrada do estado no regime.

O plano suspende por três anos o pagamento de dívidas do ente com o governo federal, e o prazo é prorrogável pelo mesmo período.

A recuperação fiscal também autoriza estados em calamidade — e que, hoje, estão impedidos de obter empréstimo — a ter crédito com instituições financeiras. A operação já prevista para o Rio e com negociação avançada é de R$3,5 bilhões. O montante será para quitar salários atrasados, incluindo décimo terceiro dos servidores.

PRESSÃO DO MUSPE


ATO NA TERÇA-FEIRA


O Movimento Unificado dos Servidores Públicos Estaduais (Muspe) fará passeata às 13h de terça-feira, com saída do Largo do Machado em direção ao Palácio Guanabara. Os líderes do grupo pediram audiência com Pezão. O governador, no entanto, deverá estar em Brasília. O Muspe não descarta se reunir com outros representantes do Executivo nesta data.

REIVINDICAÇÕES


SALÁRIO E NOMEAÇÃO


Um dos líderes do Muspe, Ramon Carrera (do Sind-Justiça) disse que o grupo tratará de três pleitos do funcionalismo: progressão funcional (promoção), retorno do calendário de pagamento de ativos, inativos e pensionistas, e convocação dos concursados aprovados. O último item foi incluído pela Alerj no texto de adesão à recuperação fiscal.

PROMOÇÃO 1


AÇÃO DE POLICIAIS


A Coligação dos Policiais Civis (Colpol) e o Sindpol (Sindicato dos Policiais Civis do Rio) entraram com ação civil pública no TJ-RJ, com pedido de liminar, para garantir a promoção dos servidores da categoria. O jurídico das entidades — que é o mesmo — alega que a Casa Civil comunicou aos órgãos do estado o impedimento para a medida.

PROMOÇÃO 2


RETROATIVAS


Advogado da Colpol e do Sindpol, Albis André argumenta que a recuperação fiscal não impede promoções. Ele diz ainda que há policiais que cumpriram exigências para progressão na carreira, em 2014, e pede que o estado efetue a promoção retroativa. A ação foi protocolada na sexta-feira e está na 4ª Vara de Fazenda Pública do TJ-RJ.


Fonte: O DIA


Nenhum comentário:

Postar um comentário

"O Estado não tem poder algum sobre a palavra, as idéias e as convicções de qualquer cidadão dessa República e de profissionais dos meios de comunicação social." (Ministro Celso de Mello - Supremo Tribunal Federal) - Se identifiquem por gentileza, comentar não é crime!MUITO IMPORTANTE: O foco do movimento é a DIGNIDADE. E é para esse objetivo que o blog existe. Por isso, comentários que não compartilhem do mesmo objetivo poderão ser removidos. Não podemos publicar ofensas! Não insista! Defenda sua ideia ou crítica de forma respeitosa.