sábado, 17 de junho de 2017

Rio completa um ano de calamidade devendo salários; servidores somam dívidas e bicos

Anderson Dionísio, bailarino do Teatro Municipal, faz bico de mototaxista

Da vaga de bailarino do Teatro Municipal, com o sonho de cursos no exterior e saltos cada vez mais altos na profissão, Anderson Dionísio das Neves vive, desde 2016, uma realidade totalmente diferente. O servidor público do Estado do Rio, bailarino estatutário há 18 anos, sofre com as dívidas — que quintuplicou em um ano. Seu ganha pão, diante dos salários atrasados, tem sido o bico como mototaxista no Bairro de Fátima, além das aulas particulares. Anderson é apenas um retrato da calamidade pública, decretada há exatamente um ano, pelo então governador em exercício, Francisco Dornelles.

EN Rio de Janeiro (RJ) 12/06/2017 - Especial : A Cara da Calamidade Publica , Anderson Dionisio (Bailarino Fazendo Bico de Mototaxi) , Lapa RJ , Fotos : Fabio Guimaraes / Extra / Agencia O Globo.




— Tive que me desfazer de todas as minhas economias para bancar as dívidas. Quando começaram a atrasar o salários, fiquei devendo cerca de R$ 2 mil. Hoje devo R$ 11 mil — lamentou Anderson, de 45 anos.

O bailarino é um entre os milhares de funcionários que vivem com a corda no pescoço diante da falta de dinheiro.

— A dívida do cartão de crédito multiplicou por sete. Com o pouco que cai, eu pago a luz e o gás — desabafou Maria Cristina Martins, de
51 anos, enfermeira do Hospital Pedro Ernesto, que tem salário mensal de R$ 2.800.






Desde o início da crise, o Estado deve um mês de salário a, no mínimo, 300 mil servidores ativos, aposentados e pensionistas — 65% do total de funcionários. Essa conta inclui a dívida sobre o salário de maio que não foi pago a cerca de 220 mil, além do 13º não quitado para a área da Segurança Pública, que soma cerca de 80 mil, segundo dados do Caderno de Recursos Humanos do Estado. Há quem cobre três salários, caso dos aposentados da Educação, e dos vinculados às Secretarias de Ciência e Tecnologia, Cultura e Esportes, por exemplo.

O governo do Rio informou que aguarda a validação do Termo de Recuperação Fiscal para ter acesso a recursos e quitar o que deve.


Fonte: EXTRA

Nenhum comentário:

Postar um comentário

"O Estado não tem poder algum sobre a palavra, as idéias e as convicções de qualquer cidadão dessa República e de profissionais dos meios de comunicação social." (Ministro Celso de Mello - Supremo Tribunal Federal) - Se identifiquem por gentileza, comentar não é crime!MUITO IMPORTANTE: O foco do movimento é a DIGNIDADE. E é para esse objetivo que o blog existe. Por isso, comentários que não compartilhem do mesmo objetivo poderão ser removidos. Não podemos publicar ofensas! Não insista! Defenda sua ideia ou crítica de forma respeitosa.