sexta-feira, 21 de julho de 2017

Jungmann diz que Forças Armadas vão ajudar na segurança do RJ até 2018

Ministro não informou o efetivo da tropa envolvida na operação. Haverá ações em conjunto entre as três Forças e as polícias.







As Forças Armadas estarão, nos próximos dias, nas ruas do Rio de Janeiro. A informação foi confirmada pelo ministro da Defesa, Raul Jungmann, ao RJTV. Os militares permanecerão nas ruas da cidade até dezembro de 2018. O ministro não informou o efetivo das tropas que participarão das ações.


"Nós já estamos ativando um Estado-Maior Conjunto com Exército, Marinha e Aeronáutica para apoiar esse plano integrado de segurança que vai envolver todos os dispositivos policiais do governo federal e estadual. A essência deste plano é a inteligência para que você saiba onde está o comando do crime organizado. Ao mesmo tempo você identificar onde estão os arsenais. Utilizando o efeito surpresa e a integração de todas as forças sejam elas policiais e militares golpear o crime organizado, a bandidagem no Rio de Janeiro", analisou Raul Jungmann.


De acordo com o ministro como a "essência é a surpresa", ele não pode anunciar quando terá início a operação.


"A presença será permanente mas descontínuo, ou seja, teremos ações que serão realizadas contando com apoio das Forças Armadas e policiais. No momento seguinte se para essa operação e se iniciam outras e mais outras. No caso das Forças Armadas nós não precisamos de muitos recursos de fora. Só para dar um exemplo, a Vila Militar, que é a maior unidade militar da América do Sul, tem 12 mil homens. Na totalidade das três Forças temos 35 mil homens. Ou seja, só em caso de necessidade de uma macro-operação em apoio às ações policiais caso seja necessário"


O ministro explicou ainda que o dinheiro para essa ação será do orçamento das Forças Armadas e terão suplementação quando necessário. Segundo o ministro, o presidente Michel Temer garantiu ao governador do RJ, Luiz Fernando Pezão que, apesar da dificuldade, os recursos estarão disponíveis para a operação.



Presença constante

Homens das Forças Armadas fazem patrulhamento na orla de Copacabana, Zona Sul do Rio de Janeiro (RJ) em fevereiro deste ano. (Foto: Alessandro Buzas/Futura press/Estadão Conteúdo)



Não é a primeira vez que o governo do RJ pede ajuda às Forças Armadas para a questão de segurança.


Em 14 de fevereiro, o Rio de Janeiro amanheceu, com reforço no policiamento, vindo das tropas do Exército. Na ocasião, foram nove mil militares nas ruas do Rio.


A liberação foi concedida pelo presidente Michel Temer após visita do governador Luiz Fernando Pezão, que fez o pedido alegando a necessidade por conta do aumento no número de pessoas na cidade até o carnaval. Os militares ficaram na cidade entre 14 e 22 de fevereiro.


Fonte:  G1

Um comentário:

  1. O GENERAL VILAS BOAS TINHA FALADO QUE NÃO COLOCARIA O EXÉRCTO NAS RUAS. MAS O RIO PRECISA ESTA MORRENDO MUITOS IRMÃOS DE FARDA, EM CUMPRIMENTO DO DEVER. O RIO PRECISA É DE UMA INTERVENÇÃO FEDERAL. MAS QUE NOSSOS IRMÃOS DO EXÉRCITO, PUNAM OS MATADORES DE PMS. TEVE UMA REPRESENTE DOS DIREITOS HUMANOS DANDO UMA PALESTRA AQUI EM MINAS, FALANDO QUE PRIMEIRO O POLICIAL TERIA QUE SER BALEADO PARA DEPOIS REAGIR. COITADO ESPEROU SER ALVEJADO, FOI UM SÓ TIRO NA CABEÇA, E CAIU COM O FUZIL AGARRADO NA MÃO POIS MORREU NA HORA. ESSA SENHORA QUE DEU A PALESTRA, TINHA QUE TER FALADO QUE A MÃE DELA QUE PRIMEIRO TERIA QUE SER BALEADA PARA DEPOIS REAGIR. ELA DEVE TER FALADO ISTO, O POLICIAL QUE ENTENDEU ERRADO.

    ResponderExcluir

"O Estado não tem poder algum sobre a palavra, as idéias e as convicções de qualquer cidadão dessa República e de profissionais dos meios de comunicação social." (Ministro Celso de Mello - Supremo Tribunal Federal) - Se identifiquem por gentileza, comentar não é crime!MUITO IMPORTANTE: O foco do movimento é a DIGNIDADE. E é para esse objetivo que o blog existe. Por isso, comentários que não compartilhem do mesmo objetivo poderão ser removidos. Não podemos publicar ofensas! Não insista! Defenda sua ideia ou crítica de forma respeitosa.