domingo, 17 de setembro de 2017

Operação Ingenium no Fantástico

A Desonra nunca fez parte da história de nossa Corporação. Exigimos rigor na apuração dos fatos e punição exemplar para os culpados





Escutas telefônicas gravadas com autorização da Justiça mostram bombeiros presos na semana passada no Rio, acusados de "vender" alvarás em troca de propina, falando sobre o dinheiro arrecadado. A gravação foi obtida pelo Fantástico neste domingo (17).


Em um dos trechos, o interlocutor diz que "é muita grana". "Não dá para por isso na mão". Enquanto o outro responde: "Não vou ficar falando isso no telefone, vai lá no quartel".


Em outras ocasiões, eles falavam em código. Chamavam dinheiro de bebeto e "dia" significava mil reais. Os militares pediam dinheiro vivo e recusavam o que chamavam de "brownie em folha", que significava pagamento em cheque.


- Você tá no quartel?


- Que que houve?


- O cara está com o dinheiro pra dar. pra poder fazer o negócio, tá com o dinheiro. (...) como que vou fazer? tu tem um número de uma conta?


- Pô cara, vai no quartel amanhã pra gente ver isso.


- Por que é o seguinte, é muita grana. Não dá pra por isso na mão... é muita grana


- Não vou ficar falando isso no telefone não Botelho, vai lá no quartel.


De acordo com a investigação, eles vendiam os alvarás de locais sem condições. De padarias a casas de show, passando por estádios de futebol.


Os bombeiros aparecem em primeiro lugar no ranking das instituições em que o brasileiro mais confia, de acordo com o Ibope.


"Nas investigações, foi identificado que muitos estabelecimentos, eles de fato tiveram a documentação do certificado de aprovação, sem cumprir as normas de segurança", diz a delgada Renata Araújo Braga.


De acordo com Moacyr Duarte, especialista em segurança, a venda de alvarás significa colocar a vida dos espectadores em risco.


"Quando você vende esse tipo de laudo, na verdade, o que está acontecendo: uma aposta com a vida das pessoas. Aspectos que seriam importantes por norma, que estivessem presentes num local, num estabelecimento comercial, que são simplesmente ignorados."



Estádio Giulite Coutinho



Um dos casos mais graves, segundo a investigação, foi a liberação de um estádio de futebol. O estádio Giulite Coutinho, em Mesquita, na Baixada Fluminense, é do América, mas foi usado também pelo fluminense em jogos do campeonato brasileiro do ano passado. Segundo as escutas telefônicas, os bombeiros liberaram o estádio mesmo sem todos os equipamentos de segurança obrigatórios.


Mas mesmo sem sinalização e iluminação de emergência o esquema da propina dos bombeiros funcionou e o estádio foi liberado. O América diz que na época a responsabilidade para a liberação foi do Fluminense. O Fantástico procurou o antigo presidente do fluminense - Peter Siemsen - que comandava o clube no ano passado. Ele não quis comentar o assunto e, em nota, disse apenas que o fluminense investiu mais de 1 milhão de reais em melhorias no estádio.




Bombeiros negociavam nomeações





Até mesmo a nomeação para comandantes de unidade eram negociadas em esquemas ilegais. O requisito básico: a manutenção do esquema, como mostra um dos áudios.


- Vou ver um nome aqui e indico pro senhor.


- Tem que ser um cara malandro. Bom e malandro. Bom de trabalho e bom de malandro.


Bombeiros que cobravam propina para dar alvarás chamavam dinheiro de 'bebetinho' (Foto: Reprodução / TV Globo)




Fonte:  G1

Nenhum comentário:

Postar um comentário

"O Estado não tem poder algum sobre a palavra, as idéias e as convicções de qualquer cidadão dessa República e de profissionais dos meios de comunicação social." (Ministro Celso de Mello - Supremo Tribunal Federal) - Se identifiquem por gentileza, comentar não é crime!MUITO IMPORTANTE: O foco do movimento é a DIGNIDADE. E é para esse objetivo que o blog existe. Por isso, comentários que não compartilhem do mesmo objetivo poderão ser removidos. Não podemos publicar ofensas! Não insista! Defenda sua ideia ou crítica de forma respeitosa.