terça-feira, 12 de setembro de 2017

Secretário estadual de Defesa Civil pede exoneração após ação que prendeu mais de 30 bombeiros Ronaldo Alcântara era comandante-geral da corporação





Após a operação que prendeu, até o momento, 34 bombeiros envolvidos com um esquema de venda de alvarás no Rio, o secretário estadual de Defesa Civil, Ronaldo Alcântara, pediu exoneração do cargo. A informação foi confirmada pelo Palácio Guanabara. Entre os presos estão dois assessores do comandante-geral.



A ação contra o esquema, que começou no início da manhã desta terça-feira, é realizada pela Corregedoria Geral Unificada da Secretaria de Segurança e do Ministério Público do Rio, com apoio da Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas e de Inquéritos Especiais (Draco-IE). Até o momento foram cumpridos 34 dos 38 mandados de prisão expedidos contra os envolvidos no esquema. Ao todo, 67 ordens de busca e apreensão, expedidos pela 1ª Vara Criminal de Nova Iguaçu, são cumpridas desde cedo nas casas dos suspeitos, quartéis do Corpo de Bombeiros e sede de empresas.






Os mandados de prisão, expedidos pela 1ª Vara Criminal de Nova Iguaçu, são cumpridos contra os comandantes de Caxias e Nova Iguaçu, Irajá, GOPP, Copacabana, Campinho, Jacarepaguá e do Destacamento de Paracambi e de sete Coronéis da reserva. Os dois assessores indicavam os comandantes destas unidades, que contavam com a participação dos bombeiros lotados no setor de Engenharia, além de bombeiros da reserva e civis, que intermediavam os pagamentos das propinas pagas por empresários para obtenção do documento que permitia o funcionamento do empreendimento.






Mais de R$ 60 mil foram apreendidos na casa do tenente-coronel Silva André, além de um carro Kia Sportage novo. Uma BMW foi encontrada na casa do cabo Flavio Feliciano, motorista do coronel André Morgado. Também foi detido um dos três empresários alvos da ação. Os outros dois estão viajando, segundo o Ministério Público.




Fonte: O GLOBO