sexta-feira, 27 de outubro de 2017

Adiamento de leilão deixa funcionalismo estadual apreensivo

Pregão para definir bancos que participarão do empréstimo de R$2,9 bilhões ao Rio seria nesta sexta-feira, mas foi remarcado para a próxima quarta.



O adiamento do leilão para definir os bancos que darão o empréstimo de R$ 2,9 bilhões ao Estado do Rio deixou o funcionalismo apreensivo. O pregão ocorreria hoje, mas teve que ser reagendado para a próxima quarta-feira (dia 1º de novembro) a pedido do governo federal, conforme antecipou ontem a Coluna no DIA Online. De acordo com o estado, a mudança se deve à necessidade de publicação de um decreto presidencial, relativo às garantias da União para a operação.

É a segunda vez que o leilão é prorrogado: já foi marcado para o dia 24 deste mês e, depois, para esta sexta-feira (27), pois o estado teve que republicar o edital para autorizar a participação de mais de um consórcio.

Com todas essas mudanças, a angústia dos servidores só aumenta. Isso porque os recursos do empréstimo serão para quitar atrasados do funcionalismo, como décimo terceiro de 2016 (R$ 1,2 bilhão), horas extras da Segurança (R$ 40 milhões) e salário mensal.

A Coluna questionou a Secretaria Estadual de Fazenda sobre a estimativa de chegada do dinheiro nos cofres do Rio. A pasta afirmou que, após a realização do pregão, "o Estado do Rio de Janeiro, o Ministério da Fazenda e a instituição financeira vencedora concentrarão esforços para que os recursos cheguem aos caixas do estado o mais breve possível". A Fazenda reafirmou que o empréstimo será utilizado para liquidar os passivos e colocar os salários em dia.

Agosto e setembro


O estado faz as contas para conseguir zerar dívidas com o funcionalismo. Além do 13º de 2016 e das horas extras da Segurança, o salário de agosto não foi pago a 15.375 ativos, aposentados e pensionistas. O valor em aberto é de R$ 163 milhões. E os vencimentos de setembro, que deveriam ter sido quitados no dia 16, estão em atraso para 221.604 vínculos, em um total de R$ 650,3 milhões.

Muspe

Lideranças do Movimento Unificado dos Servidores Públicos Estaduais (Muspe) composto por diversos sindicatos criticaram o adiamento do leilão e disseram que, mesmo após a adesão do Rio à recuperação fiscal, nada mudou. Afirmaram ainda que o cenário tira as esperanças do funcionalismo de receber os salários em dia. Eles reforçaram a convocação para o ato dia 8 de novembro, na Alerj.

Policiais civis


Presidente do Sindicato dos Policiais Civis (Sindpol), Márcio Garcia disse que a notícia frustrou ainda mais a categoria. "Estamos dependendo disso para receber atrasados. Agora, a gente conta que o governo honre sua palavra e pague o que deve aos policiais", afirmou ele, que questionou: "Vão acumular a folha do 13º de 2017 e como vão pagar isso?".

Bombeiro e Degase


Mesac Eflain, presidente da Associação dos Bombeiros, declarou que promessas do estado e da União não são cumpridas: "Há lentidão e burocracia para socorrer servidores que estão passando fome". "Após o governo defender que a recuperação fiscal seria a única solução, causa espanto sequência de adiamentos do leilão", criticou João Rodrigues, do Sind-Degase.

Saúde agoniza


Diretor da Associação dos Servidores da Vigilância Sanitária (Asservisa), André Ferraz lamentou a demora para os recursos chegarem. Segundo ele, a Saúde é a área com a menor média salarial do estado. "(Enquanto há adiamentos) Há uma crise seletiva, que deixa servidores (com menor renda) mais fragilizados enquanto outras categorias, como deputados e magistrados, ganham em dia".

Docentes da Uerj


A assinatura da recuperação fiscal foi atacada por muitos servidores, como os da Uerj. E o presidente da Associação de docentes da universidade (Aduerj), Guilherme Vargues, voltou a criticar o acordo: "É mais uma irresponsabilidade política e econômica do governo estadual para sair da crise que ele mesmo produziu. É uma acordo imposto pela União que devasta a economia do Rio por décadas".





Fonte: O DIA

Nenhum comentário:

Postar um comentário

"O Estado não tem poder algum sobre a palavra, as idéias e as convicções de qualquer cidadão dessa República e de profissionais dos meios de comunicação social." (Ministro Celso de Mello - Supremo Tribunal Federal) - Se identifiquem por gentileza, comentar não é crime!MUITO IMPORTANTE: O foco do movimento é a DIGNIDADE. E é para esse objetivo que o blog existe. Por isso, comentários que não compartilhem do mesmo objetivo poderão ser removidos. Não podemos publicar ofensas! Não insista! Defenda sua ideia ou crítica de forma respeitosa.