segunda-feira, 16 de outubro de 2017

Defesa Civil monitora construções na Praia da Macumba após desmoronamentos


Orla da praia da Macumba desaba com o efeito das ondas 

O afundamento do calçadão da Praia da Macumba, que há dias atormenta os moradores locais, poderia ter sido evitado se um projeto tivesse sido adotado há 17 anos. A Coppe já apresentou, no ano 2000, uma proposta de quebra-mar que impediria o deslocamento da areia pela ação dos ventos. Ele foi entregue ao então prefeito Luiz Paulo Conde. Agora, com a possibilidade de um desmoronamento que ameaça até os prédios próximos à orla, a Secretaria municipal de Conservação e Meio Ambiente recebeu novas cópias do estudo e analisa o caso.

O vice-prefeito, Fernando Mac Dowell, esteve no local fazendo uma vistoria.

Um dos autores do projeto, o professor Paulo Rosman, do Departamento de Engenharia Costeira da Coppe, observa que, além de ter deixado para trás o alerta feito na época, o município ainda fez intervenções que, somadas a fatores ambientais, agravaram a situação.

— Durante as obras de urbanização do Eco-Orla, na década passada, removeram parte da areia sem fazer a reposição. E o movimento das marés também carregou mais areia em direção ao canal. Para completar, este ano, as ondas têm sido mais frequentes no sentido Recreio-Canal de Sernambetiba, o que acentua o fenômeno — explica Rosman.

O especialista chama atenção que processo semelhante já é observado no Arpoador.

— Nesta época do ano, a faixa de areia do Arpoador deveria ser muito maior. Mas não parou de perder areia para o Leblon. Nesse ritmo, a praia pode “sumir” no próximo verão — observa Rosman.

De acordo com o engenheiro, a prefeitura precisaria apenas atualizar a série histórica sobre o comportamento das ondas na Praia da Macumba para executar o projeto do quebra-mar. Ele estima que o custo das obras ficaria entre R$ 40 milhões e R$ 50 milhões. Na conta, é considerada a necessidade de reposição de cerca de 600 mil metros cúbicos de areia.



Obras para proteger os imóveis

A Secretaria municipal de Conservação e Meio Ambiente confirmou que o projeto da Coppe — que já foi anunciado três vezes em governos passados, em 2000, 2003 e 2004 — é uma das alternativas em estudo. Até agora, a prefeitura considerava fazer um reforço estrutural no calçamento com o uso de estacas. Mas, com o aumento dos estragos desde a última sexta-feira, o plano é instalar barreiras de concreto na frente e atrás do muro de contenção para evitar o avanço da água e proteger os imóveis. A promessa é começar os trabalhos esta semana.

O órgão observou que a intervenção também já era sugerida por estudos da Coppe desde 2005. A sugestão foi feita semanas depois da inauguração do projeto Eco-Orla. O engenheiro Antonio Eulálio, ex-conselheiro do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia, que esteve no local, considera que houve erros na execução do muro de contenção:

— A base de sustentação foi apoiada em uma área aterrada durante as obras do Eco-Orla. Essa base deveria ter sido construída a pelo menos um metro de profundidade do nível da areia.

A urbanização da praia é alvo de disputa judicial entre o município e o Ministério Público Federal. O MP questionou a obra, feita sem licença ambiental, que teria provocado danos ao ecossistema. Em 2015, a prefeitura foi condenada a recuperar a área, mas recorreu e suspendeu os efeitos da sentença até a conclusão de uma perícia judicial.

Um comentário:

  1. O CRIVELLA, NÃO VAI DEIXAR ENDIREITAR UMA PRAIA QUE SE CHAMA MA-CUM-BA. AFINAL ELE É PASTOR.KKKKKK

    ResponderExcluir

"O Estado não tem poder algum sobre a palavra, as idéias e as convicções de qualquer cidadão dessa República e de profissionais dos meios de comunicação social." (Ministro Celso de Mello - Supremo Tribunal Federal) - Se identifiquem por gentileza, comentar não é crime!MUITO IMPORTANTE: O foco do movimento é a DIGNIDADE. E é para esse objetivo que o blog existe. Por isso, comentários que não compartilhem do mesmo objetivo poderão ser removidos. Não podemos publicar ofensas! Não insista! Defenda sua ideia ou crítica de forma respeitosa.